Descrição de chapéu Coronavírus

Adultos mais jovens respondem por grande proporção das internações por coronavírus nos EUA

Dados apontam que 40% dos pacientes doentes a ponto de requerer hospitalização tinham entre 20 e 54 anos

Pam Belluck
The New York Times

Adultos americanos de todas as faixas de idade – e não só pessoas na casa dos 70, 80 e 90 anos - estão sendo contaminados seriamente pelo coronavírus, de acordo com um relatório sobre quase 2,5 mil dos primeiros casos da doença registrados nos Estados Unidos.

O relatório divulgado na quarta-feira pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), constatou que, como em outros países, os pacientes mais velhos apresentam probabilidade mais alta de morrer e de serem hospitalizados. Mas dos 508 pacientes que foram internados, de acordo com os dados disponíveis, 38% eram notavelmente mais jovens, e tinham entre 20 e 54 anos. E quase metade dos 121 pacientes que terminaram admitidos em unidades de tratamento intensivo eram adultos de menos de 65 anos, de acordo com o CDC.

“Acredito que todo mundo deveria prestar atenção a isso”, disse Stephen Morse, professor de epidemiologia na Escola Mailman de Saúde Pública, na Universidade Columbia. “Os idosos não serão os únicos afetados. Pessoas com idades a partir dos 20 anos estarão entre os internados. Elas precisam ser cuidadosas, mesmo que acreditem ser jovens e saudáveis”.

As constatações serviram para embasar um apelo feito na noite de quarta-feira pela médica Barbara Birx, que trabalha no Departamento de Estado e comanda o grupo de trabalho do governo americano quanto ao coronavírus. Falando a jornalistas na Casa Branca e mencionando relatórios sobre a hospitalização e a necessidades de cuidados intensivos para pacientes jovens na Itália e França, Birx implorou que a geração milênio deixe de lado a socialização em grandes grupos e que tome precauções para se proteger e proteger aos demais.

“Vocês podem terminar transmitindo o vírus a alguém que porta uma doença que ainda não tenha sido detectada, o que poderia resultar em desfecho desastroso para essa pessoa”, disse Birx, falando aos jovens.

No relatório do CDC, 20% dos pacientes hospitalizados e 12% dos pacientes em tratamento intensivo tinham idades de entre 20 e 44 anos, ou seja, eram parte da faixa etária que abarca a geração milênio.

“As pessoas mais jovens podem se sentir mais confiantes sobre sua capacidade de resistir a um vírus como esse”, disse o médico Christopher Carlsten, diretor de medicina respiratória na Universidade da Colúmbia Britânica. Mas, ele disse, “se número tão grande de jovens está sendo hospitalizado, isso significa que existem muitas pessoas jovens que circulam pela comunidade portando a infecção”.

Uma mulher faz uma pausa em um memorial às vítimas do coronavírus nos EUA. Até o dia 20 de março, país somava 195 mortos
Uma mulher faz uma pausa em um memorial às vítimas do coronavírus nos EUA. Até o dia 20 de março, país somava 195 mortos - Brian Snyder/Reuters

Os novos dados representam uma avaliação preliminar sobre a primeira leva significativa de casos nos Estados Unidos que não inclui pessoas que tenham retornado ao país de Wuhan, China, ou do Japão, afirmam os autores do estudo. Entre 12 de fevereiro e 16 de março, 4.226 casos foram reportados ao CDC, segundo o estudo.

As idades de 2.449 dos pacientes atendidos foram registradas, informou o CDC, e desses 6% tinham mais de 85 anos e 25% tinham entre 65 e 84 anos. Os pacientes com entre 20 e 44 anos respondiam por 29% das internações.

As faixas etárias dos 55 aos 64 anos e dos 45 aos 54 anos respondiam cada qual por 18% das internações. Apenas 5% dos pacientes diagnosticados tinham idade de menos de 19 anos.

O relatório não incluía informações sobre se os pacientes de qualquer faixa etária apresentavam fatores de risco subjacentes, como doenças crônicas ou sistemas imunológicos comprometidos.

Assim, é impossível determinar se os pacientes mais jovens que foram hospitalizados eram mais suscetíveis a infecções do que outras pessoas de suas faixas etárias.

Mas os especialistas dizem que, mesmo que as pessoas mais jovens incluídas no relatório não sejam representativas estatisticamente, o fato de que estejam ocupando leitos hospitalares e espaço nas unidades de tratamento intensivo é significativo.

E esses casos mais graves representam apenas a ponta de lança da rápida expansão da pandemia nos Estados Unidos, e demonstram que adultos de todas as idades são suscetíveis e deveriam se preocupar com proteger sua saúde e com não transmitir o vírus a terceiros.

A faixa etária mais jovem, as pessoas com 19 anos ou menos, respondia por 1% das hospitalizações, e nenhum paciente dessa idade morreu ou foi admitido a uma unidade de terapia intensiva. Esta semana, porém, o maior estudo conduzido até agora sobre casos pediátricos, na China, constatou que um pequeno segmento de crianças muito jovens pode precisar de hospitalização por sintomas bastante severos, e que um menino de 14 anos morreu do vírus, na China.

Das 44 pessoas cujas mortes foram registradas no relatório do CDC, 15 tinham idade de 85 anos ou mais e 20 tinham idade entre os 65 e os 84 anos. Entre os adultos dos 20 aos 64 anos, o número de mortes foi de nove, de acordo com o relatório.

Alguns dos pacientes acompanhados pelo estudo continuam doentes, os autores apontaram, e por isso o resultado de seus casos é indefinido. Faltavam dados sobre diversos dos casos, “o que provavelmente resulta em que os resultados incluam subestimativas”, os autores escreveram. Por conta da falta de dados, os autores apresentaram as hospitalizações, admissões a tratamento intensivo e mortes em forma de faixas percentuais. O relatório também afirma que a disponibilidade limitada de kits de teste nos Estados Unidos, até o momento, faz do relatório apenas um retrato inicial da crise.

Ainda assim, escrevem os autores, “os dados preliminares também demonstram que contaminação severa que resulta em hospitalização, incluindo admissões a unidades de tratamento intensivo, e morte, pode ocorrer entre adultos de qualquer idade expostos à Covid-19”.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.