Descrição de chapéu Coronavírus

Bolsonaro ironiza ida de Bruno Covas ao Maracanã em meio à pandemia de Covid-19

Apesar das restrições na capital paulista, prefeito foi a estádio acompanhar final da Libertadores

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ironizou nesta segunda-feira (1º) a presença do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), no Maracanã em meio à pandemia de Covid-19.

Apesar das restrições na capital paulista, Covas foi ao estádio no Rio para acompanhar o jogo entre Palmeiras e Santos, no sábado (30), pela final da Copa Libertadores da América.

"Fique em casa para uns, para outros é Miami e Maracanã", disse Bolsonaro fazendo referência também ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que, em dezembro do ano passado, foi a Miami logo após endurecer medidas restritivas no estado.

Bruno Covas, prefeito de São Paulo, assiste ao jogo entre Palmeiras e Santos, no Maracanã
Bruno Covas, prefeito de São Paulo, assiste ao jogo entre Palmeiras e Santos pela final da Libertadores, no Maracanã - Arquivo pessoal

"Cada vez mais se comprova que a política do 'fique em casa' destrói a economia, inunda o Brasil de desempregados, vem inflação, aumento de preço, e não pode continuar culpando o presidente por esta política porque ela não é minha. O 'fique em casa' nunca foi e nunca será política minha", disse Bolsonaro a apoiadores no Palácio da Alvorada.

A declaração foi transmitida por um canal simpático ao presidente na internet.

No domingo (31), Covas rebateu as críticas que recebeu por, de licença médica, ter ido ao Rio de Janeiro assistir à final. Santista, o tucano assistiu seu time ser derrotado no Maracanã por 1 a 0 pelo rival Palmeiras.

Ele chamou as críticas de "lacração da internet" e "hipocrisia generalizada". O prefeito trata um câncer na cárdia, localizado na transição entre o estômago e o esôfago, e se afastou da prefeitura em 19 de janeiro. Ele deve retomar a função nesta segunda.

O prefeito foi criticado por deixar a cidade em um momento de alta nos números de novos casos e novas mortes pela Covid-19. O jogo no Rio teve a maior aglomeração vista em um evento de futebol profissional no país desde que as torcidas foram vetadas nos estádios.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.