Diagnóstico positivo de Doria não indica ineficácia da Coronavac

Tuíte tenta desqualificar, falsamente, qualidade da vacina

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

É falso que casos de pessoas infectadas com a Covid-19, mesmo após receberem as duas doses da Coronavac, mostrem que a vacina é ineficaz contra o coronavírus. Os imunizantes contra o Sars-CoV-2, como verificado pelo Projeto Comprova, reduzem o risco de desenvolver quadros graves da doença, mas não eliminam a possibilidade de contágio.

Nenhuma vacina garante 100% de imunidade contra uma doença. O propósito delas é tornar o contato do sistema imunológico com o vírus mais seguro e reduzir internações e mortes. Quanto maior a quantidade de pessoas vacinadas, menores as chances de o vírus continuar circulando. As informações desmentem alegação de um influenciador de direita no Twitter, de que o diagnóstico de Covid-19 do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), “prova que a vacina chinesa não tem eficácia”.

Doria está de máscara e camiseta pretas; na camiseta, lê-se "Vacina pra todos". Ele está recebendo uma injeção
João Doria, ao receber a primeira dose da Coronavac, em maio - Bruno Santos - 7.mai.2021/Folhapress

Como verificamos?

Primeiramente, a reportagem verificou quando o governador João Doria foi vacinado e quando se infectou com a Covid-19.

Em seguida, procurou dados sobre a eficácia da Coronavac e de como age uma vacina no organismo. Também foi consultado o professor da FCF (Faculdade de Ciências Farmacêuticas) da USP Marco Antonio Stephano para entender melhor a atuação dos imunizantes.

O Comprova pesquisou quem era o autor da postagem, @AlanLopesRio, e encontrou notícias sobre sua candidatura a vereador do Rio de Janeiro pelo PSD em 2020. O perfil dele no Twitter é fechado para o envio de mensagens particulares, então, a reportagem tentou contato no diretório estadual do PSD e por um email utilizado na campanha do ano passado e disponível na página do Facebook de sua candidatura. Não houve nenhum retorno até a publicação deste texto.

Verificação

De novo

Doria testou positivo para a Covid-19 pela primeira vez em agosto de 2020. Na época, ele compartilhou, pelo Twitter, o resultado de um exame PCR-RT e também disse que estava assintomático. Aos 63 anos, o político só foi vacinado contra a doença no dia 7 de maio deste ano, quando tomou a primeira dose da Coronavac. Ele recebeu a segunda dose em 4 de junho, 28 dias após a primeira, como indica a bula da vacina.

Nesta quinta-feira (15), Doria anunciou que testou positivo pela segunda vez. Em post no Twitter, o governador disse que fez um teste por prevenção após detectar alguns sintomas e que está se sentindo bem. Ele atribuiu os sintomas leves ao fato de ter sido vacinado.

Casos graves

A imunização não impede que a pessoa contraia o vírus, mas reduz os riscos de que desenvolva formas mais graves da doença. Segundo especialistas, nenhuma vacina é 100% eficaz contra doenças, o que inclui imunizantes utilizados há décadas, como imunizantes contra sarampo, catapora e gripe. O objetivo deles é garantir que o sistema imunológico seja exposto ao vírus de forma segura.

O que permite a erradicação de uma doença —ou redução dos casos— é a ampla cobertura vacinal. Ou seja: quanto mais pessoas protegidas, menor a circulação do vírus.

O professor da FCF/USP Marco Antonio Stephano explica que é importante entender que o objetivo das vacinas é evitar casos graves e mortes pela doença. “Quando você faz uma imunização em massa é esperado que 16% da população não tenha uma boa produção de anticorpos. Essa premissa é uma característica genética”, explica.

Além disso, os próprios estudos de eficácia demonstram que uma parcela da população não desenvolverá uma imunidade completa. “As vacinas injetáveis levam a uma imunidade para casos graves da doença. Se a pessoa toma a vacina e não desenvolve anticorpos, essa pessoa tem risco de morrer? Mais ou menos. Um grupo muito pequeno pode desenvolver a forma a grave”, acrescenta Marco Antonio.

O professor ainda ressalta que a eficácia de uma vacina é diferente para cada grupo de pessoas. “A tendência é que em idosos a resposta imune não seja a mesma que em pessoas mais jovens, assim como em quem tem comorbidade”, diz.

Eficácia

Antes de apresentar os dados de eficácia, é importante ressaltar que a eficácia e a efetividade de uma vacina não são sinônimos para os pesquisadores, conforme explica reportagem da Veja Saúde. A eficácia é definida a partir de estudos clínicos rigorosos feitos em condições controladas. Já a efetividade avalia os resultados da vacina na população de modo geral.

A Coronavac teve o uso emergencial aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) após apresentar eficácia global de 50,38% —isso representa a proporção de pessoas que não foram infectadas após tomarem a vacina. No entanto, pesquisas podem apresentar resultados distintos umas das outras por diversos aspectos, que incluem o perfil da população, idade e diferentes respostas imunológicas de cada organismo. É exatamente por isso que não tem como comparar uma vacina com a outra.

Um estudo de efetividade conduzido pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, vacinou cerca de 75% da população adulta e observou quedas de 80% nos casos sintomáticos de Covid e de 86% nas internações, além da redução de mortes em 95%.

Outra pesquisa, feita no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, mostra que houve queda de 80% nos casos de Covid entre 22 mil funcionários vacinados com a Coronavac, mesmo tratando-se de agentes de saúde constantemente expostos ao vírus.

