Descrição de chapéu Coronavírus

Como lidar com o excesso de comida ou a falta de fome na quarentena

Ansiedade e mudanças de rotina relacionadas ao coronavírus podem atrapalhar hábitos alimentares

Jen A. Miller
The New York Times

A pandemia de coronavírus é diferente de tudo o que a maioria de nós já experimentou. Uma das várias coisas que mudaram é nossa alimentação. Muita gente está comendo mais do que normalmente, ou não come.

"Para a maioria das pessoas, a primeira coisa que muda quando estão estressadas é o autocuidado", disse Jennifer Wegmann, professora de estudos de saúde e bem-estar na Universidade Binghamton (Nova York) e autora da série de áudio "Resiliência: a nova ciência de dominar o estresse e viver bem".

Quando Wegmann fala em autocuidado, não quer dizer coisas como massagem ou manicure, mas o verdadeiro básico: exercício, sono e alimentação. "Abandonamos essas coisas primeiro porque pensamos que precisamos ser melhores para outras pessoas."

Pessoas compram alimentos em Londres; quarentena pode mexer com alimentação
Pessoas compram alimentos em Londres; quarentena pode mexer com alimentação - Daniel Leal-Olivas - 15.abr.20/AFP

Os afetados pela ansiedade têm maior probabilidade de parar de comer, disse Debra Kissen, diretora-executiva do Centro de Terapia Cognitivo-Comportamental Light on Anxiety e membro da Associação de Ansiedade e Depressão da América. Isso remonta aos nossos ancestrais distantes. "Quando você está prestes a ser devorado por um leão e precisa lutar ou fugir, não é realmente eficiente que seu organismo esteja digerindo alimentos. É um desperdício de energia", disse ela.

Esse tipo de reação faz sentido para uma ameaça imediata, embora não seja a melhor maneira de lidar com alimentos em longo prazo. É "uma maneira pré-histórica de sobreviver que pode ser ineficaz em uma crise da vida moderna", disse ela.

Por outro lado, comer demais pode ser o resultado de uma série de coisas, desde depressão até simplesmente ter estocado seu doce favorito antes de se autoisolar. Para os que estão trabalhando em casa agora, ter acesso ilimitado à cozinha pode significar mais lanches fora de hora.

A resposta ao estresse físico do corpo também pode desempenhar um papel, disse Mackenzie Kelly, psicóloga clínica do Centro Médico da Universidade Rush, em Chicago. Quando estressado, nosso corpo libera o hormônio cortisol e produz mais insulina, "o que afeta o metabolismo de carboidratos e gorduras e, quando ativado, pode afetar a escolha de alimentos", disse ela. Os alimentos que você provavelmente mais deseja são em geral carboidratos ou ricos em gordura, que amortecem os efeitos do aumento de cortisol e insulina, impedindo a reação ao estresse.

Um excesso de comida de vez em quando não será um problema, e você deve dar uma licença a si mesmo se escolher mais alimentos que normalmente evita, mas ingerir repetidamente carboidratos e produtos com alto teor de gordura diminuirá o impacto que eles causam no seu humor. Portanto, você pode continuar comendo dessa maneira sem obter os mesmos benefícios de alívio do estresse, e ingerindo produtos menos saudáveis.

Reconhecer o que o estresse e a ansiedade estão fazendo conosco —e nossa alimentação— é o primeiro passo para entender a situação, explica Wegmann. "Quando reconhecermos que estamos com medo", disse ela, poderemos começar a analisar que comportamentos esse estresse está modificando.

Em curto prazo, comer muito ou pouco "provavelmente não é um grande problema para uma pessoa saudável", diz ela. Se essa situação continuar, porém, "é benéfico voltar à moderação".

Kelly diz que uma das melhores coisas que ajudam na alimentação estressada é o tempo. "Se as pessoas estão se sentindo estressadas ou ansiosas, apenas deixar passar algum tempo pode ajudar", afirmou. Para as que sentem que estão fazendo muitos lanchinhos, fazer outra coisa para passar o tempo pode ajudar a eliminar esse desejo de comer.

Para quem está comendo muito pouco, ela sugere encontrar algo tolerável para comer ou experimentar algo rico em calorias para beber, como um shake de proteína. "Seria diferente se isso fosse por um dia ou dois, mas estaremos nessa situação durante algum tempo", disse ela.

Se você está comendo demais, certifique-se de que os alimentos não sejam apenas os industrializados e inclua itens como frutas e legumes nas suas opções de lanches.

Além disso, se você se esquecer de comer (e possivelmente comer demais quando finalmente sentir muita fome), também poderá programar as refeições em sua agenda, como faria com qualquer outro compromisso. Ou definir alarmes para se lembrar de fazer as refeições habituais e beber água.

Lembre-se, o autocuidado também significa permitir-se apreciar sua comida plenamente. Esta não é a hora de aumentar o estresse se preocupando porque consumiu algumas calorias a mais ou pulou uma refeição. Reduzir essa pressão também pode fazer que comer pareça normal novamente.



Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.