Descrição de chapéu Financial Times Coronavírus

Coronavírus pode ter infectado metade da população britânica, diz estudo de Oxford

Novo modelo epidemiológico mostra que maioria da população não desenvolve a doença ou a tem em forma branda

Clive Cookson
Financial Times

O novo coronavírus pode já ter infectado muito mais gente no Reino Unido do que os cientistas haviam estimado previamente —talvez até metade da população—, de acordo com modelos desenvolvidos por pesquisadores da Universidade de Oxford.

Se os resultados se confirmarem, eles implicarão que menos de 0,1% das pessoas infectadas com a Covid-19 adoeceram o bastante para precisar de tratamento hospitalar, disse Sunetra Gupta, a professora de epidemiologia teórica que liderou o estudo. A vasta maioria dos portadores desenvolve sintomas amenos, ou não desenvolve qualquer sintoma.

“Precisamos iniciar levantamentos serológicos —testes de anticorpos— em larga escala imediatamente, para avaliar em que estágio da epidemia estamos”, ela disse.

O modelo desenvolvido pelo grupo de Ecologia Evolutiva de Doenças Infecciosas de Oxford indica que a Covid-19 chegou ao Reino Unido na metade de janeiro, o mais tardar. Como muitas infecções emergentes, ela se espalhou de modo invisível por mais de um mês antes que as primeiras transmissões em território britânico fossem registradas oficialmente, no final de fevereiro.

A pesquisa apresenta uma visão da epidemia muito diferente dos modelos desenvolvidos pelo Imperial College de Londres, que influenciaram fortemente a política do governo. “Fico surpresa por o modelo do Imperial ter sido aceito de maneira tão completa”, disse Gupta.

No entanto, ela reluta em criticar o governo por decretar uma quarentena nacional a fim de conter a difusão do vírus, porque a precisão do modelo de Oxford ainda não foi confirmada e, mesmo que ele esteja correto, o distanciamento social reduzirá o número de pessoas que adoecerão seriamente e aliviará a pressão severa sobre o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês), durante o pico da epidemia.

O estudo de Oxford se baseia no “modelo de suscetibilidade infecção-recuperação” da Covid-19, baseado em relatórios sobre número de casos e número de mortes no Reino Unido e na Itália. Os pesquisadores fizeram as suposições que encaram como mais plausíveis sobre o comportamento do vírus.

O modelo recoloca em foco a ideia de “imunidade dura”, ou seja, a ideia de que o vírus vai parar de se difundir quando número suficiente de pessoas se tornarem resistentes a ele porque já foram infectadas. O governo abandonou sua estratégia extraoficial de ”imunidade de grupo” [literalmente, “imunidade de rebanho”] —ou seja, permitir uma expansão controlada da infecção— depois que seus assessores científicos disseram que isso poderia sobrecarregar o NHS com pacientes criticamente doentes.

Mas os resultados de Oxford podem significar que o país já atingiu uma imunidade de grupo substancial, por conta da expansão não reconhecida da Covid-19 por mais de dois meses. Se as constatações forem confirmadas pelos testes, as restrições em vigor poderão ser canceladas muito mais cedo do que os ministros indicaram.

Ainda que alguns especialistas tenham lançado dúvidas sobre a força e a dimensão da resposta do sistema imunológico humano ao vírus, Gupta disse que provas emergentes a levavam a confiar em que a humanidade viria a desenvolver imunidade de grupo contra a Covid-19.

Para obter as provas necessárias, o grupo de pesquisadores de Oxford está trabalhando com colegas da Universidade de Kent a fim de começar testes de anticorpos na população geral o mais breve possível, utilizando “testes de neutralização” especiais que “oferecem uma leitura confiável sobre a imunidade protetora"” disse Gupta. Eles esperam iniciar os testes ainda esta semana e obter resultados preliminares em prazo de alguns dias.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.