Descrição de chapéu Coronavírus Ásia

Anvisa dá aval para estudo clínico no Brasil da vacina Covaxin

Imunizante contra Covid, que tinha estudos na Índia, deve ser testado em 4.500 pessoas no país

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou nesta quinta-feira (13) a realização de estudos clínicos, no Brasil, da vacina Covaxin. O imunizante é fabricado pela empresa indiana Bharat Biotech para ser usado contra a Covid-19.

O pedido de aval para os estudos foi feito pelo laboratório brasileiro Precisa Farmacêutica, que tem uma parceria com a Bharat Biotech.

Vemos seis pessoas, homens e mulheres, sentados em bancos juntos a uma parede com uma janela, a maioria deles segurando o braço esquerdo, após terem tomado vacina
Pessoas aguardam em sala de observação após receberem a vacina Covaxin em Bangalore, na Índia - Manjunath Kiran - 7.mai.21/AFP

Segundo a agência, o estudo autorizado é randomizado, duplo-cego e controlado por placebo (modelo considerado "padrão-ouro" para avaliação) e faz parte da terceira e última etapa de testes clínicos.

O objetivo é "avaliar a eficácia, segurança, imunogenicidade e consistência entre lotes da BBV152", nome dado à vacina, que usa um vírus inativado, tecnologia comum em imunizantes.

Os testes devem envolver 4.500 voluntários no país, com idade igual ou acima de 18 anos, em quatro estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Mato Grosso. Além do Brasil, o mesmo estudo é feito na Índia com outros 26.300 voluntários, informa a agência.

Ainda de acordo com a Anvisa, os testes com a vacina preveem aplicação de duas doses, com 28 dias de intervalo entre a primeira e a segunda dose.

O pedido de aval a estudos da Covaxin no Brasil havia sido protocolado ainda em fevereiro, mas estava travado por falta de documentos.

Na época, a vacina já tinha estudos em andamento na Índia. O pedido de testes no Brasil serviria, neste caso, com um complemento para análise de dados de eficácia.

Também em fevereiro, o Ministério da Saúde firmou um contrato com a Precisa para obter 20 milhões de doses da Covaxin.

Cerca de um mês depois, a pasta pediu à agência aval para importação excepcional das doses, possibilidade prevista quando a vacina já é aprovada em alguns países —entre eles, a Índia, onde a aprovação ocorreu antes do fim dos testes clínicos. O pedido, porém, foi negado por falta de documentos que pudessem mostrar dados de segurança e eficácia.

Entre os itens faltantes no pedido, estavam dados técnicos sobre a vacina, incluindo o relatório da agência indiana sobre a aprovação do imunizante no país, certificado de liberação dos lotes importados e licença de importação, além de certificado de boas práticas de fabricação, o qual já havia sido negado pela Anvisa.

Atualmente, a realização de testes no Brasil não é uma exigência para aprovação de vacinas. Membros da Anvisa, porém, costumam dizer que facilita que haja esse aval, uma vez que ele permite o acompanhamento mais próximo dos dados.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.