Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/01/2011 - 16h58

Comer 8 porções de frutas e legumes por dia protege o coração

Publicidade

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Comer um mínimo de oito porções de frutas e vegetais por dia pode diminuir o risco de doença cardíaca em um quarto, afirmaram cientistas britânicos. Um novo estudo descobriu que, ao contrário do que se imaginava, comer cinco porções diárias para uma vida saudável pode ser inadequado.

SXC
Novo estudo mostra que comer oito porções de frutas e legumes por dia protege contra risco de doenças cardíacas
Novo estudo mostra que comer oito porções de frutas e legumes por dia protege contra risco de doenças cardíacas

A informação foi publicada no site do jornal britânico "The Telegraph" nesta quarta-feira.

A pesquisa questiona a cota recomendada pelo governo do Reino Unido que segue orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e atualmente recomenda comer cerca de 400 gramas de legumes por dia.

No entanto, o novo estudo descobriu que porções extras oferecem mais proteção à saúde.

Pessoas que ingerem oito ou mais porções por dia têm 22% menos chance de morrer de doença cardíaca do que alguém que come apenas três --a média nacional do Reino Unido.

No entanto, o relatório do "European Heart Journal" admitiu que isso também pode significar que as pessoas que comem mais vegetais têm um estilo de vida mais saudável.

Uma porção equivale a cerca de 85 gramas ou uma cenoura pequena, uma maçã média ou uma banana pequena.

A pesquisa analisou 300 mil pessoas com idades entre 40 e 85 anos em oito países.

Segundo Victoria Taylor, nutricionista da Fundação Britânica do Coração, "este grande estudo observacional dá mais credibilidade à recomendação de comer mais frutas e legumes para ajudar a reduzir o risco de doença cardíaca".

Para o professor Michael Marmot, diretor da UCL (University College London), "essa proporção é de uma enorme importância prática. Doença cardiovascular é a principal causa de morte comum. Uma redução de 22% é enorme".

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página