Mensagem que circula nas redes sobre fim do isolamento social tem números imprecisos

Texto alega que letalidade da Covid-19 é baixa, o que não é verdade

São Paulo

Circulam em grupos de WhatsApp comparações do número de vítimas do novo coronavírus com pessoas que morreram em acidentes ou em decorrência de outras doenças. As publicações alegam que a letalidade da Covid-19 não é alta e, quem compartilha, defende o fim do isolamento social, o que vai na contramão das recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Mas esses números não podem ser comparados. A perspectiva é que a epidemia aumente em vários países, entre eles o Brasil, que ainda está no início da curva de crescimento, diferentemente de países como Estados Unidos, Itália e Espanha.

O Brasil tinha 234 casos de coronavírus no último dia 16. Em apenas 11 dias, esse número saltou dez vezes, para 2.433 casos confirmados.

Mesmo assim, o fim da quarentena tem sido defendido por grupos bolsonaristas e pelo próprio governo brasileiro, que divulgou na quinta-feira (26) um vídeo com a campanha o #BrasilNaoPodeParar. Antes, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já havia argumentado que ações como o fechamento de comércios e divisas entre os estados causam prejuízos econômicos para o país.

Reprodução de mensagem sobre coronavírus que circula nas redes
Reprodução de mensagem sobre coronavírus que circula nas redes - Reprodução

Compare a seguir alguns dos números que estão circulando nas redes com dados oficiais:

População acima de 65 anos

Publicação que circula nas redes afirma que 21,3% dos italianos têm mais de 65 anos. No Brasil, essa taxa é de 8%.

Percentualmente, a população italiana é, de fato, mais vulnerável que a brasileira. De acordo com levantamento mais recente da Eurostat, escritório estatístico da União Europeia, o percentual de pessoas acima de 65 anos era de 22% no país europeu em 2016. O índice torna a Itália uma das nações mais envelhecidas de todo o continente. No Brasil, 9,8% dos cidadãos têm essa faixa de idade em 2020, de acordo com estimativa do IBGE.

Se considerarmos a população total dos dois países, entretanto, o Brasil tem 7,4 milhões de pessoas acima de 65 anos a mais que a Itália. Aqui, são 210 milhões de habitantes, enquanto no país europeu são 60 milhões.

Mortes por coronavírus

De acordo com a publicação que circula nas redes, 283 pessoas morreram em média por dia considerando o período de 2 meses em decorrência do novo coronavírus.

Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), entretanto, mostram que 23,3 mil pessoas morreram vítimas da Covid-2019 em todo o mundo até esta sexta-feira (27). Considerando as mortes somente nos últimos dois meses, a média diária é de 387 pessoas --número acima das 283 mortes mencionadas na publicação que circula nas redes.

Essa alta é um indicativo de que, considerando todos os países, a curva de crescimento das vítimas do novo coronavírus está aumentando.

É, portanto, incorreto comparar mortes por outras doenças com o novo coronavírus, cuja existência é nova e cujos números têm aumentado exponencialmente, como costuma acontecer com epidemias.

Mortes por câncer

Publicação que circula nas redes sociais diz que o câncer é responsável pela morte de 22,3 mil pessoas por dia em todo o mundo.

Na verdade, esse número é ainda maior. O câncer é a segunda principal causa de morte no mundo, somente atrás das doenças cardiovasculares, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde. Em todo o mundo, 10 milhões de pessoas devem morrer de todos os tipos de câncer em 2020, segundo estimativa da OMS. A média diária projetada seria, portanto, de 27,4 mil mortes considerando todos os países.

Mortes por fumo

De acordo com a publicação que circula nas redes, 13,5 mil pessoas morrem por dia em decorrência do fumo.

Dados da Organização Pan-Americana de Saúde mostram que o tabaco mata mais de 8 milhões de pessoas a cada ano. Aproximadamente 7 milhões dessas mortes são resultado do uso direto do tabaco, enquanto cerca de 1,2 milhão é resultado de pessoas expostas ao fumo. Por dia, uma média de 22,4 mil pessoas morrem com doenças relacionadas ao tabaco.

Mortes por álcool

Segundo a publicação que circula nas redes, 6.797 pessoas morrem por dia com doenças relacionadas ao álcool.

No mundo todo, 3 milhões de pessoas morrem diariamente em decorrência do uso excessivo do álcool, uma média de 8.219 por dia, segundo estimativa da OMS. A organização afirma que o álcool causa mais de 200 tipos de doenças e lesões, entre elas a cirrose.

Mortes por HIV

Publicação que circula nas redes afirma que 4.568 pessoas morrem por dia vítimas de HIV.

Relatório da OMS divulgado no ano passado com dados de 2018 estima em 770 mil as mortes por HIV naquele ano. Por dia, a média diária foi de 2.109 mortes.

Mortes em acidentes de trânsito

A publicação que circula nas redes sociais afirma também que a média diária de mortes em acidentes de trânsito é de 3.668 em todo o mundo.

É o número que mais se aproxima de uma estimativa oficial. Dados da Organização Pan-Americana de Saúde de 2019 estima em 1,35 milhão a média anual. A média projetada diária seria de 3.698.

Mortes por suicídio

Publicações que circulam nas redes afirmam que, em média, 2.914 pessoas se suicidam por dia.

Segundo a OMS, aproximadamente 800 mil pessoas se suicidam por ano. A média diária projetada seria de 2.191 mortes.

Mortes por malária

De acordo com publicação nas redes sociais, 2.665 pessoas morrem vítimas de malária por dia.

Segundo relatório da OMS divulgado em 2019 com dados de 2018, 405 mil pessoas morreram vítimas da doença naquele ano. Por dia, a média projetada seria, portanto, de 1.109 mortes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.