Descrição de chapéu Coronavírus

Brasil tem 67 novas mortes por coronavírus; total de óbitos é de 553

São 12.056 casos confirmados de Covid-19, mas número real tende a ser maior devido à subnotificação

Brasília

Ao menos 553 pessoas morreram pelo novo coronavírus no Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde divulgados desta segunda (6).

Foram registradas 67 novas mortes nas últimas 24 horas.

Segundo o balanço, o país soma 12.056 casos confirmados da doença. No dia anterior, eram 11.130 casos.

O ministério, porém, tem informado que o número real de casos tende a ser maior, já que são testados apenas os casos graves, de pacientes internados em hospitais, e há casos represados à espera de confirmação.

Reportagem da Folha mostrou que equipes de atenção básica em várias cidades e estados afirmam que a subnotificação ao Ministério da Saúde de casos suspeitos tem sido gigantesca. Dizem ainda que, sem uma portaria específica do ministério, médicos têm se guiado por notas técnicas locais com orientações distintas.

São Paulo se mantém como o estado mais atingido pelo novo coronavírus. O número de casos confirmados passou para 4.866—eram 4.620, segundo o balanço anterior. As mortes passaram de 275 para 304. Na sequência aparece o Rio de Janeiro, com 1.461 casos e 71 óbitos. Pernambuco ultrapassou o Ceará e agora é o terceiro com maior número de mortes, com 30. O estado também tem 223 casos confirmados. O Ceará tem 1013 casos e 29 mortes.

Acre e Tocantins seguem os únicos estados que não registraram mortes em decorrência do vírus.

Seguindo boletim do Ministério da Saúde divulgado no sábado (4), a transmissão no país está em fase inicial, mas a alta incidência de casos em quatro estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Amazonas) e no Distrito Federal já indica uma transição para fase de aceleração descontrolada nesses locais.

No documento, antecipado pela Folha, a pasta faz uma revisão da trajetória do vírus e reconhece gargalos diante de uma possível fase aguda da epidemia, como a falta de testes e leitos suficientes.

Dados da pasta mostram que o país levou 17 dias para atingir cem casos e, após esse momento, uma semana para chegar a mil casos. Depois, foram 14 dias para chegar a 10 mil casos.

"Estamos orientando os gestores municipais que eles devem se preparar, devem organizar seus leitos, preparar as suas estruturas, visando aproveitar esse momento em que estamos com redução de demandas nos prontos atendimentos e unidade seletiva, dada a postergação das cirurgias seletivas. Esse é o momento de montar os leitos, se organizar, implementar medidas, esperando a fase de maior intensidade de transmissão", afirmou o secretário de vigilância em saúde do ministério Wanderson Oliveira.

Os números também indicam o aumento no índice de incidência por 100 mil habitantes dos cinco estados que estão em transição para a fase de aceleração descontrolada, segundo o ministério: o Distrito Federal agora registra 15,5 casos registrados para cada 100 mil habitantes. O Amazonas foi o estado que deu o maior salto nesse quesito e agora é o segundo, com 12,6. Na sequência aparecem Ceará (11), São Paulo (10,5) e Rio de Janeiro (8,4).

As pessoas com mais de 60 anos seguem as maiores vítimas do coronavírus, representando 81% das mortes. Do total de mortes, 78% possuíam alguma doença ou condição crônica, sendo cardiopatia e diabetes as com maiores registros.

Histórico

O Brasil confirmou o primeiro caso de Covid-19 em 26 de fevereiro. Um homem de 61 anos de São Paulo contraiu o coronavírus em viagem à Itália, que tem alta taxa de casos da doença.

A primeira morte foi confirmada 20 dias depois, em 17 de março. O paciente era um homem de 62 anos que tinha diabetes e hipertensão. Ele estava internado na UTI do Hospital Sancta Maggiore Paraíso desde o dia 14 e morreu no dia 16. Ele não tinha histórico de viagem para o exterior.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.