Agência reguladora dos EUA emite aviso contra o uso de cloroquina para Covid-19

Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas americano também contraindicou medicamento

Nova York | The New York Times

A FDA, agência norte-americana que regulamenta medicamentos, emitiu um aviso nesta sexta (24) contra o uso de hidroxicloroquina e cloroquina, medicamentos já promovidos pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Foi Trump quem deu início ao uso político do medicamento como solução para a pandemia, contra a opção do isolamento social, apesar da falta de evidências científicas robustas. O brasileiro Jair Bolsonaro seguiu o mesmo protocolo.

A FDA diz que as drogas podem causar anormalidades perigosas no ritmo cardíaco de pacientes com coronavírus e que elas devem ser usadas ​​apenas em âmbito de pesquisa ou hospitais onde possíveis problemas cardíaco possam ser monitorados de perto.

“A FDA está ciente dos relatos de sérios problemas no ritmo cardíaco em pacientes com Covid-19 tratados com hidroxicloroquina ou cloroquina, geralmente em combinação com azitromicina e outros medicamentos que podem alterar o ritmo cardíaco", disse a agência.

A agência aponta também que muitas pessoas estavam recebendo prescrições ambulatoriais para os medicamentos na esperança de prevenir a infecção ou tratá-la.

O alerta é baseado em uma revisão de estudos de eventos adversos relatados por várias fontes, disse a agência, acrescentando: “Esses eventos adversos foram relatados em ambientes hospitalares e ambulatoriais para tratamento ou prevenção de Covid-19 e incluíram prolongamento do intervalo QT, taquicardia ventricular e fibrilação ventricular e, em alguns casos, morte.”

Não há evidências de que a hidroxicloroquina e a cloroquina possam ajudar os pacientes com coronavírus. Esses medicamentos são aprovados para tratar a malária e doenças autoimunes como lúpus e artrite reumatóide.

Estudos iniciais feitos na França e da China sugeriram benefício do uso das drogas e despertaram interesse pelos medicamentos, mas outros estudos maiores, feitos em diversos países, não mostraram eficácia.

Os cientistas pediram que os medicamentos fossem testados em ensaios clínicos controlados para descobrir definitivamente se os fármacos podem combater o vírus ou reprimir as reações exageradas pelo sistema imunológico que ameaçam a vida. Há pesquisas grandes em andamento.

Trump defendeu repetidamente o uso dos fármacos, em desacordo com muitos de seus principais assessores de saúde pública. O mesmo se deu entre Bolsonaro e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

Um funcionário da agência federal disse que foi retirado de seu cargo depois de pressionar por uma verificação rigorosa da hidroxicloroquina, e que o governo colocou "política e apadrinhamento à frente da ciência".

Sem tratamentos comprovados para o coronavírus, muitos hospitais têm usado hidroxicloroquina, às vezes com azitromicina, na esperança de que a combinação possa ajudar.

Outro relatório divulgado também nesta sexta, feito por médicos de Nova York, indica o aumento de preocupações sobre a combinação de hidroxicloroquina e azitromicina. Em 84 pacientes que receberam os medicamentos, os eletrocardiogramas encontraram uma interrupção do ritmo cardíaco, chamada intervalo QT prolongado, alguns dias após o início do tratamento.

Em nove casos, o distúrbio foi grave, atingindo níveis conhecidos por aumentar o risco de morte súbita. Os pacientes que receberam a combinação devem ser cuidadosamente monitorados, especialmente se tiverem outras condições crônicas e também estiverem recebendo outros medicamentos que afetam o ritmo cardíaco, disseram os médicos da NYU Langone Health em uma carta enviada à revista Nature Medicine.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.