Descrição de chapéu Coronavírus

Compare a Covid-19 com outras epidemias que assolaram a humanidade

Novo coronavírus já infectou mais de 1 milhão de pessoas e causou mais de 51 mil mortes

São Paulo

O novo coronavírus Sars-CoV-2 já infectou mais de 1 milhão de pessoas e matou mais de 51 mil em poucos meses —sua ocorrência foi oficialmente informada pelas autoridades chinesas em dezembro de 2019.

Para comparação, a última pandemia mundial, da gripe A (H1N1), popularmente conhecida como gripe suína, matou cerca de 18 mil em um período maior, entre 2009 e 2010, segundo balanço da OMS (Organização Mundial da Saúde) que leva em conta as mortes pela doença relacionadas a casos confirmados por exame. O número, porém, deve ser maior. Estimativas do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos EUA, apontam entre 151 mil e 575 mil mortes.

O vírus influenza H1N1 apresentava menor transmissibilidade e menor letalidade que o vírus da Covid-19. Também havia dois antivirais, um deles o Tamiflu, que se mostraram efetivos no combate à epidemia de H1N1.

Na época do surto de H1N1, o Ministério da Saúde registrou quase 60 mil casos e pouco mais de 2.000 mortes no Brasil. De 2009 até agora foram cerca de 7.000 mortes.

Outras epidemias mais antigas, porém, deixaram um rastro de destruição muito maior. A gripe espanhola, em 1918, dizimou cerca 75 milhões de pessoas.

Um dos elementos-chave por trás de impacto da gripe espanhola é que ela parece ter sido mais grave quando infectava adultos jovens e saudáveis, enquanto outras formas da doença tendem a produzir mortes de bebês, idosos e pessoas com sistema imune mais debilitado.

Há boas razões para acreditar que parte dessa violência contra jovens saudáveis tem relação com a chamada tempestade de citocinas, uma reação descontrolada do sistema imune à presença do invasor. Fragilizados pelo vírus, os pulmões dos doentes também podiam sucumbir a infecções bacterianas, e há ainda relatos da época que falam em hemorragias no nariz, nos ouvidos e no sistema digestivo.

O avanço devastador do vírus (um tipo de influenza A H1N1, tal como o da gripe de 2009) foi facilitado pela falta quase total de imunidade natural das populações do planeta e pelo confinamento de jovens em quartéis e campos de batalha durante a Primeira Guerra, uma população aglomerada e sem anticorpos era um campo fértil para a doença.

A comparação de outras epidemias com a pandemia da Covid-19, porém, precisa ser feita com cautela. Se ainda hoje ocorre a subnotificação nos casos do novo coronavírus, os dados de doenças do passado eram ainda menos confiáveis.

Peste de Atenas, 429 a.C.

Talvez uma forma de tifo, a peste teria levado à morte de cerca de 100 mil pessoas

Peste de Justiniano (provavelmente peste bubônica), 541 d.C.

Teria matado ao redor de 50 milhões de pessoas (40% da população da bacia do Mediterrâneo)

Peste Negra, 1346

Cerca de 200 milhões de pessoas foram dizimadas na Europa, na Ásia e no norte da África

Doenças infecciosas em 1492

Colombo chega às Américas; doenças trazidas pelos europeus podem ter eliminado 90% ou mais da população indígena original

Grande Praga de Londres, 1665

Estimativas apontam que ela deixou ao redor de 100 mil mortos na capital inglesa

Primeira pandemia de cólera, 1817

Espalha-se da Índia para países asiáticos, africanos e para a bacia do Mediterrâneo, matando centenas de milhares de pessoas

Gripe Espanhola, 1918

Pode ter matado cerca de 75 milhões de pessoas no mundo todo

Pacientes da gripe espanhola, em 1918
Pacientes da gripe espanhola, em 1918 - AFIP/Wikipedia

Aids, dos anos 1960 ao presente

Doença se espalha pelo mundo, matando cerca de 30 milhões de pessoas ao longo de várias décadas

H1N1, 2009

Vírus H1N1, da gripe, mata ao redor de 18 mil pessoas na pandemia de 2009 a 2010. Esse número, porém, é referente aos casos confirmados por exame. Estimativas do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos EUA, apontam entre 151 mil e 575 mil mortes

Ebola, 2013-2016

Ebola leva à morte de mais de 11 mil pessoas na África Ocidental

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.