É falso que vacina contra Covid-19 cause danos irreversíveis ao DNA

Texto que viralizou engana ao afirmar que imunização seria um crime contra a humanidade

São Paulo

É falso que as vacinas em teste contra a Covid-19 possam causar “danos irreversíveis” ao DNA das pessoas imunizadas. As alegações são de um post do blog católico Mater Salutis, publicado no dia 13 de agosto. Um texto atribuído a Robert F. Kennedy Jr. trata das vacinas de mRNA que estão sendo testadas contra o novo coronavírus. “Um sintoma de vacinação se desenvolver após uma vacinação de mRNA, nem eu nem qualquer outro terapeuta podemos ajudá-lo (sic), porque os danos causados ​​pela vacinação serão geneticamente irreversíveis. Na minha opinião, essas novas vacinas representam um crime contra a humanidade que nunca foi cometido de maneira tão ampla na história”, afirma a publicação.

Essas declarações, verificadas pelo Comprova, são falsas. As vacinas de mRNA são desenvolvidas para não interferir com o DNA humano e são incapazes de causar danos genéticos. “Biologicamente, não tem evidência nenhuma disso. No caso das vacinas de mRNA, tudo é transparente, tudo é publicado. Os dados estão aí para serem analisados. E um cara que faz uma alegação dessas basicamente não leu a literatura. É muito importante explicar para as pessoas que isso é impossível”, alerta Cristina Bonorino, professora titular da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e membro do comitê científico da Sociedade Brasileira de Imunologia.

O texto seria assinado por Robert F. Kennedy Jr. e começa com a frase “Caros pacientes”, dando a entender que se trata de um médico. Kennedy é advogado e ambientalista norte-americano, filho do senador Robert F. Kennedy e sobrinho do presidente John F. Kennedy, ambos já falecidos. É dele a foto que ilustrava a publicação e havia um link para sua página na Wikipedia em inglês.

Embora não seja um profissional da saúde, Kennedy é conhecido pelo ativismo contra as vacinas nos Estados Unidos. Em suas redes sociais, como Instagram e Twitter, há postagens criticando as vacinas em desenvolvimento contra o novo coronavírus. Sua postura é criticada pela própria família, umas das mais influentes na política norte-americana.

Mão com luva azul segura vacina contra o novo coronavírus
Cientistas de vários locais do mundo trabalham na criação de vacinas contra o novo coronavírus - Ernesto Benavides/AFP

Mas nada do que ele postou se assemelha ao texto publicado pelo blog brasileiro. O Comprova entrou em contato com um dos responsáveis pela página, que assina como Tomás de Aquino. Ele admitiu que não tinha certeza da autoria e disse que tirou o texto de uma página da Wikipedia em português. “Não foi traduzido por nós. E parece que a fonte não é confiável e parece que Robert F. Kennedy Jr. não é o autor da matéria. Parece ser fake. Estamos procurando a fonte original e, caso consigamos identificar, comunicamos”, afirmou Aquino. Depois de conversar com a equipe do Comprova, o site excluiu a publicação.

Verificação

Em sua terceira fase, o Projeto Comprova investiga conteúdos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia. Conteúdos que trazem desinformação relacionada à Covid-19, como o verificado aqui, são ainda mais perigosos pois colocam a saúde da população em risco e podem custar vidas.

Uma vacina é a forma mais eficiente de imunizar a população e esforços estão sendo feitos em todo planeta para chegar a essa solução. A postagem em questão gera medo e desconfiança e pode levar pessoas a decidirem não se vacinar quando a proteção estiver disponível para os brasileiros.

O texto atribuído a Robert F. Kennedy, Jr. teve mais de 40 mil interações até o dia 25 de agosto, antes de ser retirado do ar. No Twitter, alcançou 1.282 interações, entre repostagens e curtidas. No Facebook, foram 15 compartilhamentos até 26 de agosto.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

O Comprova fez esta verificação baseado em dados oficiais sobre o novo coronavírus disponíveis no dia 26 de agosto de 2020.

A investigação desse conteúdo foi feita por SBT e Folha e publicada na quarta-feira (26) pelo Projeto Comprova, coalizão que reúne 28 veículos na checagem de conteúdos sobre coronavírus e políticas públicas. Foi verificada por Jornal do Commercio, GaúchaZH, Nexo e Piauí.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.