Descrição de chapéu Coronavírus

Após ouvir Pazuello, Maia diz que volta da confiança em dados do governo levará dias

Ministro interino da Saúde compareceu a comissão externa da Câmara dos Deputados

Brasília

A ida do ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, ao Congresso nesta terça-feira (9) para defender a transparência dos dados sobre o novo coronavírus não foi suficiente para restabelecer a confiança do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), nas informações divulgadas pelo governo.

Pazuello compareceu à comissão externa da Câmara que monitora as ações de combate ao vírus. A reunião ocorreu pouco antes de uma sessão do plenário que pode votar um projeto que busca obrigar o governo a detalhar os dados sobre a pandemia.

Na última semana, o Ministério da Saúde atrasou a divulgação do boletim do coronavírus. Os dados começaram a ser informados apenas às 22h, após o fechamento das edições dos principais jornais diários e da transmissão dos telejornais da noite.

Na sexta (5), o órgão excluiu pela primeira vez o total de mortos e casos de infecção pelo novo coronavírus registrados desde o início da pandemia.

Para Maia, os “desencontros” dos últimos dias “foram muito negativos para todos”.

“O ideal é que daqui a alguns dias todos nós tenhamos a tranquilidade de saber que não há nenhum número sendo escondido, que está se contabilizando as mortes pelos dias, mas não está se esquecendo aquelas que ainda não foram confirmadas”, afirmou.

Com isso, continuou, “em algum momento, que é o ideal, todos nós voltaremos a ter confiança nos números apresentados pelo Ministério da Saúde”.

Segundo ele, a confiança nos dados será resgatada a partir da confrontação das informações com aquelas coletadas pelas secretarias estaduais e municipais de Saúde, pelo TCU (Tribunal de Contas da União) e pela imprensa.

Esses atores vão analisar o banco de dados do trabalho do Ministério da Saúde, afirmou, e vão avaliar se há ou não distorções. “O tempo vai resolver isso, e o trabalho que a imprensa faz, que os secretários estaduais têm feito é muito importante para que se possa ter checagem para que a gente não perca as condições de analisar e de acompanhar a devolução da doença no Brasil”, disse.

Na segunda (8), em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de Covid-19, os veículos O Estado de S. Paulo, Extra, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e UOL decidiram formar uma parceria e trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias nos 26 estados e no Distrito Federal.

Em uma iniciativa inédita, equipes de todos os veículos vão dividir tarefas e compartilhar as informações obtidas para que os brasileiros possam saber como está a evolução e o total de óbitos provocados pela Covid-19, além dos números consolidados de casos testados e com resultado positivo para o novo coronavírus.

Na comissão, Pazuello apresentou as linhas gerais da nova metodologia de divulgação de dados do governo, que inclui o registro da morte no dia em que ela ocorrer.

Maia afirmou que o ideal é trabalhar o novo modelo e o anterior até que a sociedade tenha confiança no sistema que o governo quer adotar.

O deputado também comentou o projeto do deputado Felipe Rigoni (PSB-ES) que quer aumentar a transparência na divulgação dos dados. “A urgência vai ser votada, vamos escolher um relator. Quando o relatório estiver pronto, na quarta ou na outra terça, nós vamos votar”, disse.

“Até que agora vamos ter mais informações de como o governo organizou seu banco de dados e qual é a efetividade desse banco em relação a transparência dos dados do governo”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.