Veja dicas para montar um jardim em qualquer espaço da casa

Bióloga dá sugestões para cultivo em quintais ou dentro de apartamento

São Paulo

Com muitos parques fechados ou funcionando em horários reduzidos durante a pandemia do novo coronavírus, diminuiu o contato dos moradores das cidades com as áreas verdes.

Para reverter essa situação, é possível investir na criação de um jardim em casa, que funciona também como um passatempo para os dias em isolamento.

“Dedicar parte de nossa rotina diária a um jardim, seja ele interno ou externo, grande ou pequeno, é uma prática que certamente contribui para nossa saúde física e emocional”, afirma Sabrina Carmo, bióloga e coordenadora do Jardim Botânico Inhotim.

Conhecido por sua coleção de arte contemporânea, o local também abriga aproximadamente 5.000 espécies botânicas e recebeu em 2010 a chancela de jardim botânico.

Jardim do Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG)
Jardim do Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG) - Rossana Magri/Divulgação

Além dos benefícios psicológicos, as plantas prestam serviços ambientais para a residência, já que purificam o ar, reduzem a poluição sonora e umidificam o ambiente. Para os que optam por cultivar uma horta, também garantem alimentos frescos.

Antes de começar o cultivo, é importante avaliar o espaço disponível e as condições de luz natural, umidade e circulação de ar. “Pode ser um cantinho livre dentro da sala ou próximo da escada, uma sacada, uma parede ou onde mais houver possibilidade”, lembra Sabrina.

Vale investir também em um kit básico de ferramentas de jardinagem, como regador, tesoura de poda, pás e luvas. Vasos, pedras, substratos e adubos também serão necessários e devem ser escolhidos conforme as necessidades das plantas cultivadas.

Confira as dicas para cultivar plantas em ambientes internos e externos, além dos cuidados para mantê-las saudáveis e bonitas.

Jardim interno

Escolha espécies que combinem com as condições disponíveis. “Se a ideia é um jardim-horta e você tem luminosidade suficiente para isso, uma boa dica é começar por temperos como hortelã, salsinha, orégano, cebolinha, manjericão, alecrim e coentro”, diz a bióloga.

Na ausência de luz o dia todo, invista em plantas de sombra e meia-sombra. Samambaias, antúrios, filodendros, orquídeas e bromélias são algumas candidatas.

Na hora de escolher o lugar e os vasos para cada planta procure criar uma composição estética, sem esquecer que elas devem passar por mudanças, como crescimento e floração. “Pense em como criar contraste de cores, texturas, volumes e formas e brinque com essas características”, sugere.

Jardim externo

Comece avaliando as condições de luminosidade, precipitação, solo, vento, temperatura, declividade e dimensões. “Uma boa estratégia é dar preferência às espécies nativas, que ocorrem naturalmente na sua região. Dessa forma, você estará escolhendo plantas que já vivem bem nessas condições e ainda atrai a fauna local”, afirma Sabrina.

Como inspiração, é possível pesquisar diferentes escolas de paisagismo (jardins franceses, ingleses, japoneses, etc.) antes de criar uma composição estética.

Uma possibilidade é criar um centro de interesse no jardim, usando as formas, cores e texturas das plantas para criar simetrias e contrastes.

Largo das Orquídeas do Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG)
Largo das Orquídeas do Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG) - Laura Las Casas/Divulgação

Cuidados gerais

Antes de plantar, veja o que cada espécie necessita em termos de rega, iluminação e adubação. Observar seu comportamento ajuda a identificar eventuais carências —por exemplo, plantas que murcham sem água ou que se inclinam buscando a luz do sol.

Em ambientes internos, é preciso atenção quanto à drenagem dos vasos, já que a evaporação da água é mais lenta. Procure fazer a rega nos horários menos quentes, como no início da manhã ou no final da tarde. A adubação regular, de preferência com adubos naturais, favorece o crescimento e a floração.

Sabrina indica ainda a realização de podas regulares e a inspeção de caules e folhas para monitorar doenças e pragas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.