Descrição de chapéu Coronavírus

Com academias fechadas por causa do coronavírus, ida ao supermercado vira treino

Especialistas recomendam exercícios físicos para manter equilíbrio mental no isolamento

São Paulo

Mesmo com academias e parques fechados, além da recomendação para as pessoas ficarem em casa, manter a prática de exercícios físicos é fundamental em meio à pandemia do coronavírus. Por isso, os brasileiros estão buscando alternativas.

Enquanto alguns treinam dentro de casa, com o auxílio de videoaulas, outros aproveitam as poucas saídas, como as idas ao supermercado, para fazer caminhadas e corridas. O digital influencer Gerf Barone, 27, é adepto das duas práticas.

Acostumado a frequentar a academia seis vezes por semana, ele passou a ficar em isolamento, em sua casa, desde que a empresa onde trabalha liberou o home office. Isso não o impediu de dar sequência à prática de exercícios.

“Eu tenho evitado sair de casa, mas aproveito essas oportunidades quando tenho que ir ao mercado ou à farmácia”, diz. “Em casa, tenho feito treinos seguindo as aulas no site da academia”, acrescenta Barone, motivado pelo fato de já ter perdido 20 kg desde quando começou a fazer academia.

O casal Jéssica Martins, 29, e Guilherme Bittencourt, 32, também mantém a rotina de treinos em casa. “Eu entrei no site da academia e peguei os vídeos da aula que mais se adequam ao que eu consigo fazer, devido a um problema no joelho”, conta a comerciante. “O meu marido vai seguir o treino junto comigo. Ele está fazendo um plano de emagrecimento.”

Os amigos Gerf Barone (esq.), influenciador digital, e Caio Tutik, dançarino, caminham em frente ao parque do Piqueri, no Tatuapé, fechado por causa do coronavírus
Os amigos Gerf Barone (esq.), influenciador digital, e Caio Tutik, dançarino, caminham em frente ao parque do Piqueri, no Tatuapé, fechado por causa do coronavírus - Bruno Santos/Folhapress

Especialistas apontam que fazer exercícios físicos é fundamental para fortalecer o sistema imunológico, sobretudo diante da pandemia do coronavírus, além de trazer outros benefícios à saúde.
“Nessa situação de isolamento social, os exercícios ajudam as pessoas a se sentirem bem, evita a tristeza e o sentimento de solidão, além de fortalecer o sistema de defesa do corpo”, explica Patrícia Chakur Brum, professora de fisiologia do exercício da Escola de Educação Física e Esporte da USP.

Brum, contudo, faz uma ressalva, ao enfatizar que idosos e pessoas que tenham algum fator de risco devem se exercitar em suas residências. “Eles precisam fazer exercícios, mas seguindo a recomendação do Ministério da Saúde de ficar em casa”, afirma. Quem estiver na rua também precisa se prevenir. De acordo com Leonardo Weismann, infectologista do Hospital Emílio Ribas, o cuidado com a higiene deve ser redobrado.

“Não há problema com exercícios ao ar livre, desde que realizados sozinho ou com outras pessoas numa distância maior que um metro. Entretanto, é necessário o rigoroso controle para não tocar olhos, nariz e boca, além de higienizar as mãos ao tocar em qualquer superfície”, alerta.

Uma forma de evitar tocar em superfícies que possam estar contaminadas com o coronavírus ou outros vírus e bactérias é fazer alongamentos antes de sair de casa, assim não haveria a necessidade de buscar apoio em bancos ou postes, por exemplo.

“Ao fazer o aquecimento em casa e sempre levar a própria garrafa de água, as pessoas podem se prevenir ainda mais”, diz a infectologista Sandra de Oliveira Campos, professora de Infectologia da Unifesp.

Juliana Cassidy, 39, diz estar atenta a essas recomendações. Ela costumava fazer natação em Copacabana, mas as aulas foram interrompidas na semana passada. Para se manter ativa, tem feito caminhadas à beira da lagoa Rodrigo de Freitas.

“Como as aulas foram suspensas, acho pouco seguro nadar sozinha. Então, substitui pelas corridas na lagoa. E faço exercícios de musculação em casa”, conta a produtora de arte, que acompanha videoaulas no YouTube enquanto pratica os exercícios.

Desde a determinação para o fechamento das academias, em estados como São Paulo e Rio de Janeiro, algumas redes do país passaram a oferecer aulas online para seus alunos.

“Entendo o fechamento das academias como a melhor decisão para todos, frequentadores e colaboradores. Nós entendemos que as aulas devessem ser substituídas por algo que pudesse ser feito com segurança, eficiência e variedade”, diz Luiz Carnevali, diretor técnico da rede Smart Fit.

De acordo com Carnevali, a rede passou a oferecer uma plataforma com exercícios online, chamada Treine em Casa. As aulas são gratuitas e estão disponíveis no site da rede, com orientações de treinos para condicionamento físico, emagrecimento e atividades para quem possua aparelhos como esteira ou bicicleta ergométrica.

"São exercícios que aumentam a frequência cardíaca, o que acelera o metabolismo e melhora as respostas fisiológicas para emagrecimento, condição física, condição cardiovascular. Todo o necessário para que você não fique sedentário”, explica.

Em Pernambuco, a Prefeitura do Recife também lançou um aplicativo, o Movimenta Recife, com aulas para as pessoas se exercitarem sem sair de casa. Com uma iniciativa semelhante, a cantora Anitta também tem divulgado aulas de dança em suas redes sociais.

“Nesse momento de isolamento, toda atividade física nos ajuda a manter a sanidade mental. Quando as pessoas se exercitam, elas produzem neurotransmissores que estão associados à sensação de bem-estar”, diz Antonio Herbert Lancha Jr., professor da Escola de Educação Física e Esporte da USP. “Essa sensação de bem-estar vai ajudar a lidar com essa sensação de isolamento”, finaliza.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.