Descrição de chapéu Coronavírus

Veja quais países já começaram a vacinação contra a Covid-19

Plano brasileiro não tem data e previsão de início já sofreu pelo menos quatro mudanças

São Paulo

Com a obtenção de registro e aprovação da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, diversos países do mundo iniciaram, na última semana, a vacinação contra Covid-19.

A primeira nação a aprovar o imunizante e começar a vacinação foi o Reino Unido, no dia 8 de dezembro. Até o momento, mais de 2,8 milhões de pessoas já receberam a primeira dose da vacina no território britânico.

O segundo país a iniciar a vacinação, também com a da Pfizer, foi os Estados Unidos, que contabiliza o maior número de óbitos por Covid-19 no mundo, com quase 335 mil mortes. No país, a vacinação começou no dia 14 de dezembro, e já foram vacinadas mais de 9 milhões de pessoas.

Os EUA firmaram diversos acordos para compra de 800 milhões de doses de pelo menos seis fabricantes, o equivalente a 2,5 doses por pessoa. A expectativa era de vacinar pelo menos 20 milhões de americanos até o final de 2020 —ou cerca de 5% da população—, mas o governo norte-americano enfrentou problemas e conseguiu a entrega, até o momento, de 15,7 milhões de doses.

Embora ainda não tenham começado seus programas de imunização, o Japão, a Austrália e a Nova Zelândia já reservaram sua cota de doses e devem iniciar a vacinação em janeiro. Juntamente com o Canadá, Japão e Austrália fizeram acordos de 1,03 bilhão de doses, ou cerca de 20% de todo o total prometido para 2021, embora os três países somados representem menos de 1% do total de casos de Covid-19 no mundo.

O Canadá também já registrou a vacina da Pfizer e iniciou a vacinação no dia 11 de dezembro. Como o país com mais reservas de doses per capita do mundo —5 doses para cada habitante—, até o dia 6 de janeiro, mais de 380 mil doses já foram aplicadas na população.

A União Europeia (UE) começou a vacinação conjunta nos 27 países membros do bloco no último dia 27, embora alguns países, como Hungria, Alemanha e Eslováquia, tenham furado a fila e iniciado um dia antes, no dia 26 de dezembro.

A UE, no entanto, vem enfrentando dificuldades em seu plano de vacinação em massa, e decidiu, na última terça-feira (29), fazer uma compra adicional de 100 milhões de doses da vacina da Pfizer, chegando assim a 300 mi de doses da fabricante.

Atrasos na entrega e problemas de logística também foram reportados, e os países do bloco podem não conseguir vacinar toda a sua população antes do segundo semestre de 2021.

Na América Latina, a Costa Rica, o México e o Chile iniciaram suas campanhas de vacinação no último dia 24 de dezembro. México, Chile e Costa Rica já aplicaram 92.879, 10.699 e 9.751 doses da vacina da Pfizer, respectivamente.

Além destes países, Peru e Equador também firmaram acordos com a fabricante norte-americana para compra da vacina, totalizando cerca de 60 milhões de doses para os cinco países.

No Brasil, o plano do governo federal, lançado no meio de dezembro, já sofreu pelo menos quatro mudanças quanto à data de início: dezembro, janeiro, fevereiro e março foram sugeridos como meses de início da vacinação.

Profissional da saúde recebe vacina da Pfizer/BioNTech em Frankfurt, na Alemanha
Profissional da saúde recebe vacina da Pfizer/BioNTech em Frankfurt, na Alemanha - Andreas Arnold - 27.dez.20/AFP

O país possui acordo para, até o momento, 142,9 milhões de doses, sendo 100,4 milhões pelo acordo com a Universidade de Oxford/AstraZeneca e mais 42,5 milhões pelo Covax Facility. Mais 160 milhões de doses devem ser produzidas pela Fiocruz no segundo semestre de 2021.

O país negocia com a Pfizer/BioNTech a compr a de mais 70 milhões de doses, mas a farmacêutica tem previsão de entrega de no máximo 8,5 milhões de doses ainda em 2021. O governo afirmou que deve incluir outros laboratórios nos acordos, entre eles a fabricante Sinovac, que desenvolve vacina em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo, a Sputnik V, do governo russo, a empresa de biotecnologia indiana Bharat Biotech, e a Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Até o momento, a previsão para chegada das primeiras doses da vacina da Oxford é dia 8 de fevereiro, equivalente a 1 milhão de doses. O governo de São Paulo pretende iniciar a vacinação no dia 25 de janeiro, com as 10 milhões de doses já em território brasileiro da Coronavac, a vacina da Sinovac. A Fiocruz agora espera conseguir importar 2 milhões de doses da vacina da Oxford/AstraZeneca, produzidas em parceria com o Serum Institute, na Índia, para até o dia 20 de janeiro.

No último domingo (3), representantes da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVac) disseram estar em negociação com a Bharat Biotech para a compra de 5 milhões de doses da vacina indiana Covaxin.

O anúncio iniciou um debate sobre o papel das clínicas de vacinação particulares no programa de vacinação nacional, em um momento em que o governo corre para conseguir trazer doses ao país.

A Argentina recebeu na última quinta-feira (24) um carregamento com 300 mil doses da Sputnik V, e já começou na última terça (29) a vacinar, primeiro, os profissionais de saúde do país. Os governos de Paraná e Bahia também fecharam acordos para a aquisição de 50 milhões de doses da vacina russa.

No Oriente Médio, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Israel iniciaram a vacinação nos dias 9 e 20 de dezembro, respectivamente. Já foram aplicadas 178.337 doses da vacina na Arábia Saudita.

Nos Emirados Árabes Unidos, foram vacinadas mais de 1 milhão de pessoas com a vacina da estatal chinesa Sinopharm.

Israel avançou rapidamente na corrida de número relativo de doses per capita, com 22,34 doses aplicadas por 100 habitantes, muito à frente do Reino Unido (4,19) e Estados Unidos (2,82).

O diminuto Bahrein, localizado no Golfo Pérsico, ocupa a terceira posição na taxa de doses aplicadas por 100 habitantes no mundo, com 5,75 doses por 100 habitantes, um total de 97.776 doses já administradas.

China e Rússia, que autorizaram suas vacinas para uso emergencial em julho e em agosto, vacinaram 10 milhões e 800 mil pessoas, respectivamente.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.