Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
Ana Moser

Quem é ele?

Ana Moser, 38 anos, ex-atleta de vôlei, casada, tem dois filhos e nasceu em Blumenau (SC)

* Dados de 2006

Fundadora, em 2001, do Instituto Esporte & Educação (IEE), organizado em núcleos esportivos implantados em regiões carentes de 18 cidades brasileiras.

Beneficiários diretos: 3.000 alunos nos núcleos e 10 mil com atendimento pontual da Caravana do Esporte; 250 professores capacitados

Orçamento em 2005: R$ 2,4 milhões (80% de parceiros e 20% da venda de produtos e eventos)

www.esporteeducacao.org.br

Ex-atacante 'saca' o papel moral e ético do esporte

Mais do que uma escola de vôlei, capacitar professores é a meta

DENISE RIBEIRO
da Folha de S.Paulo

Ana Moser, 38, nasceu envolvida pelo esporte. Seguindo os exemplos do pai, jogador semiprofissional de futebol, e do tio, campeão de atletismo, basquete e vôlei, a menina catarinense já deu os primeiros passos como esportista aos sete anos.

Aos 16, saiu de casa e entrou em quadra para fazer história como jogadora de vôlei. Imbatível como atacante, foi eleita a melhor do mundo em 1990, no Mundial de Pequim. Com seu potente saque e suas rebatidas certeiras, ajudou a seleção a conquistar sua primeira medalha olímpica: a de bronze, em 1996. Fora das quadras, Ana demonstrou ter um caráter tão forte quanto seu saque, eleito o melhor das Olimpíadas de 1992, em Barcelona. Ao final da competição, ela se afastou da seleção para liderar um boicote contra o técnico Wadson de Lima, por discordar de seu trabalho. Voltou no ano seguinte, quando o comando passou para as mãos de Bernardinho.

Aquecimento

Com o tempo, contusões a afastaram da rede, à qual deu adeus em novembro de 1999. Foi então que a idéia de devolver à sociedade um pouco do que o esporte lhe proporcionou começou a se aquecer.

O inconformismo com a desigualdade social e a falta de oportunidades para a população de baixa renda foi o que moveu um grupo de profissionais, liderados por ela, a fazer núcleos esportivos em bairros carentes de infra-estrutura, de olho no desenvolvimento de crianças e adolescentes.

"Aprendi com o esporte que cada um tem de dar seu máximo. Se tenho potencial e meu compromisso é dar 100%, tenho obrigação de render esse tanto. Assim é na vida: seu lugar é do seu tamanho", diz a diretora-presidente do Instituto de Esporte & Educação (IEE).

"Não sou melhor que ninguém, só ganhei visibilidade. Minha função como sortuda da história é dar a contrapartida a quem não teve tanta chance."

Oásis

O IEE não se resume a uma escolinha de esportes. Além das atividades de iniciação no vôlei, o instituto capacita professores de educação física para que passem às crianças não só as técnicas do vôlei mas também valores éticos e morais.

O centro esportivo do Jardim São Luiz, na periferia da zona sul de São Paulo, é um oásis fincado no alto de uma colina do bairro, que figura entre os mais violentos da cidade, com altos índices de assassinato entre jovens. Para se instalar, o IEE negociou até com traficantes.

"O jogo é uma estratégia para trabalhar a educação", diz Alan Leão, 27, que começou como estagiário no núcleo de Heliópolis (zona sul), em 2001, e hoje coordena o núcleo do Jardim São Luiz, além de cursar pós-graduação bancada pelo IEE. Ele acredita que, para jogar, as crianças precisam aprender a conhecer o corpo, a si mesmas e a respeitar colegas.

 
Patrocínio: Coca-Cola Brasil e Portal da Indústria; Transportadora Oficial: LATAM; Parceria Estratégica: UOL, ESPM, Insper e Fundação Dom Cabral
 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

  • Realização
  • Patrocínio
    • CNI
    • Vale
  • Parceria Estratégica
  • Parceria Institucional
  • Divulgação
    • Aiesec
    • Agora
    • Brasil Júnior
    • Envolverde
    • Endeavor
    • Ideia
    • Make Sense
    • Aspen
    • Semana Global de Empreendedorismo
    • Sistema B
    • Avina

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página