Descrição de chapéu Coronavírus

Governo coloca quatro regiões na fase laranja e muda critérios do Plano SP

Regras para chegar à fase verde estão mais duras, mas comércio está liberado na fase laranja

São Paulo

O Centro de Contingência do Coronavírus alterou os parâmetros do Plano São Paulo, dificultando a migração das 17 áreas do estado para fase verde. A nova classificação ainda amplia o funcionamento de comércios e serviços na fase laranja (a segunda mais restritiva), mas obriga o fechamento dos estabelecimentos às 20h como forma de limitar as atividades noturnas.

A mudança, segundo representantes do centro, visa atualizar o plano de contenção da Covid-19 de acordo com o estágio atual da pandemia. Assim, para migrar para a fase verde, a região terá de alcançar médias de 30 internações por 100 mil habitantes e três óbitos a cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

Antes, as médias estabelecidas eram de 40 internações por 100 mil habitantes e cinco óbitos a cada 100 mil habitantes no intervalo de duas semanas.

Também ficará mais difícil sair da fase laranja. Antes, era necessário ter taxa de ocupação abaixo de 75% para seguir ao faseamento amarelo. Na nova versão, esse índice terá de ficar abaixo de 70%.

Em contrapartida, a fase laranja terá atividade permitida para mais setores de comércio e serviços. Os estebelcimentos poderão funcionar com 40% da capacidade, por até oito horas por dia, com restrição ao atendimento presencial às 20h. Bares não poderão fazer atendimento presencial nesta fase.

Parques estaduais ficam abertos e eventos com público sentado e entrada controlada, como cinemas, estão liberados. ​

Para João Gabbardo, secretário-executivo do centro de contingência, a mudança nos parâmetros dos critérios, que agora também leva em conta o número de óbitos, casos e internações por 100 mil habitantes —além da ocupação da rede hospitalar— consegue avaliar a velocidade com que a doença evolui em cada região e como isso afeta essas localidades.

"Quando a gente só analisa a variação [dos dados], a gente corre o risco de alguém ter uma variação negativa, mas ainda assim estar em uma taxa alta de contaminação ou mortes", diz.

Com base na nova classificação, as regiões de Marília, Socorro e Registro regridem da fase amarela para a fase laranja. Já a região de Presidente Prudente, que desde 22 de dezembro estava na fase vermelha, progride para a laranja. Para minimizar a ocupação de leitos nestas regiões, o estado anunciou a contratação de vagas em UTI e enfermarias.

Com a recalibragem do Plano São Paulo desta sexta, 90% da população do estado segue na fase amarela e 10% passará para a laranja.

Segundo a secretária estadual de Desenvolvimento, Patrícia Ellen, a liberação das atividades na fase laranja e amarela é um voto de confiança para os setores que cumpriram os protocolos e não podem ser penalizados com o endurecimento das medidas em razão do aumento de casos.

O estado teve uma alta de 30% na média diária de casos dos últimos 14 dias, chegando a 9.441 registros nesta semana. Já a média diária de mortes teve uma alta de 34%, chegando a 192 vítimas fatais da Covid-19. Segundo o secretário de estado da Saúde, Jean Gorinchteyn, a alta dos óbitos pode ter sido impactada pelo represamento de dados em razão dos feriados de Natal e Ano-Novo.

A avaliação de quais estebelecimentos poderiam ser abertos também mirou o lazer noturno, limitando o funcionamento dos estabelecimentos após as 22h na fase amarela, e após as 20h na laranja.

"Aprendemos que o problema não são os ambientes controlados. O aumento da transmissão ocorre nos bares, no lazer noturno, nas atividades que ocorrem à noite, nas baladas, festas e comemorações. É nesse ponto que o plano mudou consideravelmente", explicou Gabbardo.

As medidas começam a valer na próxima segunda-feira (11). Uma nova reclassificação do Plano São Paulo está programada para 5 de fevereiro.

Desde 30 de novembro, um dia após o segundo turno das eleições municipais, o estado havia sido reclassificado para a fase amarela do Plano São Paulo, em que a ocupação dos estabelecimentos fica limitada a 40%; o funcionamento volta a ser de dez horas por dia, com limite de horário até as 22h; e eventos com público em pé ficam proibidos.

Com aumento dos casos de Covid, o Centro de Contingenciamento do Coronavírus determinou que a partir de 12 de dezembro bares só poderiam funcionar até as 20h e resturantes até as 22h, mas a venda de bebidas teria de encerrar às 20h também. A medida é válida por 30 dias.

Dois dias depois, a Justiça liberou a venda de bebidas apenas em resturantes até as 22h.

O estado ainda havia regredido à fase vermelha, a mais restritiva, entre os dias 25 e 27 de dezembro (Natal) e de 1 a 3 de janeiro (Ano-Novo). A mudança de fase foi imposta pelo governo Doria pelo temor de um descontrole da pandemia após as festas de fim de ano, já nas semanas anteriores São Paulo havia registrado crescimento de 54% no número de casos e de 34% no número de óbitos.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.