Governo nomeia coronel para secretaria voltada a atenção especializada na Saúde

Nomeação amplia número de militares também no comando de áreas estratégicas ligadas a assistência; grupo já responde por três de sete secretarias do Ministério

Brasília

Em meio a ampliação do número de militares em cargos no Ministério da Saúde, o governo nomeou nesta quarta-feira (27) o coronel Luiz Otavio Franco Duarte como secretário de atenção especializada em saúde, pasta voltada à organização de diretrizes de assistência, gestão e liberação de recursos para a área hospitalar e serviços de urgência e emergência.

A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União, e assinada pelo ministro da Casa Civil, general Walter Braga Netto.

Coronel do Exército, Duarte atuou com o ministro interino, general Eduardo Pazuello, durante a intervenção federal em Roraima. Nas últimas semanas, ele já havia sido nomeado como assessor especial do ministro.

Coronel Luiz Otávio Franco Duarte (à direita) foi nomeado secretário de atenção especializada em saúde
Coronel Luiz Otávio Franco Duarte (à direita) foi nomeado secretário de atenção especializada em saúde - Exército/Divulgação

É a primeira nomeação de um militar para o comando de uma secretaria estratégica desde que a pasta passou a ser chefiada por Pazuello. Nas últimas semanas, ele havia confirmado outro coronel para a secretaria-executiva, mas apenas como seu substituto enquanto fica no cargo de ministro interino.

A entrada de Duarte na secretaria amplia o número de militares também em cargos de áreas estratégicas de assistência.

O cargo na SAES, sigla como a secretaria é chamada, estava vago desde a saída de Francisco Figueiredo, que tinha experiência na gestão de hospitais e ocupava o posto desde a gestão do ex-ministro Ricardo Barros. Ele foi exonerado há três semanas.

Após da saída de Figueiredo, ainda na gestão do ex-ministro Nelson Teich, a secretaria chegou a ser oferecida a Mauro Junqueira, atual secretário-executivo do Conasems, conselho que reúne secretários municipais de saúde. Mas o nome não foi aceito pelo Palácio do Planalto, em meio a pressão do chamado Centrão para indicar um nome para a pasta.

Com a nomeação de Luiz Otávio Franco Duarte, o ministério soma três secretários com histórico militar, uma ocupada por uma médica pediatra e outras três ainda sem titulares.

Além da atenção especializada, são geridas por militares a secretaria-executiva, hoje sob comando interino do coronel Antônio Élcio Franco Filho, e a secretaria especial de saúde indígena, comandada pelo coronel da reserva Robson Santos da Silva, que entrou no cargo ainda na gestão do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta e fez parte da equipe de transição para o atual governo.

Membros da gestão anterior, porém, afirmam que Silva era uma das poucas pessoas ligadas ao Exército na pasta à época.

Nas últimas semanas, o governo vem ampliando o número de militares em cargos Ministério da Saúde. As nomeações, no entanto, ocorriam sobretudo para cargos de direção e coordenação na secretaria-executiva.

Com a entrada de Pazuello como interino, as nomeações passaram a ocorrer também para cargos em áreas especializadas. Ao todo, já são mais de 21 nomeados em diferentes cargos.

Em reunião com secretários estaduais e municipais de Saúde na última semana, Pazuello justificou as nomeações afirmando que a atuação é temporária.

"Em princípio serão só 90 dias. São pessoas preparadas para lidar com esse tipo de crise, e precisamos desse tipo de preparo", disse. "É temporário e vou ter de substituí-los ao longo dos 90 dias. Vamos substituindo e colocando no momento de maior normalidade."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.