Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/08/2010 - 10h40

Puberdade cada vez mais cedo eleva risco de câncer de mama

Publicidade

GABRIELA CUPANI
DE SÃO PAULO

Cerca de 15% das meninas americanas entram na puberdade por volta dos sete anos, mostra uma pesquisa publicada na última edição do periódico "Pediatrics".

A porcentagem dobrou, em relação a estudo de 1997.

Os autores sugerem que essa mudança pode elevar o risco de câncer de mama, já que as mulheres passam mais anos expostas à ação de hormônios. As meninas podem ter mais problemas de autoestima e depressão.

"Observa-se uma aceleração secular do crescimento, as crianças estão amadurecendo mais precocemente", diz a hebiatra (médica de adolescentes) Debora Gejer, do Hospital Sírio-Libanês.

Fatores como a melhor qualidade de vida, com ganhos na alimentação, estão por trás do fenômeno. A pesquisa americana encontrou uma relação entre maior índice de massa corporal e amadurecimento precoce.

"Isso se deve provavelmente à ação da leptina, um hormônio das células de gordura, que estimula o amadurecimento", diz Gejer.

O novo estudo, que envolveu 1.239 garotas, reforça a tendência apontada em outras pesquisas -como uma recente, feita na Dinamarca, segundo a qual a média de idade do início da puberdade caiu de 10,9 anos em 1991 para 9,9 em 2006.

Outro estudo, da Universidade Federal de Pelotas (RS), mostrou que quanto maior a velocidade de crescimento e o peso nos primeiros anos de vida da criança, maior o risco de a primeira menstruação ocorrer antes dos 12 anos.

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página