Cerca de 70% dos alemães serão contaminados por coronavírus a longo prazo, diz Merkel

Chanceler promete socorrer maior economia europeia; ministro pede que evitem-se aglomerações

Berlim | Reuters

Até 70% da população da Alemanha deve ser infectada pelo novo coronavírus a longo prazo, alertou a chanceler do país, Angela Merkel, nesta quarta-feira (11).

“Quando o vírus está solto, as pessoas não têm sua imunidade preparada e não há nenhum tratamento ou vacina, uma alta porcentagem da população, que especialistas colocam entre 60% e 70%, será infectada enquanto esse quadro persistir”, declarou ela em um evento público, ponderando que ela não sabe ainda como a crise vai evoluir.

A Alemanha, maior economia da Europa e quarta maior do mundo, havia contabilizado três mortes decorrentes da infecção pelo novo vírus até a manhã desta quarta. Segundo a instituição responsável pelo controle sanitário no país, foram registrados 1.296 casos da doença.

A declaração de Merkel atraiu reclamações de pares europeus que a acusaram de disseminar pânico, mas segue-se às críticas do jornal mais vendido do país, o Bild, ao que definiram como “coronacaos” —uma crise de liderança.

Merkel é vista falando, com as mãos entreabertas, contra um fundo azul
Angela Merkel concede entrevista coletuva em Berlim sobre o coronavírus na Alemanha - Shan Yuqi/Xinhua

A chanceler (equivalente a primeiro-ministro) advertiu a população para reforçar hábitos de higiene e evitar o contato físico, sobretudo o aperto de mão, um dos principais disseminadores de patógenos como o coronavírus. Em vez disso, sugeriu, os alemães deveriam "se olhar nos olhos por um segundo a mais”.

Seu ministro da Saúde, Jens Spahn, reiterou, porém, que, ao contrário do que fez a vizinha Áustria, o país não fechará suas fronteiras, nem mesmo com a Itália, onde as mortes nesta quarta chegavam a 631 e os casos superavam 10 mil nesta quarta.

Ele pediu que os alemães evitem aglomerações como jogos de futebol, shows e clubes noturnos — em Berlim, autoridades municipais suspenderam todos os eventos com mais de mil pessoas até o final do feriado de Páscoa, em 12 de abril.

Mas Spahn afirmou, no entanto, ter ainda ressalvas em relação ao fechamento geral de creches e escolas, já que muita gente depende deles para deixar os filhos e poder trabalhar.

No Brasil, o Ministério da Saúde estuda antecipar as férias para o período previsto para o pico das gripes e do coronavírus, mantendo estudantes em casa.

Merkel também abordou as consequências econômicas da pandemia iminente, que tem afetado mercados mundo afora.

“Faremos o que for necessário para superar isso, e, no fim, olharemos qual o impacto no nosso orçamento”, disse ela a repórteres.

“Ainda não conseguimos aferir as consequências econômicas, mas vamos reagir”, disse. Como outros governos pelo mundo, o alemão já prometeu intervir na economia, combalida pela epidemia, injetando dinheiro nos mercados.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.