Descrição de chapéu Coronavírus

Estudo indica que vacina da AstraZeneca é eficaz contra a variante de Manaus, diz fonte

Dados preliminares do estudo indicam, até o momento, que não será necessário fazer adaptações à vacina

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rodrigo Viga Gaier
Rio de Janeiro | Reuters

Dados preliminares de um estudo feito pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca indicam que a vacina contra Covid-19 desenvolvida pela farmacêutica com a universidade britânica induz resposta adequada contra a variante de Manaus do coronavírus, disse à Reuters nesta sexta-feira uma fonte com conhecimento sobre o assunto.

De acordo com essa fonte, os dados preliminares do estudo, feito após envio de amostras pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), indicam, até o momento, que não será necessário fazer adaptações à vacina para que ela proteja contra a variante de Manaus, conhecida como P.1 e que tem se mostrado mais transmissível que cepas anteriores do coronavírus.

"Os resultados preliminares são bem adequados para P.1. Indicativo de que não necessita (de adaptação)", disse a fonte, que pediu para falar sob anonimato e acrescentou que os resultados definitivos do estudo devem sair "muito em breve", possivelmente ainda no mês de março.

A variante do coronavírus originada em Manaus vem sendo apontada como um dos fatores que levaram ao recrudescimento da pandemia de Covid-19 no Brasil. Mas, segundo especialistas, o descontrole e o descumprimento do distanciamento e das demais medidas permitiram que a variante aparecesse, e não o contrário. A doença já matou mais de 260 mil pessoas no país.

A Fiocruz firmou parceria com a AstraZeneca para o envase e futura produção integral da vacina contra Covid-19 no Brasil. Até o momento, 4 milhões de doses da vacina importadas prontas da Índia estão sendo aplicadas no Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde.

A expectativa da Fiocruz é que as primeiras doses da vacina envasadas no Brasil sejam entregues ao Ministério da Saúde a partir de meados deste mês.

Procurada, a Fiocruz informou que não tem informações no momento sobre o estudo, que é liderado pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford. A AstraZeneca e a Universidade de Oxford não responderam de imediato a um pedido de comentário.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.