É enganoso dizer que expor a população ao vírus é melhor para acabar com pandemia do que vacinação

Em posts, deputado Osmar Terra (MDB) desconsidera que imunidade de rebanho prevê utilização de imunizante

São Paulo

São enganosos os tuítes do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) afirmando que as pandemias acabam por meio da disseminação da doença, não com vacinas. Ele declara, entre outros pontos, que “não há registro histórico de pandemia de um novo vírus que termina com vacina! Isso só acontece com a imunidade de rebanho”. Diferentemente do que o deputado escreve nos posts verificados pelo Comprova, o uso da estratégia de imunidade de rebanho prevê a vacinação da população, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). A imunidade provocada pela própria doença como método para conter o novo coronavírus não é endossado pelos cientistas ouvidos pelo Comprova porque poderia aumentar substancialmente o número de mortes pela Covid-19, entre outros motivos.

Cristina Bonorino, professora titular da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre e membro do comitê científico da Sociedade Brasileira de Imunologia, lembra que a varíola, pandemia que durou milhares de anos, só acabou com a vacinação massiva. De acordo com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), “a doença foi erradicada graças a um esforço global de dez anos, liderado pela Organização Mundial da Saúde, que envolveu milhares de profissionais de saúde em todo o mundo para administrar meio bilhão de vacinas para eliminar a varíola”.

Outro ponto que vai na contramão do que escreve o deputado é que, em alguns casos, a imunidade de quem foi infectado pelo novo coronavírus é temporária.

O Comprova tentou contatar o deputado via Twitter, e-mail e telefone da Câmara, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Casos de reinfecção

A versão que defende a imunidade de rebanho com a disseminação do vírus na população sem vacina (usada pelo deputado nos posts) desconsidera que os estudos científicos ainda não esclareceram se uma infecção pelo novo coronavírus garante uma imunidade duradoura.

Conforme já verificou o Comprova, apesar de ainda haver dúvidas sobre a imunidade trazida pela doença, a resposta imune induzida pela vacina é diferente da que é conferida pela própria infecção, sobretudo em relação à eficácia e à longevidade. Enquanto um vírus —como o Sars-CoV-2— dispõe de várias proteínas que enganam o sistema imunológico do organismo, a vacina não carrega esse componente.

Pandemia na Suécia

No post, Terra também engana ao afirmar que a Suécia usou a estratégia da imunidade de rebanho e que, por isso, a pandemia terminou por lá.

Pessoas caminham em rua movimentada; em destaque no centro da foto há uma lata de lixo com um aviso para as pessoas manterem distância
Aviso na cidade sueca de Uppsala pede respeito às medidas de distanciamento - Claudio Brescian - 21.out.20/TT News Agency/Reuters

No início da pandemia, a Suécia se destacou por não impor o isolamento para toda a população, diferentemente de outros países europeus. As autoridades de saúde pública optaram por recomendar distanciamento físico, uso de máscaras e higiene das mãos. Em um comunicado de junho, a Agência Sueca de Saúde Pública afirmou que 80% da população havia se adaptado às medidas, “tanto em ambientes internos como externos” e que o trabalho do órgão era baseado na “forte tradição de voluntariado com ênfase na responsabilidade individual”.

Mas, embora não tenha fechado as portas do comércio, o país não adotou a estratégia da imunidade de rebanho, como afirmou Terra. O epidemiologista-chefe da Suécia, Anders Tegnell, afirmou à revista britânica New Statesman que é incorreto afirmar isso. “Em comum com outros países, estamos tentando retardar a propagação (do vírus) o máximo possível. Insinuar que deixamos a doença correr livre sem quaisquer medidas para tentar impedi-la não é verdade.”

Em maio, a Suécia foi, inclusive, citada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como exemplo a ser seguido, mas Tegnell disse à BBC que a estratégia não servia para o Brasil porque cada país deve considerar as circunstâncias locais.

Desde o início da pandemia, a Suécia teve 108.969 casos de pessoas infectadas e 5.930 mortes até 22 de outubro, segundo a Universidade Johns Hopkins. De acordo com a Folha, os números de casos e mortes se mostraram equivalentes aos de alguns países que impuseram quarentenas, como França e Reino Unido. Mas, quando comparada aos países nórdicos, dos quais faz parte, ela se sobressai negativamente, com média de 1.098 mortos por milhão de habitantes –enquanto os outros países têm suas taxas de mortes por milhão abaixo de 120.

Em meados de outubro, o país, novamente, foi na contramão de vários países europeus e afrouxou as medidas de isolamento ao anunciar que idosos com mais de 70 anos podem sair de casa, para evitar problemas de saúde mental. Contudo, o órgão de saúde não adotou a estratégia da “imunidade de rebanho”.

Verificação

Nesta terceira fase, o Comprova verifica conteúdos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia. Em um ano eleitoral em que as disputas políticas estão acirradas, a Covid-19 virou tema de debates em todos os campos e a desinformação que circula nas redes sociais pode custar vidas.

Os posts de Osmar Terra que enganam o leitor ao afirmar que a vacina não será eficaz para o fim da pandemia, tiveram cerca de 5,1 mil retuítes e quase 18 mil curtidas até 28 de outubro.

Enganoso, para o Comprova, é todo o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro com o propósito de mudar o seu significado. É o caso da publicação de Osmar Terra, que usa números reais para chegar a uma conclusão que não é verdadeira.

O Comprova fez esta verificação baseado em dados oficiais sobre o novo coronavírus disponíveis no dia 28 de outubro de 2020.

A investigação desse conteúdo foi feita por Folha, Poder 360, Niara e Mural e publicada na quinta-feira (28) pelo Projeto Comprova, coalizão que reúne 28 veículos na checagem de conteúdos sobre coronavírus e políticas públicas. Foi verificada por UOL, Jornal do Commércio, Correio, Estadão e NSC.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.