Descrição de chapéu Ao Vivo em Casa

Terapeuta transpessoal dá dicas para quem quer começar a meditar na pandemia

Tadashi Kadomoto participou de live da Folha sobre equilíbrio emocional

São Paulo

A meditação é uma técnica que ajuda a diminuir o sofrimento, e basta começar para começar a sentir seus efeitos. É o que diz o terapeuta transpessoal Tadashi Kadomoto, 61, convidado do Ao Vivo em Casa, série de lives da Folha, desta quarta (26).

A mudança forçada de hábitos e o isolamento social durante a pandemia do novo coronavírus aumentou o sofrimento psíquico e a procura por acompanhamento e tratamentos psicológicos.

Kadomoto desafia os interlocutores curiosos pela meditação a sete dias seguidos de prática e dá algumas dicas.

Ao Vivo em Casa, com o terapeuta transpessoal Tadashi Kadomoto
Ao Vivo em Casa, com o terapeuta transpessoal Tadashi Kadomoto - Reprodução

Primeiro, uma técnica de respiração consciente: inspirar profundamente e devagar pelo nariz por três segundos, prender o ar e contar mais três segundos, e finalmente soltar o ar pelo nariz por mais seis. Fazer isso entre dois e cinco minutos é suficiente para ficar mais calmo e concentrado, segundo o terapeuta.

E não precisa, necessariamente, estar num lugar silencioso. “Claro que facilita a meditação um lugar tranquilo, mas nem sempre isso é possível. É preciso achar o espaço de concentração dentro de si”, diz Kadamoto. “Quando você mantém o foco em uma coisa só, você está em estado meditativo."

Kadomoto explica que a terapia transpessoal olha para o ser humano não apenas por um lado de saúde física e psicológica mas também por um lado emocional e espiritual. “Quando você começa o movimento transpessoal, você está reivindicando sua verdadeira identidade”, diz.

O isolamento obrigou muita gente a encarar seus próprios demônios: ansiedade, medo, angústia, raiva, insegurança, entre outros que, antes, ficavam em segundo plano diante de um dia mais cheio e com mais possibilidades de distrações.

“Cansado até eu estou”, diz Kadomoto, que faz sessões de meditação pelo seu perfil no Instagram pontualmente às 6h e às 20h, de domingo a domingo, desde o início da quarentena —são 160 dias diretos de prática virtual coletiva. O número de seguidores de seu perfil mais que dobrou durante a pandemia, estando hoje em 1,3 milhão.

As redes sociais, aliás, pioram a sensação de ansiedade em muitas pessoas, mas é possível diminuir esse efeito. “Se conhecer e separar o que é bom e o que não é para você. Se tudo que você vê pela frente você absorve, a ansiedade piora. O que não for bom, elimine, se afaste daquilo”, sugere o terapeuta.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.