Descrição de chapéu Coronavírus

Com a participação do setor privado dá para acelerar a vacinação, diz ministro da Saúde

Nesta quinta Queiroga visitou pela primeira vez Porto Alegre, cujas UTIs estão lotadas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Luciano Nagel
Porto Alegre

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, avaliou como positiva a participação da iniciativa privada no processo da vacinação contra a Covid-19 no Brasil.

‘’Se houver apoio da iniciativa privada na compra de vacinas, melhor, pois teremos capacidade de acelerar essa vacinação. A questão hoje é impulsionar essa campanha o mais rápido possível nos próximos três meses. Já no segundo semestre teremos perspectivas de doses mais regulares’’, afirmou Queiroga na tarde desta quinta-feira (8), durante a sua primeira visita como ministro ao Rio Grande do Sul.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga (de jaleco branco), em visita ao hospital GHC (Grupo Hospitalar Conceição), em Porto Alegre - Mateus Luz/Divulgação

O estado enfrenta lotação de UTIs e alta de mortes da Covid-19. Na ocasião, o cardiologista conheceu os 55 novos leitos do Grupo Hospitalar Conceição, em Porto Alegre, disponibilizados para pacientes com Covid-19.

Apesar do elogio à participação da iniciativa privada, o o ministro disse que não iria se pronunciar sobre as decisões do Congresso Nacional em relação à votação que afrouxa as condições para a iniciativa privada comprar vacinas contra a Covid. ‘’Lei é lei e deve ser cumprida. As decisões do Congresso Nacional são convertidas em legislação e temos que cumprir’’, disse Queiroga.

Sobre a falta de oxigênio para pacientes com Covid-19, o ministro afirmou que o governo federal tem trabalhado na logística de distribuição do insumo para os hospitais que atendem os enfermos que contraíram o vírus.

Gestores de saúde de ao menos 1.068 municípios relataram preocupação sobre o estoque de cilindros de oxigênio e até mesmo risco de desabastecimento nos próximos dias, segundo balanço do Conasems (conselho que reúne secretários municipais de Saúde) obtido pela Folha.

‘’Nós vivemos o pior momento dessa pandemia. Muitas pessoas precisam de intubação e de oxigênio e têm sido atendidas", afirmou Queiroga.

A logística brasileira, segundo o ministro, tem apresentado eficiência com caminhões e aviões para realizar o transporte. "Este não é um problema somente do Brasil. A Califórnia [nos Estados Unidos] teve muito problema no suprimento de oxigênio. Ontem mesmo recebemos concentradores de oxigênio de uma empresa privada e agora é momento de união no país e não ficar falando de furar a fila."

Em Campos dos Goytacazes (RJ), já há pacientes compartilhando cilindros de oxigênio e respiradores, devido ao excesso de demanda provocado pela Covid-19. No final de março, o Ministério Público Federal (MPF) pediu providências urgentes ao Ministério da Economia contra o desabastecimento de oxigênio no Brasil.

O documento aponta que os estados do Acre, Rondônia, Mato Grosso, Amapá, Ceará e Rio Grande do Norte estão em situação crítica devido à falta de insumos. Também já houve casos em São Paulo.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.