Palhaço e psicanalista se juntam em livro que ensina a ouvir melhor os outros

Para os autores, dedica-se pouco tempo e disposição para entender a mensagem alheia

Jairo Marques
São Paulo

A gente passa a vida toda sendo alertado da importância de saber falar bem, de se expressar com eloquência, firmeza e até seduzindo o interlocutor. De repente, surgem um palhaço, Cláudio Thebas, e um psicanalista, Christian Dunker, que se esmeram numa obra de 256 páginas, em convencer as pessoas de que o que de fato muda positivamente vidas é escutar o outro.

Embora os autores de “O Palhaço e o Psicanalista —Como Escutar os Outros Pode Transformar Vidas”, da editora Planeta, reforcem várias vezes ao longo do livro que ele não é um manual a respeito de como dar ouvidos ao mundo, leitores mais atentos vão sublinhar ou marcar algumas passagens que parecem confrontar vícios comuns em relacionamentos do dia a dia.

Um exemplo: “[...] quando realmente escutamos alguém, isso nos coloca na situação de alguém que recebeu um presente. As palavras do outro são aquilo que muitos têm de mais precioso, no entanto, em geral, é dado mais valor aos objetos que circundam a troca de palavras. Por isso, para escutar alguém é preciso algum sentido de generosidade que nos coloca em gratidão com o que recebemos”.

Capa do livro "O Palhaço e o Psicanalista" - Divulgação


A mistura de dois especialistas de áreas tão distintas, tendo como palcos de atuação o divã e o picadeiro, rende uma obra que dá ao escutar espectros que passam pela técnica, pela sensibilidade, pelo compromisso profissional, por aspectos culturais, emocionais e também pelos relacionamento diversos.

Uma das passagens mais empolgantes do livro é o capítulo “Sete regras para ser melhor escutado”, direcionado de alguma forma àqueles menos poderosos em suas relações cotidianas, mais oprimidos, mais tímidos, mais vítimas da falta de empatia.

Para Dunker e Thebas, para  ganhar ouvidos atenciosos é necessário também ter uma postura de fala comprometida  com alguns princípios que vão da clareza da exposição daquilo que se sente, que se quer passar ao outro, até o tempo certo de dizer, a responsabilidade que é preciso assumir quando se fala algo a que se almeja uma resposta.

0
O psicanalista Christian Dunker durante evento em São Paulo (12.12.2017) - Mastrangelo Reino/Folhapress

Também prende muito a atenção o momento em que os autores descrevem o lugar-comum, até meio cômico, de se ver o terapeuta como alguém que passa longas horas ouvindo seus pacientes, sem nenhuma interação efetiva, como se ele estivesse em outro planeta.

No bom processo de escuta, explicam eles, é fundamental que se “hospitalize” a mensagem recebida, que se reflita sobre ela. Mais que isso, o ouvir terapêutico provoca o paciente a perceber sua própria fala, suas angústias, seus medos, seus conflitos.

“O segredo está no fato de que não é o psicanalista quem analisa o paciente, mas ajuda o analisante a ‘se analisar’. E ‘se analisar’ tem um sinônimo claro, concreto e universal, ou seja, ‘se escutar’”.

Ponto fraco do livro é quando ele se deixa levar, em várias passagens, por explicações muito teóricas a respeito do “ouvir” e frustra a expectativa de algo mais informal vindo das experiências dos autores.

Não funcionam bem os academicismos e as apresentações esquemáticas de conceitos que a obra quer explicitar ou tornar mais didáticas.

O palhaço Cláudio Thebas durante apresentação em São Paulo (14-11-2011) - Ze Carlos Barretta/Folhapress

Mas o que funciona muito bem são as diversas marteladas na consciência a respeito do quanto, normalmente, se ouve mal o outro, se dedica pouco tempo e disposição para entender a mensagem alheia e, mais ainda, a dificuldade que se tem de fazer parte da história contada e, assim, saber propagá-la com correção.

“Escutar é uma disposição a reverberar, pontuar, ecoar, tencionar ou participar da fala do outro. O bom escutador é leitor de textos e de pessoas, alguém que se interessa por entrar na vida alheia porque ela é um desafio de leitura, como um bom livro ou filme.”

Livro “O Palhaço e o Psicanalista —Como Escutar os Outros Pode Transformar Vidas”
Autores:   Christian Dunker e  Cláudio Thebas
Editora: Planeta

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.