Polícia prende suspeito de agredir atendente que pediu uso de máscara no interior de SP

Vítima de Palmares Paulista levou socos e chutes e teve o braço fraturado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Simone Machado
São José do Rio Preto (SP)

O ajudante de motorista Márcio Roberto Rodrigues, 45, suspeito de agredir a atendente de padaria Adriana Araújo, 38, após a mulher adverti-lo para que usasse a máscara de proteção contra a Covid-19 de maneira correta, foi preso na noite de quinta-feira (18), em Palmares Paulista, no interior de São Paulo.

A agressão aconteceu no dia 11, em uma padaria no bairro Jardim União na cidade a 400 km de São Paulo. A vítima, que foi agredida com socos e chutes, teve hematomas no rosto e o braço esquerdo fraturado, tendo que passar por cirurgia para colocar placa.

mulher com máscara com hematomas no rosto e braço com tala
A atendente de padaria Adriana Araújo, 38, de Palmares Paulista (SP), agredida após pedir para cliente usar máscara - Fernando Daguano / TV Tem

No dia das agressões, um boletim de ocorrência de lesão corporal foi registrado. Rodrigues respondia em liberdade.

No entanto, no decorrer da investigação nesta semana, o delegado Pedro Luis de Senzi Carvalho reclassificou o crime como tentativa de feminicídio e solicitou ao Judiciário a prisão preventiva do suspeito.

“A vítima e mais onze testemunhas foram ouvidas e ficou comprovada a gravidade das lesões. Além disso, acreditamos que, se a atendente não tivesse sido socorrida por populares, as consequências poderiam ter sido ainda piores", afirma o delegado.

Segundo a polícia, o suspeito não havia constituído defesa até esta sexta (18). No momento da prisão, o suspeito disse à polícia, segundo o delegado, que havia ingerido bebida alcoólica e que se descontrolou após supostamente ser xingado pela atendente.

O ajudante de motorista foi preso em uma clínica de recuperação para dependentes químicos e alcoólicos, em Meridiano, cidade vizinha. Ele havia se internado no local no dia seguinte à confusão.

“Ele relatou que é dependente de álcool e teve uma recaída. Em depoimento ele disse que no dia do crime havia ingerido bebidas alcoólicas”, disse Carvalho.

close no rosto de mulher com hematoma no olho
Detalhe do hematoma no rosto da atendente de padaria Adriana Araújo, após agressão - Arquivo pessoal

Araújo conta que trabalhava na padaria quando Rodrigues entrou no estabelecimento e pediu uma bebida alcoólica. Por estar com a máscara colocada abaixo do queixo, a atendente pediu para que ele usasse a proteção de maneira correta, o que teria deixado o homem nervoso.

“Quando pedi pela segunda vez para ele usar a máscara corretamente ele se irritou e tentou me atingir com um soco, que pegou nas mercadorias que estavam no balcão, jogando-as no chão. Logo em seguida ele já veio correndo para dentro do balcão em minha direção”, lembra a atendente.

Para fugir das agressões, a mulher correu em direção à rua, mas foi alcançada pelo homem. A cena foi presenciada por diversas pessoas.

“Ele me jogou no chão e deu uma joelhada no meu rosto. Pensei que eu iria morrer. Tinha muita gente na rua e ninguém fazia nada, só ficavam olhando. Ainda tenho muito medo por mim e pela minha família.”

As agressões só pararam quando uma moradora do bairro socorreu a vítima, colocando-a para dentro do quintal da sua residência até a chegada da Polícia Militar.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.