Descrição de chapéu diabetes

Brasil tem casos de falsificação de Ozempic; veja lotes

SBD alerta também para a oferta de genéricos da semaglutida em farmácias de manipulação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A falsificação do Ozempic, problema que ganhou destaque nas últimas semanas na Europa, ocorre também no Brasil.

Resoluções da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicadas no Diário Oficial da União indicam ao menos dois episódios de produtos fraudados e um de divulgação irregular do medicamento, que é indicado para o tratamento de diabetes tipo 2, mas se popularizou como auxiliar no processo de emagrecimento.

Na última semana, a Anvisa foi alertada pela Novo Nordisk, responsável pela fabricação do medicamento, que a farmacêutica não reconhece o lote LP6F832, com validade até novembro de 2025, como original, tratando-se assim de falsificação

Ozempic é recomendado para o tratamento de diabetes tipo 2, mas é usado para emagrecimento - Divulgação/Novo Nordisk

O primeiro registro de fraude do medicamento ocorreu em junho. Na época, a agência reportou que foi alertada pela fabricante sobre a identificação de unidades falsificadas no mercado.

Segundo a farmacêutica, unidades do lote MP5C960 apresentavam em suas embalagens uma concentração diferente da original. O idioma (espanhol) também não condizia com o do lote verdadeiro.

O caso foi compartilhado como um alerta às agências sanitárias internacionais e, em agosto, o México reportou falsificações com o mesmo lote.

Além dos medicamentos falsos comunicados à Anvisa, também há casos de farmácias de manipulação vendendo o que alegam ser o produto sem autorização, diz a SBD (Sociedade Brasileira de Diabetes).

"A única semaglutida aprovada no Brasil [para tratamento de diabetes] tem as marcas Ozempic (injetável) e Rybelsus (oral). Não há genéricos ou biossimilares de semaglutida", afirma João Salles, endocrinologista da Santa Casa de São Paulo e vice-presidente da SBD.

Ele também ressalta que o fármaco é aprovado para diabetes tipo 2 e só deve ser utilizado mediante prescrição médica. "O uso dessa medicação sem uma titulação específica causa efeitos colaterais importantes no paciente."

Pacientes hospitalizados

Em junho, foram encontradas canetas aplicadoras falsificadas nos Estados Unidos e, neste mês, a Agência Europeia do Medicamento emitiu um alerta após ser informada sobre o problema em cadeias de abastecimento legais e ilegais em países como Alemanha e Áustria.

Na Áustria, o gabinete de segurança sanitária atualizou o comunicado emitido no dia 19 para informar que vários pacientes no país tiveram de ser hospitalizados após utilizarem versões falsificadas do medicamento.

"Os graves efeitos colaterais relatados, incluindo hipoglicemia e convulsão, são uma indicação de que o produto falso continha insulina em vez do princípio ativo semaglutida", alertou a autoridade austríaca.

Segundo a Novo Nordisk, os produtos Ozempic dos lotes MP5E511 e NP5G866, envolvidos nos episódios europeus, não foram distribuídos no Brasil.

A farmacêutica afirma que trabalha com empresas especializadas no monitoramento e eliminação da oferta ilegal de produtos e segue denunciando às autoridades todos os casos de falsificação de que tem conhecimento.

Em caso de suspeitas de falsificação, é possível notificar a empresa por meio do telefone 0800-014-44-88 ou pelo email sac.br@novonordisk.com.

Cuidados ao comprar medicamentos

• Não utilize sites e canais não licenciados pela Anvisa para comercialização de medicamentos;
• Suspeite se a caixa apresentar informações em outro idioma e dados diferentes dos encontrados na embalagem do medicamento;
• Desconfie se o valor for muito diferente daquele presente na lista de preços da CMED (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos). A relação é divulgada no site da Anvisa e atualizada mensalmente;
• Em caso de suspeita de falsificação, alerte a Anvisa.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.