Descrição de chapéu Coronavírus Ao Vivo em Casa

Live da Folha discute impactos da pandemia do novo coronavírus na saúde dos idosos

Flávia Garcez, geriatra do Hospital Sírio-Libanês e pesquisadora do envelhecimento no Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo, será a entrevistada

São Paulo

Os impactos da pandemia do novo coronavírus na vida e na saúde dos idosos é o temo do Ao Vivo em Casa, série de lives da Folha, nesta quarta-feira (9). A partir das 17h, o jornalista Emilio Sant'Anna entrevista Flávia Garcez, geriatra do Hospital Sírio-Libanês e pesquisadora do envelhecimento no Hospital das Clínicas (HC), em São Paulo.

Dos efeitos do isolamento na saúde mental aos efeitos no organismo, Flávia explicará os efeitos da pandemia nos idosos. Enquanto o mundo espera pela chegada de uma vacina eficaz contra o vírus, a atenção com a população mais velha deve ser redobrada.

Nesta terça-feira (8), o estudo da vacina da Universidade Oxford contra a Covid-19, no qual o Brasil participa através de parceria com a Fiocruz, foi pausado, segundo informações que a Stat, veículo especializado em saúde e tecnologia, recebeu da própria AstraZeneca. A informação foi posteriormente confirmada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Imagem para Ao vivo Em casa com Flávia Garcez, geriatra Sírio Libanês,  pesquisadora do envelhecimento no Hospital das Clínicas
Flávia Garcez, geriatra do Sírio-Libanês e pesquisadora do envelhecimento no Hospital das Clínicas - Núcleo de Imagem

Segundo o comunicado da farmacêutica, os testes da imunização foram paralisados para verificação de dados sobre segurança da vacina.

"Esse é um processo de rotina que precisa acontecer conforme sejam detectados potenciais problemas em um dos braços de teste", afirma a AstraZeneca.

A Anvisa afirma que a decisão de pausar os estudos veio do laboratório, que em seguida, comunicou os países participantes. A agência aguarda mais informações para se pronunciar oficialmente.

A farmacêutica diz ainda que, em estudos com participação de muitas pessoas, como é o caso da fase três da vacina em questão, problemas de saúde ocorrerão aleatoriamente, mas tais casos precisam ser analisados por uma equipe independente.

O Brasil registrou 516 mortes pela Covid-19 e 17.526 casos da doença, nesta terça (8). Com isso, o país chega a 127.517 mil óbitos pelo novo coronavírus e 4.165.124 infecções desde o início da pandemia.

Além dos dados diários do consórcio, a Folha também mostra a chamada média móvel. O recurso estatístico busca dar uma visão melhor da evolução da doença, pois atenua números isolados que fujam do padrão. A média móvel é calculada somando o resultado dos últimos sete dias, dividindo por sete.

De acordo com os dados coletados até as 20h, a média de mortes nos últimos sete dias é de 691, o que mantém uma posição de estabilidade nos dados, embora com números elevados.

Os dados são fruto de colaboração inédita entre Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são coletadas diretamente com as Secretarias de Saúde estaduais. O balanço é fechado diariamente às 20h.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorre em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.