Nenhuma das vacinas aprovadas para uso no Brasil apresentaram 100% de eficácia nos testes, conforme explicado anteriormente.O imunizante da Pfizer apresentou uma eficácia de 95% sete dias após a segunda dose, de acordo com a bula. A da Janssen apresentou eficácia de 66,9% contra casos graves e moderados e a da AstraZeneca de 70%.

Segundo o professor Marco Antonio, com todos os imunizantes há casos de pessoas que se infectam mesmo estando vacinadas, mas os que envolvem a vacina do Butantan estão se destacando pela quantidade de informações falsas que rondam o imunizante. “Isso ocorre com todas as vacinas, mas por ter muita desinformação circulando contra a Coronavac, ela fica mais em evidência”, diz.

A desconfiança em torno da Coronavac ocorre desde o ano passado, quando o imunizante entrou no centro da disputa política entre Doria e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, a vacina virou uma das bandeiras do governador de São Paulo no combate à Covid-19, enquanto Bolsonaro passou a desacreditá-la publicamente, tratando-a por “vacina chinesa”.

Além de desautorizar a compra da Coronavac pelo Ministério da Saúde, no ano passado, Bolsonaro celebrou a suspensão temporária de testes com o imunizante após a morte de um voluntário —que não teve relação com possíveis efeitos da vacina.

Este ano, o presidente já afirmou equivocadamente, mais de uma vez, que a Coronavac “não deu certo” e que ela teria provocado problemas no Chile.

Por fim, Marco Antonio ressalta a importância das pessoas confiarem nas vacinas e se vacinarem. “Essas coisas fazem com que os grupos antivacinas levantem sua bandeira e as pessoas não se vacinem. Mas são elas que estão salvando pessoas. Se demorarmos, vão surgir novas variantes que vão conseguir neutralizar as vacinas”, alerta.

Reinfecção

Apesar de raras, já se sabe que reinfecções por Covid são possíveis. De acordo com um estudo publicado na revista científica The Lancet, em março, menos de 1% se contagia novamente com o coronavírus. Um outro estudo publicado na The Lancet em abril deste ano mostrou uma chance 84% menor de pegar o novo coronavírus para quem já foi contaminado.

Já uma outra pesquisa feita pela Fiocruz indicou que uma pessoa que é assintomática ou tem sintomas leves, como foi o caso de Doria, está mais propensa a ter uma segunda infecção, por não ter produzido uma resposta imunológica forte. O estudo, inclusive, encontrou indícios de que essa segunda infecção pode provocar sintomas mais fortes do que o primeiro contágio.

De acordo com Marco Antonio Stephano, as reinfecções são provocadas por variantes que conseguem driblar o sistema imune. “Quando mais a gente demora para vacinar as pessoas, mais surgem novas variantes e aumenta o risco de reinfecções”, explica.

Bolsonaro e desinformação

O autor do post, Alan Lopes, foi candidato a vereador do Rio de Janeiro pelo PSD em 2020 e, com 2.540 votos, não foi eleito. Ele é descrito como influenciador de direita por reportagem da Aos Fatos, que ressalta o perfil de Lopes nas redes sociais como propagador de notícias falsas. O Comprova tentou entrar em contato com ele, mas não recebeu nenhum retorno até a publicação desta verificação.

No Twitter, Lopes possui mais de 75 mil seguidores e se descreve como “cristão, conservador, casado, pai, empresário e defensor implacável da família tradicional”. Ele é seguido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e pelo Secretário Especial de Cultura do governo federal, Mário Frias. Entre as postagens na rede social há a defesa à adoção do voto impresso, posts pró-armamento e críticas ao uso de máscaras e distanciamento social. Ele também afirma ser CEO do Instituto Intelectos, plataforma que alega que o Brasil é o maior protetor ambiental do mundo.

Lopes já compartilhou notícias falsas, como supostos documentos que comprovariam fraude nas eleições de 2018, e que a empresa responsável pela fabricação das urnas eletrônicas no Brasil teria sido vendida a uma companhia chinesa, desmentida por Aos Fatos, Agência Lupa e Estadão Verifica.

Por que investigamos?

A quarta fase do Comprova checa conteúdos suspeitos sobre o governo federal, eleições ou a pandemia que tenham atingido alto grau de viralização, como o caso da postagem verificada, que apresentou mais de 11,3 mil interações no Twitter.

Em julho de 2021, os participantes do projeto decidiram também verificar desinformações envolvendo possíveis candidatos à presidência da República. Desde então, o projeto tem monitorado nomes que vêm sendo incluídos em pesquisas dos principais institutos.

O Comprova já desmentiu afirmações equivocadas sobre imunização envolvendo a infecção do apresentador Rodrigo Faro mesmo após ter tomado a vacina contra a Covid-19. Também foram verificadas postagens sobre a validade das doses da vacina Janssen doadas ao Brasil pelos EUA e afirmando falsamente que a OMS não recomendou a aplicação de uma terceira dose da vacina.

A AFP Checamos publicou uma verificação no Twitter sobre o conteúdo.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações disponíveis no dia 16 de julho de 2021.

A investigação desse conteúdo foi feita por UOL e Correio Braziliense e publicada na sexta-feira (16) pelo Projeto Comprova, coalizão que reúne 33 veículos na checagem de conteúdos sobre coronavírus e políticas públicas. Foi verificada por Folha, Estadão, Correio de Carajás e Correio.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.