Descrição de chapéu Coronavírus

Pior momento passou e estamos iniciando a descida do platô em SP, diz Doria

Governo afirma que há dados consistentes de redução em mortes, internações e novos casos

São Paulo

O governador João Doria (PSDB) afirmou nesta sexta-feira (28) que o estado de São Paulo iniciou a descida do platô no número de casos e mortes de coronavírus. Até então, na avaliação do governo estadual, apenas a capital havia deixado a fase mais severa da pandemia.

"Superamos, ao nosso ver, o pior momento da pandemia em São Paulo. Os números desta semana indicam uma nova redução na média de casos e de óbitos. Isso já havia ocorrido na semana passada e retrasada. Na média móvel de 14 dias, temos uma redução de mais de 20% no registro de óbitos", disse Doria em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

"A perspectiva no atual cenário epidemiológico é que estamos iniciando a descida do platô."

O registro de mortes causadas pela Covid-19 caíram pela terceira semana consecutiva no estado, segundo o governo. Na última semana epidemiológica, a média diária de novos óbitos foi de 205, contra 230 na anterior. Em novos casos, a média diária passou de 7.388 para 7042.

No mesmo período, houve redução no número de internações, que passaram de 1.550 para 1.398. De acordo com o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn, os números caíram em todas as regiões do estado.

"O Estado de São Paulo registrou uma queda no número de casos de 5%, nas internações de 10% e nos óbitos de 11%. Já o município de São Paulo apresentou redução do número de casos de 2%, de internações de 11% e de óbitos de 6%", disse o secretário. "O que nos trouxe bastante felicidade foi o quanto o interior e o litoral que sempre foram nossas óticas de atenção tiveram regressão."

O primeiro caso de Covid no Brasil foi registrado na cidade de São Paulo em 25 de fevereiro, e o estado hoje acumula 784,4 mil casos e 29,4 mil mortes, praticamente 25% do total de óbitos pela doença registrado no Brasil.

Após a doença avançar rapidamente na capital e na região metropolitana, ela ganhou velocidade, nos últimos dois meses, no interior. Hoje, essa porção do estado, que tem 52,6% da população, concentra 49,1% dos casos registrados desde o início — a proporção já foi inferior a 20%.

Quando se fala de óbitos, porém, ela perfaz 36,7% do total, num sinal de que a curva de aprendizado médico com a doença e o manejo dos leitos em UTI tornaram a doença um pouco menos letal nos lugares do que foi nos lugares primeiramente atingidos.

Hoje, nenhuma região do estado regrediu no mapa do Plano São Paulo, que usa uma escala de cinco cores para estabelecer os graus de quarentena. Atualmente, 88% da população está na fase amarela, a terceira dessa gradação, que permite abertura de comércios, bares e restaurantes dentro de protocolos de higiene e horário limitadp.

Permanecem na fase laranja (segunda mais grave) 6 das 22 regiões e subrregiões do estado: Presidente Prudente, Franca, Marília, São José do Rio Preto, São João da Boa Vista e Registro. O estado tem apenas 1 de seus 645 municípios ainda sem registro de coronavírus, Santa Mercedes.

O governo anunciou ainda que acrescentou dois tópicos às regras para que as regiões cheguem à próxima fase, verde. Elas são ter no máximo 40 internações por 100 mil habitantes nos 14 dias anteriores e no máximo cinco óbitos por 100 mil habitantes nesse mesmo período.

Segundo o prefeito Bruno Covas (PSDB), da capital paulista, a cidade espera passar à fase verde emalgum momento entre 20 de setembro e 10 de outubro. Por ora, a volta às aulas presenciais no estado está programada para ocorrer a partir de 7 de outubro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.