Movimento que rebaixou homeopatia no Reino Unido e na Austrália chega ao Brasil

Terapia é reconhecida pela Anvisa, que alega que medicamentos não são usados para doenças graves

São Paulo

A física Loretta Marron, 68, nascida na Alemanha e radicada na Austrália, sempre se considerou uma cética. Nos início dos anos 2000, depois de ver propagandas de colchões com ímãs e de outras supostas terapias do tipo, resolveu confrontar alegações de que o magnetismo poderia melhorar o sono e curar dores nas costas e de cabeça.

Ela criou a personagem Jelly Bean Lady (algo como Moça Jujuba ou Mulher Bala de Goma) e fez um experimento, transmitido por uma rede de TV, que mostrou que jujubas e os ímãs, a partir de uma certa distância geravam exatamente o mesmo campo magnético —zero. 

Depois de receber o diagnóstico de câncer de mama em 2003, tratado com quimioterapia e cirurgia, ela resolveu participar de grupos de apoio para pacientes. “Diziam que as pacientes eram culpadas pela própria doença, que não era para levar os médicos tão a sério”, conta.

A física Loretta Marron, que questionou a eficácia da homeopatia na Austrália e veio ao Brasil para lançamento de iniciativa
A física Loretta Marron, que questionou a eficácia da homeopatia na Austrália e veio ao Brasil para lançamento de iniciativa - Zanone Fraissat/Folhapress

Aí o ceticismo deixou de ser apenas um hobby. Ela começou juntar todo tipo de informações sobre as chamadas terapias complementares e alternativas e a questionar a TGA (Therapeutic Goods Administration), equivalente australiana da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), sobre produtos homeopáticos vendidos em farmácias com alegações de que poderiam curar o vício em nicotina. Por sua causa, muitos desses itens perderam o registro e sumiram das prateleiras.

Ela também chegou a frequentar consultórios de indivíduos que ofereciam tratamentos alternativos para o câncer apenas para desmascará-los. “Eu não mentia, eu realmente havia sido diagnosticada com câncer”, conta.

Em 2011, ela outros cientistas criaram a Friends of Science in Medicine (amigos da ciência na medicina), que tem como objetivo fornecer informações para que os pacientes tomem decisões de saúde de forma esclarecida.

O reconhecimento nacional veio em 2014, quando Marron recebeu a Medalha da Ordem da Austrália por seu serviço prestado à saúde pública.

A física está no Brasil para o lançamento na manhã deste sábado (23), em São Paulo, da campanha 10²³ , iniciativa contra a homeopatia que nasceu em 2010 no Reino Unido (mais informações neste link).

Entre as ações que marcaram a versão britânica da 10²³ estão as “overdoses” em público com medicamentos homeopáticos para informar o público sobre a ausência de efeito desses remédios, constituídos por água ou açúcar.

A homeopatia é especialidade reconhecida pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) e por outros conselhos profissionais. Também integra o rol de práticas integrativas e complementares oferecidas no SUS (Sistema Único de Saúde).

A prática se baseia em princípios estabelecidos em 1790 por Samuel Hahnemann, como o que diz que “similar cura similar” e o de ganho de potência por meio de diluições. Por exemplo, uma substância que causa coceira poderia ser usada para tratar esse tipo de sintoma, desde que extremamente diluída na formulação do remédio homeopático.

O termo 10²³ vem da constate química de Avogadro (6,02 x 10²³), que permite conhecer quantas partículas existem em uma certa quantidade de uma substância. Com as diluições extremas, pode não haver sequer uma partícula do princípio ativo na formulação.

“A campanha 10²³ vem para sanar a falta de informação que faz com que parte significativa da população ainda leve a homeopatia a sério e ressaltar a importância de uma medicina baseada em evidências científicas”, diz Natália Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência, responsável pela iniciativa no país.

Graças a esforços nesse sentido, Austrália e Reino Unido deixaram de recomendar a homeopatia em seus sistemas públicos de saúde.

Michael Marshall, que criou a campanha anti-homeopatia 10²³ no Reino Unido e é diretor de projetos da Good Thinking Society
Michael Marshall, que criou a campanha anti-homeopatia 10²³ no Reino Unido e é diretor de projetos da Good Thinking Society - Zanone Fraissat/Folhapress

Michael Marshall, diretor da Good Thinking Society, organização cética do Reino Unido, e um dos idealizadores da 10²³ original afirma que é muito difícil convencer as pessoas já envolvidas com a homeopatia. “Mas há muita gente no meio do caminho, que nunca teve tempo de pensar a respeito”, diz.

Para Marshall e Marron, o problema é maior quando práticas sem respaldo científico contam com apoio do governo.

“O sinal vermelho surge quando se nota que o dinheiro do impostos está bancando práticas pseudocientíficas. Como o governo paga, o povo acha que elas funcionam", diz Marron.

Na Farmacopeia Homeopática, catálogo da Anvisa de todas as substâncias usadas na prática, consta que a homeopatia “é uma ciência que atende desde o ano de 1790 aos critérios científicos estabelecidos [...] por Hahnemann, que vêm sendo comprovados pelos trabalhos científicos publicados nas últimas décadas”.

Foi com base no conhecimento científico mais recente, ou seja, grandes revisões de estudos, que Reino Unido e Austrália mudaram o status da homeopatia. 

À Folha a Anvisa informou que “qualquer medicamento ou produto pode ter o seu registro revisto a partir do surgimento de evidências sobre o seu perfil de segurança e eficácia” e que esse trabalho é feito a partir de notificações feitas por pacientes, médicos e outros profissionais de saúde. “Há diferentes métodos para validar a eficácia de um medicamento e isto está relacionado com o seu perfil de risco e alegações terapêuticas.” 

Segundo a agência, não há medicamentos homeopáticos aprovados para doenças graves como câncer, apenas como auxiliares no tratamento de outras doenças.

“Os medicamentos homeopáticos estão no grupo próximo aos fitoterápicos que podem ter sua comprovação de eficácia demonstrada pelo próprio uso tradicional, pelo registro em farmacopeia nacional ou em outros compêndios aceitos por agências reguladoras internacionais”, afirma a Anvisa.

Procurada, a Associação Médica Homeopática Brasileira não respondeu.

Entenda as bases da homeopatia e as críticas à prática

Origem
Samuel Hahnemann criou a prática no do século 18. Entre os princípios ativos estão plantas, metais, venenos e animais. É reconhecida como especialidade da medicina, da medicina veterinária, da odontologia e da farmácia

Similitude 
Um dos pilares da teoria é que “semelhante cura semelhante”, ou seja, substância que causa certo efeito no organismo saudável (coceira, por exemplo), pode, se processada homeopaticamente, gerar alívio do sintoma em um organismo doente

Diluição
Os ingredientes ativos são ultradiluídos nas preparações. Um veneno, por exemplo é fracionado em série até certa “potência”. No fim das contas, Pode haver muito pouco ou nada de princípio ativo na preparação

Memória da água
A justificativa, que não encontra embasamento nas ciências físicas, é que a água guardaria, informação correspondente ao princípio ativo com o qual teve contato. Por isso, segundo os defensores da prática, remédios homeopáticos não são “só água” ou “só açúcar”

Evidências
Existe grande oposição à homeopatia na comunidade científica e isso se deve também ao baixo grau de evidência que dá suporte à prática; não se pode segundo o corpo de evidências, que ela seja melhor do que o placebo

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.