Descrição de chapéu Alalaô

Carnaval traz riscos ao coração, de lesões na coluna e de infecções

Especialistas dão dicas de como evitar que os excessos da maratona da folia tenham efeitos negativos na saúde

Cláudia Collucci Phillippe Watanabe
São Paulo

Sem querer ser estraga prazeres no final da festa, é fato que Carnaval pode fazer mal para o coração. E não falamos daquelas paixões efêmeras típica desta época. 

Um artigo do cardiologista Claudio Tinoco Mesquita, professor da Universidade Federal Fluminense, reuniu pesquisas sobre hábitos comuns na folia que podem causar prejuízos à saúde cardíaca. A começar pelo próprio samba.

Segundo o trabalho, publicado no periódico científico International Journal of Cardiovascular Sciences, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a dança chega a elevar a frequência cardíaca de uma pessoa para até 90% do máximo da sua capacidade, o equivalente a um exercício físico de alta intensidade.

“Se a pessoa é sedentária e associa isso ao consumo de energéticos, álcool ou e outras drogas, há uma sobrecarrega no coração, o que pode aumentar o risco de arritmias cardíacas”, afirma Mesquita. 

Ele diz que o consumo de bebidas energéticas está ligado a arritmias cardíacas mesmo em pessoas com o músculo cardíaco normal.

Os energéticos contêm quantidades elevadas de cafeína e substâncias como taurina e adenosina, que são estimulantes do sistema nervoso central, aumentando o estado de alerta e aliviando a fadiga.

“Essas bebidas aumentam a atividade da adrenalina no coração, a frequência cardíaca e a pressão arterial”, diz o cardiologista. Segundo ele, em pessoas que já têm problemas cardíacos de base, como síndromes que alteram a parte elétrica do coração, os ricos de complicações são maiores.

Mesquita diz que a maconha também eleva o risco de fibrilação atrial (uma arritmia). Estudos apontam que 3% dos usuários desenvolvem essa doença. A recomendação aos foliões é muita hidratação, moderação no consumo de álcool e evitar drogas ilícitas.

As sociedades brasileiras de ortopedia (Sbot) e de coluna também iniciaram campanha para alertar os risco de lesões de cervical (à altura do pescoço), que costumam ocorrer durante os feriados de Carnaval e que, quando não matam, deixam a pessoa paraplégica, tetraplégica ou com alto grau de incapacitação.

Segundo os médicos, os casos costumam aumentar no Carnaval por se tratar de um feriado de muito calor e bebidas, o que leva os jovens a  mergulhar sem muito cuidado em rios, lagoas, cachoeiras ou mesmo no mar. O risco maior é a lesão afetar a medula espinal, e a pessoa perder o movimento dos braços, pernas e até da respiração.

A recomendação dos especialistas é nunca mergulhar sem saber a profundidade do local. Caso haja um acidente, é preciso manipular a vítima com muito cuidado, de preferência com o colar cervical dos bombeiros, para evitar que a vértebra fraturada se movimente e atinja os nervos que passam dentro da coluna.

Por último, não se pode esquecer das doenças que podem ser transmitidas pelo sexo, inclusive o oral, sem preservativos, como as infecções pelo HIV e o vírus do papiloma humano (HPV), além da herpes genital e da gonorreia.

A infecção pelo HPV está ligada ao câncer bucal. Trata-se de um tumor maligno que afeta os lábios, as estruturas da boca, como gengivas, bochechas, céu da boca, língua (principalmente as bordas) e a região embaixo da língua.

É importante não abusar do próprio corpo e prestar atenção nos sinais de cansaço, desidratação, dores e outros possíveis problemas. 

Para chegar inteiro ao fim da festa, é fundamental a hidratação, já que a festa costuma unir uma série de perrengues para o corpo: longas caminhadas em blocos, muito tempo sob o sol e ingestão de bebidas alcoólicas, que aceleram a perda de água.

Deve-se beber cerca de dois litros de água por dia, mas, com a perda de líquidos provocada pelo álcool e pelo suor, o ideal é beber uma quantidade ainda maior —de água, não de cerveja

Um bom café da manhã também aumenta as chances de um dia sem dores de cabeça “Comer não é só para se nutrir. No Carnaval, é também um jeito de diminuir mecanicamente a absorção do álcool”, diz José Lara Neto, vice-presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Ovos são boas opções. Para os veganos, a soja é uma substituta à altura, afirma Lara Neto. Iogurte com sementes oleaginosas, abacate e frutas (in natura, com as fibras, não em formato de suco) também são boas escolhas, assim como sanduíches com carnes magras, como frango e peito de peru, e queijos, como o minas e ricota, segundo Layane Melo, nutricionista da Faculdade de Medicina da USP. 

As tapiocas, tão na moda, não são tão boas como se pensa. Como são carboidratos de rápida absorção, fazem a fome voltar bem depressa.

Durante o dia, nozes, amêndoas e castanha-do-pará são fáceis de carregar na pochete e dão energia rapidamente, ajudando na saciedade.

“É preciso comer coisas leves, que não exigem esforço do corpo para digerir”, diz Arnaldo Lichtenstein, médico do Hospital das Clínicas da USP. “Lembre-se do Guga [Kuerten] jogando tênis. A cada intervalo ele comia uma banana.”

Comidas de rua com preparo duvidoso fazem parte da festa, mas não custa ter cuidado. Além do risco por causa das condições sanitárias, geralmente os benefícios nutricionais são pequenos e elas ainda podem deixar o corpo “pesado”, especialmente se forem muito gordurosas. 

Mesmo na correria para cumprir a agenda de blocos, é bom ter como objetivo um almoço de verdade —um PF num boteco pelo caminho já ajuda bastante. 

Depois das comidas, vamos para as bebidas, item importantíssimo para muitos que curtem a festa. Uma boa notícia: misturar tipos de bebida não faz diferença. O que importa é quantidade de bebida consumida, segundo Neto.

A água de coco durante o dia e após os blocos ajuda a repor eletrólitos, essenciais para manter a disposição. 

Quem exagerou desta vez pode se preparar melhor para o próximo Carnaval.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.