Descrição de chapéu Coronavírus

Vale do Ribeira regride na quarentena e se une a outras 3 regiões na fase vermelha do Plano SP

Enquanto pandemia avança no interior, capital paulista tem segunda queda consecutiva de óbitos

São Paulo

A região do Vale do Ribeira, no sul do estado de São Paulo, regrediu à fase vermelha do Plano SP, a mais restritiva, segundo informou o governador João Doria (PSDB) em entrevista coletiva nesta sexta-feira (31).

Na última semana, a taxa de ocupação de leitos aumentou de 46% para 89%, e a alta no número de casos chegou a 163% na região, que soma 22 municípios. Com isso, muitos pacientes tiveram que ser transferidos para hospitais da Baixada Santista, de acordo com o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn.

"A reclassificação foi uma medida de segurança já prevista e discutida no Plano SP frente ao aumento do número de casos e à ocupação dos leitos de enfermaria e UTI [no Vale do Ribeira], afirmou Gorinchteyn.

Com a inauguração de 10 novos leitos, a capacidade hospitalar da região foi aumentada em 45%, segundo o secretário de desenvolvimento regional Marco Vinholi.

“O aumento do número de leitos foi essencial para garantir a assistência médica a esses pacientes, mas as medidas preventivas também são necessárias.”

Segundo Patrícia Ellen, secretária de desenvolvimento econômico, em todo o estado de SP houve redução de 2% em número de óbitos. São Paulo capital teve redução de 4% na taxa de ocupação de leitos e 27% no número de óbitos, e encontra-se atualmente na fase amarela (a terceira para a reabertura total do comércio e atividades).

Os dados atualizados da pandemia no estado apontam 542.304 casos, 22.997 óbitos, e taxa de ocupação hospitalar de 64% em todo o estado e 62% na região da Grande São Paulo.

Foram contabilizados 13.298 novos casos nas últimas 24 horas. Do total de casos, 56% (7.446) foram diagnosticados por RT-PCR, 40% (5.319) por teste rápido e 4% (533) por outros métodos.

São Paulo/SP, 29/07/2020, Governador João Doria na Coletiva da Área do Governo e Área da Saúde. Foto: Governo do Estado de São Paulo

Gorinchteyn afirmou que o aumento diário de casos no estado é reflexo da ampliação da testagem. “Se eu não testo [sic], acho que não tenho casos ou diminuímos. Isto não faz sentido. Estávamos fazendo 26 mil testes por mês, chegamos a mais de 500 mil em junho. É o único estado que testa com a quantidade e a qualidade a que se propôs.”

O governo de SP tem apostado nos testes rápidos e na testagem de casos leves e assintomáticos para diagnóstico da Covid-19. Ellen afirmou ser essencial a testagem desses pacientes para rastrear seus contatos e saber também onde estão os casos suspeitos com necessidades de internação.

“Mais de 80% dos casos são de assintomáticos e sintomáticos leves. Aumento de testagem e de casos confirmados não necessariamente é aumento de casos de internação. Por isso, precisamos saber onde estão os casos de coronavírus para rastrear seus contatos, mantê-los em isolamento e monitorar.”

Segundo Gorinchteyn, São Paulo responde a 20% do total de casos no país. Para ele, o estado atingiu um platô, mantido nas últimas semanas, e apresentado queda de óbitos.

“Tivemos a menor taxa de ocupação de leitos e óbitos dos últimos três meses. A região metropolitana já vem apresentando uma queda leve em relação ao município de SP.”

De acordo com os dados apresentados, 38% dos municípios de SP estabilizaram ou diminuíram o número de novos casos, e 89% tiveram queda ou estabilização do número de óbitos.

O secretário afirmou também que houve um aumento de 30% em testes RT-PCR para diagnóstico da Covid-19 na rede estadual de laboratórios, coordenada pelo Instituto Butantan. A rede pública realizou mais de 1,77 milhão de testes RT-PCR desde março.

