Descrição de chapéu Coronavírus

Enfermeira empurra maca em trecho de terra da Transmazônica após bloqueio de caminhões

Ambulância com paciente com Covid-19 não conseguiu furar bloqueio no oeste do Pará

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Manoel Cardoso
Santarém (PA)

Uma enfermeira precisou empurrar uma maca com uma paciente pela estrada de terra em trecho da rodovia Transmazônica, no Pará, por causa de um bloqueio de caminhões na via nesta sexta-feira (12). O caso aconteceu entre o km 30 e o distrito de Miritituba, em Itaituba, oeste do estado.

Dois caminhoneiros bloquearam o trecho, como forma de protesto por acidentes no trecho. Segundo uma funcionária do Hospital Municipal de Rurópolis, uma ambulância transferia a paciente para o Hospital Regional do Tapajós, em Itaituba, quando as duas carretas bloquearam a rodovia, impedindo a passagem do veículo.

Sem negociação com os caminhoneiros, uma enfermeira e o motorista da ambulância empurraram a maca com a paciente por cerca de dois quilômetros em trecho de terra até conseguir alcançar outro veículo para chegar ao porto de Miritituba.

No porto, uma ambulância socorreu a paciente, ainda na balsa que faz a travessia para Itaituba. A paciente foi internada e, segundo os profissionais de saúde, está estável.

Uma enfermeira com roupas brancas empurra maca em estrada de terra
Enfermeira empurrando a maca com um paciente com Covid-19 por causa de bloqueio a carros durante protesto na rodovia Transamazônica, no Pará, nesta sexta-feira (12) - Arquivo pessoal

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Itaituba confirmou que a equipe de profissionais de saúde foi impedida de passar na ambulância, que lamenta o episódio e que se solidariza com a equipe pelo ocorrido.

Segundo a Prefeitura de Rurópolis, a cidade está com 2.570 casos confirmados de Covid-19 e 31 mortes. Alguns dos casos mais graves do município foram levados para cidades vizinhas e para Belém.

Em Itaituba, são 8.049 casos positivos da Covid-19, com 150 mortos desde o início da pandemia.

Até a última semana, a capital, Belém, estava com 56% dos leitos de UTI só para casos grave de Covid-19 ocupados.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.