Sobe para 80 o número de mortos por coronavírus na China

Mais de 2.000 casos de infecção foram confirmados no mundo; OMS não declarou emergência

Pequim e Xangai | Reuters e AFP

O número de mortos na China pelo coronavírus chegou a 80 neste domingo (26), segunda (27) no horário local, segundo o governo daquele país. Ao todo, são mais de 2.000 casos confirmados de pessoas infectadas no mundo todo —sendo 1.975 na China.  

Autoridades da China e de outros países intensificaram os esforços para controlar um surto. A China desestimulou reuniões públicas na província de Hubei, onde o vírus surgiu no mês passado, e intensificou medidas de contenção em hospitais.

Após dois dias de reunião, Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu não declarar emergência internacional de saúde, o que não significa que o surto não seja sério. 

"É uma emergência na China, mas ainda não se tornou uma emergência global. Pode ainda se torna uma", afirma Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor da OMS.

O vírus se espalhou da cidade chinesa de Wuhan, em Hubei, para Pequim, Xangai, Macau, Hong Kong e também chegou a Estados Unidos, Tailândia, Coreia do Sul, Japão, Taiwan, Nepal, Austrália, Malásia, Vietnã, Singapura e França.

A epidemia começou enquanto centenas de milhões de pessoas se preparavam para viajar pelo país e ao exterior para as celebrações do Ano-Novo Lunar, comemorado no sábado (25).

"O aumento da mobilidade do público aumentou objetivamente o risco de propagação da epidemia e a dificuldade de prevenção e controle", disse o vice-ministro da Comissão Nacional de Saúde, Li Bin, a repórteres.

Há evidências de que o vírus estava sendo espalhado através da "transmissão respiratória", disse Li. E o diretor-geral do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China, Gao Fu, declarou que o vírus está se adaptando e se modificando, ressaltando os desafios para as autoridades de saúde.

Cerca de 2.200 pessoas que entraram em contato com pessoas infectadas são mantidas isoladas, enquanto 765 foram liberadas da observação.

 

"Houve uma grande mudança no número de casos, o que está relacionado ao nosso maior entendimento da doença, melhorando os métodos de diagnóstico e otimizando a distribuição de kits de diagnóstico", disse Li.

Os sintomas do vírus, que pode causar pneumonia, incluem febre, tosse e dificuldade em respirar.

Não existe vacina para o vírus, que pode ser transmitido de pessoa para pessoa. Quinze profissionais médicos estão entre os infectados na China.

Temores de uma pandemia semelhante ao surto da Sars (síndrome respiratória aguda grave), que começou na China e matou quase 800 pessoas em 2002-2003, agitaram os mercados globais, com as ações de empresas de aviação e artigos de luxo particularmente atingidas, e o iuan sofreu queda.

Reportagem de Patricia Zengerle, Richard Cowan, Doina Chiacu, David Morgan, Jan Wolfe, Susan Cornwell, Susan Heavey, Karen Freifeld, Lisa Lambert e Tim Ahmann em Washington

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.