Descrição de chapéu Coronavírus

Governo e prefeitura do Rio discordam sobre abrir janelas do transporte público

Ônibus municipais já circulam com janelas abertas e ar-condicionado desligado

Rio de Janeiro

Apesar do dia nublado, alguns relógios de rua chegavam a marcar 30ºC no fim da manhã desta terça (17) no Rio de Janeiro. Grande parte dos ônibus que passavam pela praça Saens Peña, principal região de comércio da Tijuca e importante ponto de ligação da zona norte com as demais áreas da capital, porém, estava com a janela aberta e o ar-condicionado desligado.

No dia anterior não foi assim. Na segunda (16), as temperaturas na capital fluminense ficaram em torno dos 35ºC e os ônibus municipais, apesar da recomendação de especialistas em transmissão de doenças de manter os ambientes arejados, circulavam com as janelas fechadas.

O estudante João Victor dos Santos, de 20 anos, diz achar melhor um ônibus com ar-condicionado ligado e janelas fechadas, como no que ele embarcou na manhã desta terça em Jacarepaguá, na zona oeste, para a Tijuca. “Se abrirem as janelas o passageiro vai achar ruim, mesmo que seja temporário por causa dessa gripe”, diz.

Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, a cidade do Rio de Janeiro conta hoje com 5.955 ônibus, sendo 4.008 com ar-condicionado, incluindo os dos corredores de BRT, além dos “frescões”, carros com poltronas mais confortáveis e tarifas mais caras que fazem alguns trajetos dentro do município, como ligações com aeroportos.

Procurada, a secretaria disse que não há nenhuma recomendação de abrir as janelas dos coletivos, pois, segundo a resposta enviada à reportagem, “a medida não é eficaz para evitar a contaminação”. “Principalmente porque com a alta temperatura dentro dos ônibus, a transpiração dos passageiros ajuda na propagação do vírus”, diz a mensagem.

Segundo o infectologista Leonardo Weissmann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, quanto mais ventilados os espaços, melhor. “Num ambiente fechado, há um aumento das chances de transmissão de uma pessoa para outra”, diz o médico. Também é recomendável que em carros com mais de uma pessoa, como nos veículos de aplicativo, as viagens sejam feitas com os vidros abertos.

A aposentada Joana D’Arc, de 61 anos, que esperava seu ônibus num dos pontos da praça Saens Peña, diz que se sente mais segura num veículo de janelas abertas. Ela conta que, pela manhã nesta terça, quando veio do Andaraí para a Tijuca, pôde optar entre uma linha com ar-condicionado e uma sem, e escolheu o ônibus com as janelas abertas. Ela esperava fazer o mesmo na volta para casa.

Um decreto do governo do estado publicado nesta terça determinou a redução em 50% da capacidade de lotação de ônibus, barcas, trens e metrô e, “quando possível com janelas destravadas e abertas de modo que haja plena circulação de ar”.

O motorista Cleiton Catojo, 34, que até segunda-feira conduzia o ônibus com o ar-condicionado a 20ºC, diz não ter pensado que as janelas abertas poderiam permitir um ambiente mais saudável. Ele, que começara a trabalhar às 5h20, disse que as viagens desde segunda estão sendo feitas com menos passageiros. “O movimento está muito fraco.”

É o que diz também Douglas Porto, motorista cujo veículo ainda não tinha tido as janelas destravadas e, por isso, seguia como ele gosta: com o ar ligado. “Mas agora não tem mais passageiro”, diz.

Na tarde desta terça (17), a Prefeitura do Rio de Janeiro divulgou novas medidas no combate ao coronavírus, entre elas a proibição de que ônibus, incluindo os do sistema BRT, transportem passageiros em pé. As empresas que não cumprirem a determinação serão multadas.

O Rio Ônibus, sindicato das empresas de ônibus da cidade, informou que a demanda de passageiros no sistema de ônibus da capital fluminense diminuiu nos últimos dias, registrando, até segunda (16), queda aproximada entre 20% e 30%. Os números desta terça ainda não haviam sido fechados, mas, baseado na operação da manhã, era estimada uma diminuição de 50%.

O sindicato diz ainda que, juntamente com os consórcios e as empresas de ônibus da cidade, estuda a possibilidade de operar com os coletivos de janelas abertas.

A maior parte dos ônibus vistos na região da Tijuca pela reportagem nesta terça estavam com as janelas abertas. Os motoristas disseram ter recebido ordens em suas garagens para desligarem o ar-condicionado. Mas alguns trafegavam com as janelas fechadas, como alguns veículos das viações Tijuca e Redentor.

A viação Tijuca diz que recebeu ordem pela manhã para abrir as janelas, mas alguns veículos já haviam deixado a garagem e não houve tempo hábil para destravar as janelas de todos eles. Já a viação Redentor diz que não havia recebido nenhum comunicado sobre o assunto. A Secretaria Municipal de Transportes informou que não deu qualquer ordem aos consórcios para que os ônibus circulem com as janelas abertas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.