Descrição de chapéu Coronavírus

Em carta aberta, entidades cobram do governo federal transparência quanto a Covid-19

Mais de cem organizações assinam documento, publicado nesta terça

São Paulo

Uma carta aberta ao governo federal, cobrando transparência quanto à divulgação de dados relativos ao desenrolar da pandemia de Covid-19 no país, foi publicada nesta terça (9).

"Os mecanismos de transparência são fundamentais em um governo democrático para permitir a participação pública e a prestação de contas. Durante uma pandemia, a opacidade pode custar vidas", diz o documento.

A carta é assinada por mais de cem entidades, entre elas a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e as ONGs Conectas Direitos Humanos e Artigo 19, de defesa à liberdade de expressão.

No texto, as entidades rememoram as decisões tomadas pelo governo Bolsonaro desde a última sexta (5), como a limitação do acumulado de casos e mortes decorrentes da doença causada pelo novo coronavírus no país, e a possibilidade de recontagem de óbitos, aventada pelo empresário Carlos Wizard Martins —ele deveria se tornar secretário de ciência e tecnologia do Ministério da Saúde, desistindo do cargo após a controvérsia causada por sua declaração.

"A falta de informação oficial sobre a pandemia não é apenas um ataque ao acesso à informação, ataca também a liberdade de expressão e de imprensa", diz ainda a carta.

"Não se trata de casos isolados, mas que se inserem em um cenário do uso contínuo e sistemático da máquina pública para dificultar o trabalho de comunicadores, criar um ambiente hostil para o exercício profissional e, ao mesmo tempo, reduzir a transparência no governo de Jair Bolsonaro. Além disso, o direito de saber de toda população brasileira é violado —algo ainda mais grave diante da emergência de saúde pública.

A falta de transparência dos dados brasileiros sobre a Covid-19 ocupou o notíciário não só no Brasil, ao longo do fim de semana.

Nesta terça, o Ministério da Saúde voltou a divulgar a íntegra dos dados na plataforma destinada à Covid-19.

Na segunda (8) o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal) havia determinado que o ministério voltasse ao formato anterior de divulgação, com o total de mortes e de casos da Covid desde o início da pandemia. A pasta, porém, não informou se o recuo desta terça ocorreu em cumprimento à decisão do STF.

O Ministério da Saúde também voltou a divulgar número de casos e mortes nas últimas 24 horas, que tem como base a data de notificação. Mais cedo, o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, dissera que a metodologia da pasta seria alterada, contando os óbitos pela data de ocorrência, e não de confirmação.

Esse método resultaria em número de mortes menores e deixaria de fora óbitos de outros dias ainda por confirmar.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.