Descrição de chapéu Coronavírus

Depois de reduzir previsão a quase metade, Queiroga fala em mais de 30 milhões de doses de vacina

Ministro da Saúde diz que ordem é evitar lockdown, mas que país precisa 'fazer dever de casa'

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, após ter reduzido a previsão a quase metade, disse que estão garantidas mais de 30 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 no mês de abril. Além disso, destacou que para aumentar a produção do imunizante está sendo estudada a utilização de parques de produção de vacina animal no país.

Essas mais de 30 milhões de doses seriam da Fiocruz e do Instituto Butantan. No entanto, ele informou que está tentando junto a outros laboratórios conseguir adiantar o prazo de entrega de outras vacinas no país.

No dia 31 de março, entretanto, o ministro havia dito na Câmara dos Deputados que a previsão para o mês de abril é distribuir 25,5 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. O quantitativo é quase a metade do previsto anteriormente, mas a pasta não havia dado detalhe do que mudaria. ​

Brasília, 3 de abril de 2021. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e a diretora da OPAS no Brasil, Socorro Gross, dão entrevista sobre reunião ocorrida neste sábado com o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom. Foto: Divulgação Ministério da Saúde
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e a diretora da OPAS no Brasil, Socorro Gross, dão entrevista sobre reunião ocorrida neste sábado (3) com o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom - Divulgação Ministério da Saúde

No cronograma da pasta, atualizado em 19 de março, a previsão era de entregar 47,3 milhões de doses.

A declaração foi dada após reunião com a diretora da OPAS no Brasil, Socorro Gross, neste sábado (3).

Ele continuo reforçando a importância das medidas sanitárias para o enfrentamento da Covid-19. Falou sobre a importância do uso de máscara e do distanciamento social. E também da ordem de não fazer lockdown.

“Precisamos nos organizar para fazer com que evitemos medidas extremas e consigamos garantir que as pessoas continuem trabalhando, ganhando seu salário e renda, fazendo que a economia funcione, deixando essas medidas extremas para outro caso. Evitar lockdown é a ordem, mas temos que fazer nosso dever de casa”.

Uma medida a ser adotada pelo governo é realizar um protocolo para estabelecer regras para quem utiliza o transporte público. A inteção é evitar a aglomeração.

Na ocasião, foi anunciada uma parceria com a OMS/OPAS para aumentar a produção de vacina no país para atender a população e até para exportar futuramente.

Uma das frentes é verificar a possibilidade de produzir o imunizante em parques industriais de produzem vacinas em animais.

“Eu falei do parque de animais, isso é interessante, mas carece de uma avaliação técnica. Isso não vai resolver o problema a curto prazo. Isso vai ajudar a médio prazo para o Brasil e também para outros países”.

Queiroga disse também que as Forças Armadas irão auxiliar na vacinação no país através da logística ou auxiliando o corpo técnico.

Ele disse que no país já há a participação das Forças Armadas no Programa Nacional de Imunizações, mas ela será ampliada. No entanto, não deu mais detalhes de como funcionaria.

Durante a coletiva, Socorro também falou sobre os kits de intubação. A OPAS tem auxiliado o país nas compras internacionais para que o Ministério da Saúde possa ter estoque do medicamento. Os primeiros remédios devem chegar nos próximos 15 dias.

‘Temos ofertas que estamos apresentando ao Ministério da Saúde para fazer as primeiras ordens de compra que estariam chegando entre duas ou quatro semanas. Cinco semanas para alguns itens porque são quantidades importantes para os kits de intubação para os hospitais.”

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.