Casos do novo coronavírus sobem para oito; SP tem primeiros registros de transmissão local

Duas pessoas que não viajaram ao exterior pegaram o vírus após terem contato com pessoas doentes

Brasília

Nesta quinta (5), subiu para oito o número de casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus Sars-CoV-2 no Brasil. As informações são de plataforma do Ministério da Saúde criada para monitorar dados sobre a doença. Até o dia anterior, o país tinha apenas três casos confirmados.

Segundo a pasta, entre os novos registros estão dois casos de transmissão local, ambos em São Paulo. Esses são os primeiros casos ocorridos dentro do país, em pacientes sem histórico de viagens.

Um dos casos é de um familiar do primeiro paciente com o diagnóstico da doença covid-19 no país, e o outro é de uma pessoa que teve contato com esse segundo caso.

De acordo com o secretário de vigilância em saúde do ministério, Wanderson Oliveira, como os casos estão ligados entre si, ainda não se pode dizer que há uma transmissão sustentada ou comunitária no país.
 
"Isso significa que o vírus não está produzindo doentes que não conseguimos identificar qual é a fonte. Todos os casos têm histórico de viagem ou histórico de contato com caso confirmado", disse. "O vírus está circulando dentro de um cluster [grupo]. É como se eu tivesse falando de uma transmissão restrita."

Entre os casos confirmados até o momento, seis são em São Paulo, um no Rio de Janeiro e um no Espírito Santo. Um outro, registrado no Distrito Federal, deu positivo para o vírus em um exame da rede privada e aguarda contraprova.

Também subiu para 636 o número de possíveis casos ainda em investigação. Outros 378 já foram descartados após exames.

De acordo com o ministério, além dos dois registros de transmissão local em São Paulo, os demais casos confirmados são todos de pacientes que estiveram em países da Europa.

No Rio de Janeiro, uma mulher de 27 anos que esteve na Itália e na Alemanha em fevereiro teve exame positivo para o novo coronavírus. No Espírito Santo, a paciente é uma mulher de 37 anos também com histórico de viagem para a Itália.

O país europeu é o terceiro no mundo com mais casos (mais de 3.800) e o segundo com mais mortes (148), apenas atrás da China.

Segundo o secretário-executivo do ministério, João Gabbardo dos Reis, não há registro de casos graves no Brasil. Todos estão em isolamento domiciliar. Equipes de secretarias de saúde monitoram possíveis contatos, mas o número total não foi informado.

O único caso sem essa recomendação é o de uma adolescente de 13 anos que vive em São Paulo. Segundo o secretário de vigilância em saúde, Wanderson Oliveira, o resultado de exames apontaram que a estudante tem baixa carga viral para o vírus, o que indica baixa probabilidade de transmissão.

"Ela estava em isolamento, mas hoje entendemos que, considerando exame com baixíssimos níveis de vírus, não tem sentido ela ficar em isolamento, é vida normal, vida que segue. Ela tem fragmentos do vírus, mas não quer dizer que possa ser transmitido. Não é viável de transmissão, está fragmentado."

Testes em familiares dela também descartaram a doença. Apesar da medida, a adolescente permanece em casa, onde se recupera de uma cirurgia feita na Itália, devido a uma lesão no joelho.

Mais cedo, o Ministério da Saúde chegou a informar que o caso dela não entraria na lista de registros confirmados do covid-19 porque ela não apresenta sintomas.

Após reunião com especialistas nesta quinta-feira (5), a pasta recuou da decisão e decidiu classificar o registro como confirmado.

A avaliação ocorreu devido a quatro pontos: 1) o fato de o exame ter dado positivo para o vírus, 2) o histórico de viagem da adolescente a uma área de alta transmissão, 3) o uso de medicamentos que podem ter escondido sintomas, como febre e 4) a possibilidade de que a adolescente ainda tenha sintomas.

"Considerando o início dos sintomas, a coleta do exame e a avaliação da carga viral, se ela tivesse em um período de viremia, de vírus circulando no organismo, essa carga viral seria elevada. E não foi isso que observamos. Por isso, para nós, ela não precisa de isolamento", disse Oliveira.

O caso era analisado desde quarta-feira (4), quando o resultado de um primeiro exame feito pela adolescente na rede privada deu positivo para o novo coronavírus. Testes de contraprova feitos pelo instituo Adolfo Lutz confirmaram a análise.

Segundo equipes do Ministério da Saúde, ela pode ter feito o teste mesmo sem sintomas porque esteve internada em um área onde há alta transmissão do novo vírus e ficou internada na Itália em um hospital devido a uma lesão no joelho.

A conduta de fazer o teste mesmo sem sintomas, porém, não é recomendada.

Para Oliveira, o aumento no número de casos em outros países mostra a impossibilidade de fazer contenção do vírus. Apesar disso, ele diz que não há motivo para pânico, já que dados de outros países apontam baixa letalidade. "Mais de 80% dos casos são leves. É mais uma gripe", afirma.

Segundo o secretário, cabe à rede de saúde adotar medidas para evitar casos graves. Ao mesmo tempo, Oliveira voltou a fazer um apelo para que não sejam adotadas medidas restritivas.

"Não tem o menor sentido fechar escolas nesse momento em que não tenho transmissão comunitária. É uma medida desproporcional", afirma.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.