Descrição de chapéu maternidade

Violência obstétrica atinge quase metade das mães no SUS, mas é normalizada

Pouco registrados, maus-tratos aumentam risco de depressão pós-parto; medo pode levar a mais cesáreas sem indicação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

Quase metade das mulheres brasileiras que têm seus filhos pelo sistema público de saúde são alvos de um tipo de agressão invisibilizada, a violência obstétrica. Apesar disso, essa violência não tem tipificação penal, não é reconhecida pelo Ministério da Saúde e segue sendo vista como um aspecto cultural do parto, com baixo índice de denúncias. Além disso, não há serviços de saúde específicos para vítimas.

De acordo com a pesquisa Nascer no Brasil, 45% das gestantes atendidas pelo SUS no parto são vítimas de maus-tratos. No total, 36% das mães passam por tratamento inadequado. E, apesar de todas as pessoas gestantes (incluindo homens transexuais) estarem sujeitas a maus-tratos, há um grupo de risco. São as negras, pobres, grávidas do primeiro filho, jovens e em trabalho de parto prolongado.

O estudo, que entrevistou quase 24 mil mães entre 2011 e 2012 e é a maior pesquisa sobre nascimentos já feita no país, considerou como violência obstétrica agressões verbais e psicológicas, tratamento desrespeitoso, falta de respeito durante exames e de transparência de informação, impossibilidade de fazer perguntas e de participar das decisões.

Tatiana Leite, doutora em saúde coletiva e pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública, diz que a prevalência real pode ser maior. “Quando a pergunta é só se a mulher sofreu violência, ela diz que não. Mas se é: ‘Te amarraram? Te mandaram calar a boca?’, ela diz que sim.”

Um computador aberto sobre uma mesa de madeira, na tela aparece uma mulher de cabelos pretos na altura do ombro, segurando uma bebê
Flávia Chaparro, 22, relata ter sido vítima de violência obstétrica durante o parto de sua primeira filha, Flora - Gabriel Cabral/Folhapress

Isso acontece porque há uma percepção de que um certo nível de maus-tratos é normal no atendimento. Isso leva a uma cascata de problemas. O primeiro é que o não reconhecimento da violência faz com que poucas vítimas procurem ajuda.

Quando o fazem, diz a defensora Thais Sagin, do Mato Grosso do Sul, geralmente é em casos associados a erros médicos. Como o de Flávia Chaparro, 22, que, dias depois de parir Flora, encontrou dentro da vagina um bolo de gaze.

Ela conta que, além do erro, sofreu violência psicológica. “Não me corta! Não me corta!’”, ela implorou, aos gritos, para que o médico não fizesse uma incisão em seu períneo, a episiotomia. Ele teria insistido e as enfermeiras a mandado ficar quieta. “Só que depois do parto ele ficou dizendo que minha vagina estava horrível porque eu não tinha deixado ele fazer o corte’”, relata.

A episiotomia é usada em 56% dos partos no Brasil, e a recomendação da OMS é que o índice fique entre 10% e 30% dos partos.

Em uma diretriz de 2018, a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) indica que os médicos procurem não fazê-la como primeira opção e sem o aval da parturiente.

O padrão se repete Brasil afora, e, sem legislação nacional, os casos ficam sujeitos a interpretação do Judiciário. “Quando há uma lesão na criança ou na mãe, o Judiciário atua para promover uma reparação. Mas quando é uma mulher cujo acompanhante foi proibido de entrar, aí o sistema não enxerga como violação”, diz a defensora Paula Sant’anna, de São Paulo.

A Folha solicitou dados a defensorias públicas do país, e só quatro os forneceram. A maior parte informou não conseguiu localizar essa violência. No Amazonas, foram 60 casos. Na Bahia, apenas 12 casos entre 2018 e 2020, em Salvador, o que a defensoria classificou como “clara subnotificação”. No Rio Grande do Norte, são cinco em 2021. No Tocantins, foram 70 atendimentos entre 2020 e 2021—70% sobre o direito a acompanhante, uma das poucas regras normatizadas por lei federal.

O medo do parto normal violento pode agravar outro problema. O número de nascimentos via cesárea, no Brasil, é de 55%, segundo o Ministério da Saúde. A recomendação da OMS é fique em torno de 15%.

Com o cenário exposto pelos dados, não é surpreendente que se encontre, em grupos de grávidas e mães no Facebook, mulheres aconselhando a cirurgia a outras e dizendo terem medo de serem forçadas ao parto vaginal.

“A vivência que muitas mulheres já tiveram ou que suas mães ou amigas tiveram faz com que a cesárea seja vista como uma opção mais segura”, diz Raquel Marques, diretora da ONG Artemis, focada em violência obstétrica.

Porém, ela não é garantia de respeito. Grávida de Vinícius, hoje com 7 anos, Juliana Estevam, 33, foi para uma cesárea de emergência e o pai da criança foi impedido de acompanhá-la. Insistiram e ela ouviu da médica: “Se ele quer tanto ver o filho dele ser entubado, deixa entrar”.

Os efeitos não terminam no parto ou em sequelas físicas. Estudos feitos por Leite mostram que as vítimas têm mais chance de desenvolverem depressão pós-parto e de evitarem consultas médicas importantes.

A atualização das equipes de saúde e mudança no ensino é preconizada como uma forma de diminuir o uso de procedimentos ultrapassados, como a manobra de Kristeller (utilizada em 37% das parturientes, segundo a Nascer no Brasil), em que um profissional sobe na barriga da mulher e a empurra, sejam abandonados nos hospitais.

“As mulheres são entendidas como uma vagina, como um útero, da faculdade até a prática corriqueira”, diz Valdecyr Herdy Alves, coordenador da comissão de saúde da mulher do Cofen (Conselho Federal de Enfermagem) e professor da UFF (Universidade Federal Fluminense).

Mas a própria terminologia da violência obstétrica é alvo de debate. Em 2019, o Ministério da Saúde vetou o uso da expressão, alegando que ela implica que há dolo dos médicos.

É a visão do médico Sergio Costa, da Febrasgo que diz que é um termo “contaminado por preconceitos”. Ele diz que não se pode considerar o uso de manobras obsoletas, como a de Kristeller, como violência, porque não há intenção do profissional de causar dano.

E há uma parte da violência que advém de deficiências institucionais, como equipes insuficientes, falta de insumos e equipamentos. Essa precariedade foi relatada por médicos de hospitais públicos de São Paulo ouvidos pela Folha.

Do lado jurídico, as defensoras apontam que o trabalho de informação sobre direitos no parto e de visibilização dos casos é importante. A Defensoria do Mato Grosso do Sul viu chegar mais vítimas após a denúncia de Flávia, diz Sagin. “Estamos atendendo outras seis mulheres. A gente sempre soube que havia mais casos, mas elas não nos procuravam. Esperamos que apareçam ainda mais.”

A Folha procurou o Ministério da Saúde e o Conselho Federal de Medicina, mas não obteve resposta. Esta reportagem encerra a série sobre violências invisíveis contra mulheres no Brasil.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.