Descrição de chapéu Coronavírus

Einstein cria teste genético para detectar coronavírus em larga escala

Exame é mais barato que atual, foi patenteado nos EUA e estará disponível a partir de junho

São Paulo

O Hospital Israelita Albert Einstein (SP) desenvolveu um novo teste de diagnóstico do coronavírus que permitirá a realização simultânea de até 1.536 amostras, um volume cerca de 16 vezes maior do que é possível processar hoje pelo método RT-PCR, tido como padrão ouro.

O exame tem 100% de especificidade, ou seja, não apresenta casos de falso-positivos. A precisão é equivalente à do método convencional (RT-PCR).

A patente foi registrada no Sistema Internacional de Patentes dos Estados Unidos e, segundo o Einstein, é a primeira do mundo. O preço final do teste deve ser menor do que o do seu similar, hoje em torno de R$ 250, mas ainda não está fechado.

A proposta é que nova tecnologia seja usada na testagem em massa da população, medida considerada crucial para o controle da expansão de casos, a previsão de demanda para o sistema de saúde e a retomada de atividades econômicas.

Baseado na tecnologia de Sequenciamento de Nova Geração (NGS), que identifica doenças por meio da leitura de pequenos fragmentos de DNA, o teste do Einstein envolveu uma adaptação dessa técnica para detectar também o RNA, a outra molécula biológica que, junto com o DNA, compõe o material genético dos seres vivos. Como diversos tipos de vírus, o Sars-Cov-2 possui apenas RNA.

Segundo Sidney Klajner, presidente do Einstein, o novo teste começou a ser desenvolvido há dois meses a partir do sequenciamento genético do coronavírus que circulava no Brasil, e com o uso de técnicas de inteligência artificial.

Foi criado uma espécie de banco de diversas mutações do vírus que estão circulando no país e fora dele. Segundo estudos já publicados, há mais de 30 cepas diferentes do novo coronavírus.

"Chegamos ao diagnóstico com uma escala muito maior. Com equipamento que a gente tem no Einstein, vamos passar de 96 testagens por rodada para 1.536. Por semana, poderemos fazer 24 mil testes", explica Klajner.

A realização e o processamento de testes têm sido um dos principais gargalos da pandemia no Brasil. Em São Paulo, já houve uma demanda reprimida de 30 mil testes à espera de análise.

Hoje, os 50 laboratórios que fazem parte de uma plataforma para diagnóstico do coronavírus têm capacidade para processar até 5.000 amostras diárias pelo método PCR, segundo o Instituto Butantan.

O teste do Einstein poderá ser adotado por qualquer laboratório público ou privado do país que queira adquiri-lo. Ainda não está definido o valor dessa transferência de tecnologia.

Eliezer Silva, diretor superintendente da medicina diagnóstica e ambulatorial do Einstein, diz que o novo exame passou por validações que demonstraram que ele é equivalente ao teste padrão ouro, o RT-PCR.

"A especificidade é de 100%, ou seja, aqueles identificados realmente têm o vírus, e tem uma sensibilidade muito semelhante ao PCR tradicional, de 90%, o que é fundamental. Não pode deixar ninguém que tenha a doença de fora."

O que existe hoje disponível para a testagem em massa são os exames sorológicos, conhecidos como testes rápidos. Eles detectam anticorpos produzidos pelo organismo em resposta à infecção e só podem ser observados em média 14 dias após a contaminação. Outra limitação é que possuem taxas de 30% de falsos-negativos.

Segundo Silva, o teste criado pelo Einstein identifica a presença do vírus desde o primeiro dia de infecção, da mesma forma que o RT-PCR.

Klajner afirma que o teste também será muito importante para ser feito antes de cirurgias porque ele consegue fazer o diagnóstico de assintomáticos.

Nos últimos dias, segundo ele, 20 pacientes sem nenhum sintoma, que estavam com cirurgias eletivas agendadas, testaram positivo para o coronavírus e tiveram os procedimentos suspensos. "Inclusive um que faria uma cirurgia de aorta [a maior e mais importante artéria do sistema circulatório]."

Assim como no caso do PCR, a coleta de amostra para detecção do vírus é realizada por meio de cotonetes estéreis (chamados de swab) em contato com a região nasal ou saliva.

A amostra é preparada de acordo com protocolos específicos desenvolvidos pelo hospital e, por fim, a análise dos resultados é realizada por meio da plataforma de bioinformática (Varstation®), também criada pelo departamento de inovação do Einstein e comercializada para outras empresas. O teste deverá estar disponível no Einstein até o início de junho.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.