Descrição de chapéu Coronavírus

Brasil bate recorde com mais de 400 mortes por coronavírus em 24 h; total passa de 3.000

Primeira morte foi confirmada há pouco mais de um mês, em 17 de março

Brasília

O Brasil registrou nesta quinta-feira (23) um novo recorde de mortes por coronavírus, com 407 novos registros nas últimas 24 horas. O aumento ocorre enquanto estados começam a discutir o afrouxamento do isolamento social.

Até então, o maior número de óbitos registrado em apenas um dia havia sido de 217, em 17 de abril.

Com os novos dados, o Brasil já soma 3.313 mortes pela Covid-19 --os 3.000 óbitos foram registrados nesta quinta. A primeira morte foi registrada no dia 17 de março.

No dia anterior, o Ministério da Saúde havia divulgado 165 novas mortes (e um total de 2.906 óbitos).

O ministro Nelson Teich (Saúde) afirmou que não é possível afirmar se os dados recentes representam um novo patamar do impacto do coronavírus no Brasil. Ele disse que serão necessários alguns dias para se ter uma real dimensão da situação.

"Tivemos um aumento nos óbitos acima do que vinha acontecendo anteriormente. Não sabemos se isso representa um esforço de fechar diagnóstico ou se representa linha de tendência de aumento", disse.

O ministro, diante dos números, fez um alerta. "Se for uma linha de tendência de aumento, os números dos próximos dias vão aumentar cada vez mais", afirmou. "Temos de ver nos próximos dois dias o que vai acontecer."

Horas após a fala do ministro, a pasta divulgou dados que mostram um possível represamento no processamento dos casos.

Segundo o ministério, o país soma 1.269 mortes ainda em investigação. A pasta diz ainda que, das 407 mortes registradas no boletim mais recente, 112 aconteceram nos últimos três dias e as demais foram anteriores a esse período.

Do total de novas mortes, mais da metade ocorreu no estado de São Paulo —211, um novo recorde. ​São Paulo tem 16.740 casos confirmados da doença, distribuídos em 256 municípios.

Já no país, são 49.492 casos confirmados —3.735 novos casos em um dia.

O ministério, porém, tem informado que o número real de casos tende a ser maior, uma vez que só pacientes internados em hospitais fazem testes e há casos ainda à espera de confirmação.

Depois de São Paulo, o Rio de Janeiro é o segundo estado mais afetado pela epidemia, com 6.172 casos e 530 mortes.

Em seguida, estão Ceará (4.598), Pernambuco (3.519) e Amazonas (2.888). Outros estados também registram avanço de casos.

Ao mesmo tempo, cresce a pressão do governo para que os critérios de isolamento sejam revistos.

Recentemente, alguns dos estados mais afetados pelo novo coronavírus anunciaram a abertura do comércio e a retomada de outras atividades econômica, caso de São Paulo.

O governador João Doria (PSDB) afirmou nesta quinta-feira (23) que pode rever a reabertura caso os índices de isolamento social não ficarem acima de 50%.

Pelo plano do governo paulista, as atividades econômicas serão retomadas gradualmente a partir do dia 11 de maio. Até lá, o estado segue na política de isolamento da população, com monitoramento diário das movimentações.

Em Santa Catarina, na quarta-feira (22), shoppings, restaurantes e academias foram autorizadas a reabrirem as portas. O estado registrou 39 mortes desde o início da pandemia.

O Distrito Federal também pretende reabrir seus estabelecimentos no mês de maio. Segundo o governador Ibaneis Rocha (MDB), a ideia é publicar em até dez dias um cronograma para a retomada das aulas, iniciando pelos alunos do ensino médio.

No dia em que foi registrado o recorde de mortes, o ministro Teich evitou marcar um posicionamento em relação ao fim das políticas de distanciamento social, ao contrário do que vinha defendendo nos últimos dias.

Foi justamente a defesa de medidas de distanciamento social que colocou em choque o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta.

Nesta quinta, Teich voltou a frisar que avaliará propostas de uma flexibilização.

"Quando eu digo que vamos ter de mapear no dia a dia, e vai ter critérios e estratégias de saída, isso não quer dizer que vamos sair amanhã e que defenda isolamento ou não. Defendemos o que é melhor para a sociedade", disse.

Uma das preocupações do presidente ao trocar de ministro e levar o oncologista para o comando da pasta era justamente a adoção de uma política sanitária que conciliasse a atividade econômica, a fim de preservar empregos e manter a economia mais aquecida.

"Se o melhor for o isolamento, é o que vai ser. Se eu puder flexibilizar, dando autonomia para as pessoas, uma vida melhor, e isso não vai influenciar na doença, é o que vou fazer", disse o novo ministro.

"Não existe uma escolha de isolamento ou não, é isolamento na hora certa e flexibilização na hora certa", afirmou durante entrevista no Palácio do Planalto.

As regras de afrouxamento de distanciamento social tem preocupado, por outro lado, gestores municipais de todo o país.

A FNP (Frente Nacional de Prefeitos) informou nesta quinta que enviará a uma carta na qual pedira um protocolo federal para orientar as cidades na retomada das atividades após o fim do isolamento social por causa do novo coronavírus.

Segundo o presidente da frente e prefeito de Campinas (SP), Jonas Donizette (PSB), a decisão foi tomada após reunião com prefeitos do país nesta quinta.

O grupo pede que seja apresentado, até o dia 30 de abril, um protocolo com orientações de como deve ser a retomada.O documento também será enviado ao STF (Supremo Tribunal Federal) e à PGR (Procuradoria-Geral da República). A corte já definiu que estados e municípios têm autonomia para tomar decisões.

"A gente precisa de dados e, em cima disso, tomar decisões que o STF diz que prefeitos precisam tomar. Precisamos de uma luz ao problema que estamos enfrentando", disse.

Para o presidente da FNP, falta coordenação para enfrentar a crise do coronavírus no país. Ele cobra também o envio de testes às cidades.

Segundo Donizette, os prefeitos que participaram da reunião desta quinta temem que se repita em outras cidades do país o que ocorreu em Manaus.

Na terça-feira (21), o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto (PSDB-AM​), disse que a cidade vivia um estado de calamidade e disse estar a ponto de barbarie.

O Amazonas tem taxa de ocupação de 91% dos leitos de UTI (unidade de terapia intensiva).

Segundo Teich, a pasta fechou um acordo nesta quinta para receber 10 milhões de testes que serão fornecidos pela Opas (Organização Pan-americana de Saúde).

O volume deve integrar os 46 milhões de testes prometidos pela pasta. Ele não informou o cronograma de entrega.

O ministério também informou ter habilitado 1.134 leitos de UTI voltados ao atendimento de pacientes com coronavírus. O valor do investimento deve ser de R$ 163 milhões.

Segundo a pasta, com as novas habilitações, o número de leitos extras deve chegar a 1.456.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.