Descrição de chapéu Coronavírus

Cidade de SP chega a 18 semanas com queda de mortes por Covid-19, diz Bruno Covas

Registros de novos casos no estado todo caíram 20% na última semana, segundo números da secretaria da Saúde

São Paulo

A cidade de São Paulo completou 18 semanas com redução no número de mortes causadas pela Covid-19, afirmou o prefeito Bruno Covas (PSDB) durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (2).

De acordo com Covas, a cidade caminha para a fase verde do Plano SP, elaborado pelo governo do estado para a reabertura. “As curvas de casos e óbitos mostram que continuamos a regredir [os números], apesar do processo de flexibilização. A maioria da população continua a respeitar os protocolos sanitários”, disse.

Na fase verde, comércio, academias de ginástica e salões de beleza podem funcionar sem limitação de horário, ainda que com público reduzido a 60% da capacidade total. Protocolos sanitários seguem obrigatórios.

Nas últimas semanas, as mortes registradas por dia ficaram abaixo de 40 ocorrências, patamar semelhante ao do mês de março. No momento mais crítico da pandemia na cidade, entre maio e junho, a cidade chegou a ter mais de 100 mortes diariamente.

Em todo o Estado de São Paulo a ocupação de leitos de UTI segue em queda. Segundo o secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, 44% dos leitos no estado estão ocupados —na rande São Paulo, a taxa é de 42,6%.

De acordo com o secretário, na última semana houve queda de 6% nas mortes e de 20% nos novos casos da doença em relação à semana anterior.

O governador João Doria (PSDB) anunciou ainda que os primeiros documentos que vão possibilitar o registro da vacina CoronaVac na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) já começaram a ser enviados para a instituição por meio de um novo processo criado para agilizar a obtenção do registro de uma vacina contra o novo coronavírus.

O novo processo de submissão contínua para pedido de registro da vacina permite o envio e a análise dos documentos tão logo estejam disponíveis, até que o pedido formal seja feito.

A CoronaVac é desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac e testada no Brasil pelo Instituto Butantan, que tem um acordo com a empresa para produzir e distribuir a imunização no país.

Na quinta-feira (1º), a Anvisa já havia iniciado a análise parcial dos dados do teste clínico com a vacina britânica, que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a biofarmacêutica AstraZeneca. O governo federal tem um acordo com as instituições para testar e produzir a vacina com a estrutura da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), do Rio.

Em entrevista coletiva na quarta-feira (30), Doria disse que pretende iniciar a vacinação dos grupos prioritários em dezembro deste ano. A corrida pela imunização preocupa cientistas, que afirmam que uma vacina distribuída a população sem ter resutados robustos de testes clínicos pode não fornecer a proteção necessária contra a doença e ainda gerar uma sensação de falsa segurança.

A CoronaVac tem o aval da Anvisa para ser testada em 13 mil pessoas no país. Doria anunciou que os resultados preliminares da última fase de testes clínicos devem estar disponíveis ainda em outubro.

Segundo Gorinchteyn, os critérios técnicos sobre quais devem ser os grupos prioritários da vacina serão definidos pelo Instituto Butantan e pelo Ministério da Saúde após a divulgação dos resultados dos estudos. Profissionais da saúde e pessoas mais suscetíveis a desenvolver a forma grave da Covid-19 devem integrar o grupo.

Dimas Covas, diretor do Instituo Butantan, lembrou que os problemas de logística devem ser levados em consideração em um futuro plano de vacinação. "Para que a vacina atenda o país, tem que ter uma logística que preveja a chegada da imunização nas pontas. Ela precisa ser transportada de forma adequada", afirmou.

De acordo com o diretor do Butantan, a CoronaVac pode ser transportada em temperatura de geladeira (de 2ºC a 8ºC), o que facilita sua distribuição pela rede. Mas há outras imunizações em teste no país que dependem de temperaturas mais baixas. "O SUS e a rede de logística não estão preparados para transportar uma vacina que precise de temperaturas abaixo de -20ºC", concluiu.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.