Descrição de chapéu The New York Times

Itália decreta quarentena na Lombardia, Veneza e outras regiões por coronavírus

Um quarto da população pode ser afetada; o secretário do Partido Democrata e presidente de Lazio foi infectado e está isolado em casa

São Paulo | The New York Times e AFP

O governo italiano decretou bloqueio a seções inteiras do Norte do país, restringindo o movimento de um quarto da população em um amplo esforço para conter o coronavírus que não tem paralelo fora da China.

O surto italiano, o pior da Europa e o pior fora da Ásia, já causou sérios danos a uma das economias mais frágeis do continente e provocou o fechamento das escolas italianas.

Um funcionário da Lombardia confirmou que as medidas em fecham essencialmente a região norte da Lombardia —a maior e mais produtiva da Itália—, representando um quinto do PIB italiano. Segundo ele, a quarentena entra em vigor neste domingo (8) e deve acabar em 3 de abril. A imprensa local informou que também serão proibidos casamentos, funerais, eventos esportivos e culturais e que bares que não impuserem regras estritas para que clientes mantenham distância seriam criminalizados.

Também estão isoladas a capital econômica do país, Milão, assim como a região de Veneza, o norte de Emiglia Romana e o leste de Piemonte, segundo a imprensa local.

Os casos da Itália mais que dobraram na última semana, passaram de cerca de 2.500 na quarta (4) para mais de 5.800 neste sábado, segundo as autoridades italianas e a OMS (Organização Mundial de Saúde). As mortes aumentaram de 36 para 233.

Nicola Zingaretti, líder do Partido Democrata da coalizão governante da Itália, anunciou que agora também foi infectado. "Bem, chegou", disse ele em um vídeo do Facebook em sua casa. Ele disse que seguiria todos os protocolos sugeridos pelas autoridades, que instaram as pessoas infectadas a se auto colocarem em quarentena.

A França também é um dos principais centros da epidemia na Europa. As autoridades de saúde registraram neste sábado mais duas mortes, ambas no norte do país, e 103 novas infecções desde sexta-feira (6). A França soma 949 casos, incluindo um membro do Parlamento francês.

A França, a Alemanha e outros países impuseram limites à exportação de equipamentos médicos de proteção, alguns dos quais são muito necessários, embora escassos.

Na Espanha, cerca de 470 pessoas têm o vírus, e as mortes chegaram a 10 no sábado. As autoridades de Barcelona cancelaram uma maratona marcada para o dia 15 de março, mas uma grande manifestação de rua no domingo, em Madri, para o Dia Internacional da Mulher seguirá como planejado.

O menor país da União Europeia, Malta, registrou seu primeiro caso também neste sábado: uma menina de 12 anos que voltou recentemente de férias no norte da Itália. Sua condição foi descrita como boa.

A polícia de Londres disse que prendeu dois adolescentes por conexão com um ataque racista dias depois que um estudante de 23 anos de Cingapura disse ter sido atacado por um grupo de homens, um dos quais teria gritado: "Eu não quero o seu coronavírus no meu país."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.