Descrição de chapéu Coronavírus

Coronavírus na cidade de SP é mais prevalente entre jovens de 18 a 34 anos

Estudo de prefeitura mostra capital ainda com 1,3 milhão de pessoas com anticorpos e tem situação estável

São Paulo

O índice de infecção por coronavírus entre os jovens de 18 a 34 anos chegou a 17,7%, o maior entre as faixas etárias, mostra inquérito sorológico da Prefeitura de São Paulo —aparentemente, uma consequência da reabertura gradual das atividades na cidade.

Segundo a prefeitura, o grupo é o que mais tem saído para trabalhar fora, o que influencia no índice de prevalência, uma vez que pessoas que fazem home office têm três vezes menos chance de se infectar.

Cerca de 1,3 milhão de pessoas se infectaram com o novo coronavírus na cidade de São Paulo, mostra o estudo feito com base em testes na população. O resultado mostra que a capital paulista permanece com número similar de pessoas com anticorpos que nas fases anteriores do estudo, demonstrando estabilidade na cidade, diz a gestão municipal.

"Os números significam estabilidade da doença na cidade de São Paulo. Apesar de dois meses de flexibilização de atividade econômica, a gente mantém os mesmos índices", afirmou o prefeito Bruno Covas (PSDB).

A pesquisa mostra também que 42,5% dos que se infectaram relataram não ter apresentado sintomas.

O percentual de prevalência de 17,7% entre jovens, aumentou se comparado com outras fases do estudo. Na fase anterior, foi de 12,6%. na fase um, de 10%, e na zero, de 8,7%.

O inquérito conclui que para a faixa de 35 a 49 anos o índice de prevalência é de 10,6%; para aqueles com entre 50 e 64 anos, 7,7%. Já para os que têm mais de 65 anos ela fica em 6,8%.

Além do fator sair para trabalhar, Covas afirmou que contribuem para a maior prevalência entre os jovens a realização de festas irregulares, como pancadões. O estudo menciona ainda a própria flexibilização da quarentena pelo governo do estado.

"Volta e meia a gente ainda verifica a questão de pancadões, festas irregulares. Claro que tem também a principal faixa etária que tem saído para trabalhar", disse ele, apelando para que esse público tenha responsabilidade. "Se observa, consolidado nos quatro inquéritos, é a prevalência maior na faixa etária do jovens entre 18 e 34 anos".

O estudo mostra ainda que a prevalência chegou a 18,7% entre pessoas que têm de trabalhar fora de casa. Enquanto isso, desempregados têm índice de 12,7%, e pessoas que fazem home office 6,2%.

Estudo recente da Unifesp mostra que distritos com mais pessoas que usam o transporte público como principal meio de transporte são aqueles com maior número de mortes. Além disso, distritos com maior número de autônomos, que incluem domésticas e ambulantes, têm maiores taxas de óbitos.

A pesquisa, produzida pelo professor Kazuo Nakano, reforça a percepção de que pessoas mais pobres, que tiveram que continuar se deslocando para o trabalho durante a pandemia, são as maiores vítimas.

O infectologista Celso Granato, diretor do Grupo Fleury, cita o estudo e a relação do transporte como um dos possíveis fatores da prevalência em determinada faixa da população.

"Se você pegar uma pessoa que mora na periferia, ela tem mais chance de ser pobre, de ter menos escolaridade, e de ter a pele escura. Ela fica muito tempo dentro do ônibus porque mora longe. Vai passar duas horas por dia num local fechado, onde tem a transmissão facilitada", diz. "Quando você olha tudo junto, é óbvio que tem a questão social. [a afetar a prevalência]"

Os resultados do inquérito sorológico da prefeitura, com 96% de confiança, demonstraram demarcação de classe e raça na prevalência do vírus. Conclui, por exemplo, que as classes D e E têm o triplo da chance (14,3%) do que as classes A e B (4,7%) de contrair o vírus. E que, enquanto pretos e pardos têm prevalência de 14,8%, o índice é de 8,1% entre brancos.

Quando se divide o estudo por regiões, as regiões sul e leste são aquelas com maiores índices. Na zona sul, a taxa é de 14,7%. Na área leste, é de 11,5% e na sudeste, de 11,9%. As outras regiões têm índices mais baixos: norte, com 7,9%, e centro-oeste, 4,9%.

Um outro estudo, feito por USP, Unifesp, Ibope e grupo Fleury, constatou que 22% dos moradores dos distritos censitários mais pobres (com renda média igual ou menor a R$ 3.349) têm anticorpos no sangue específicos para o novo coronavírus, o Sars-CoV-2.

Mestre em saúde da família pela Unifesp e médica de família e comunidade, Denize Ornelas afirma que a necessidade levou à maior exposição de determinados grupos sociais. No caso dos jovens, acrescenta-se a isso o fato de desde o começo ter havido divulgação de que são menos afetados.

"Por outro lado, são pessoas que muitas vezes ainda não têm profissão consolidada.Jovens que estão desempregados e vão precisar sair pro trabalho informal, pessoas que algumas vezes não concluíram o ensino superior, têm menor renda", diz.

O ensino superior, diz ela, é um marcador que demonstra melhores condições de trabalho e, assim, menor exposição. "Em nenhum momento o Estado brasileiro, seja em qualquer um dos entes, produziu políticas específicas que olhassem para essa iniquidade e produzissem soluções", diz ela.

Para a professora da Unicamp e membro da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia) Raquel Stucchi a desigualdade na forma como a doença afeta a população deve ser intensificada com a reabertura da economia.

"As pessoas de classe A e B ainda estão em home office ou indo pontualmente para o trabalho. Já as outras pessoas, não. Elas vão usar mais transporte público e se expor mais", afirmou.

Erramos: o texto foi alterado

Na primeira versão desta reportagem, a redação dizia que os jovens representavam 17,7% dos infectados. Na verdade, a prevalência da doença entre os jovens é que é de 17,7% O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.