Na semana de 10 a 16 de julho foram realizados 33 mil exames moleculares para Sars-CoV-2 na rede pública de laboratórios, subindo para 42 mil exames na semana seguinte (de 17 a 23 de julho). Com isso, são realizados nos laboratórios que atendem o Sistema Único de Saúde (SUS) cerca de 6.000 exames diários.

O número médio de exames diários, embora tenha aumentado ligeiramente em julho em relação ao mês anterior, se mantém abaixo dos 8 mil prometidos pelo governo em abril.

Pandemia no estado

O Plano SP entrou em sua nona fase nesta semana, segundo o governador. Os municípios são classificados de acordo com número de novos casos confirmados de Covid-19, taxa de ocupação de leitos de enfermaria e UTI, número de novas internações e de óbitos. Além do Vale do Ribeira, estão também na fase vermelha as regiões de Piracicaba, Ribeirão Preto e Franca.

Vinholi afirmou que Franca, Ribeirão Preto e Piracicaba tiveram leve melhora nos últimos dias. Segundo o secretário, já foram atingidas pela pandemia 640 cidades do estado, confirmando a interiorização da Covid-19.

Pela primeira vez, nos últimos sete dias 57,88% dos casos estão no interior do estado, enquanto 42,11% se deram na capital e região metropolitana de São Paulo. O número de óbitos também foi maior no interior, concentrando 59,86% dos óbitos frente à 40,14% na capital.

Em Ribeirão Preto, o governo triplicou o número de leitos, chegando à taxa de 20 leitos a cada 100 mil habitantes. A taxa de ocupação dos hospitais na região chegou a 84,9%.

Taxa similar foi encontrada em Franca, com 85% dos leitos hospitalares ocupados. O governo investiu R$4 milhões para a implementação de 30 novos leitos na região, aumentando para 63 o número total.

Ciclovia do rio Pinheiros

Doria anunciou também a reabertura da ciclovia da marginal Pinheiros a partir do dia 3.

“A partir da próxima segunda-feira (3) os ciclistas e amantes de ciclismo terão de volta a ciclovia da marginal [Pinheiros] totalmente modernizada.”

A ciclovia, de responsabilidade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), foi fechada no início da pandemia. Durante esse tempo, passou por renovação e modernização em parceria com a empresa Farah Services.

Doria afirmou que foram feitas reformas no asfalto, manutenção da iluminação e sinalização e instalação de câmeras de segurança em todos os 22 quilômetros de extensão da ciclovia. Informou ainda que agentes de segurança estarão na ciclovia durante todo o tempo de funcionamento, de segunda a domingo.

“A ciclovia é utilizada tanto para mobilidade quanto para aqueles que fazem treinamento ou utilizam a ciclovia como meio de transporte”, completou.

O governador anunciou ainda a criação de uma estação de apoio aos ciclistas na estação de trem CPTM Vila Olímpia, com instalação de banheiros públicos e acesso para ciclistas com bicicletas adaptadas para portadores de deficiência.

No projeto de renovação da ciclovia também foram implementadas máquinas de venda de guloseimas, vestiários e a retirada das lombadas para garantir maior acessibilidade à pista.

Câmeras corporais no metrô

Outra iniciativa anunciada durante a entrevista coletiva foi a aquisição de câmeras corporais acopladas aos uniformes de 350 agentes de segurança do metrô.

Os agentes com o instrumento de segurança atuarão, em um primeiro momento, em oito estações do transporte metropolitano, passando para até 1.200 agentes de segurança espalhados nas demais estações até o dia 30 de outubro.

“As câmeras corporais são iguais às que os policiais miliares do estado passaram a utilizar e vão aumentar a transparência nas ações da segurança do metrô, melhorar a qualidade da segurança para os usuários e garantir bem-estar a todos que frequentam e utilizam o metrô”, afirmou Doria.

Erramos: o texto foi alterado

A versão original do texto trazia erro no título ao dizer que eram quatro outras regiões na fase vermelha, sendo o correto o Vale do Ribeira e mais três, e ao informar no texto que a Baixada Santista era uma delas. O texto foi corrigido.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.