Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/09/2011 - 16h00

Amamentar não previne doenças alérgicas, indica estudo

Publicidade

NICHOLAS BAKALAR
DO "NEW YORK TIMES"

De um modo geral, acredita-se que o leite materno reduz os riscos das crianças desenvolverem eczemas (doença que atinge a pele) ou outras doenças alérgicas. Contudo, um novo estudo concluiu que não há evidências para essa crença.

Pesquisadores do Reino Unido coletaram dados de mais de 50 mil crianças de 21 países, com idades entre oito e 12 anos. Usando exames da pele das crianças, históricos médicos familiares e questionários sobre antigos sintomas, eles avaliaram a prevalência e a severidade do eczema. As crianças também realizaram testes cutâneos de leitura imediata para os alergênios mais comuns.

Mesmo entre as crianças que haviam sido amamentadas durante seis meses ou mais, não havia evidências de que amamentação tinha evitado ou reduzido a severidade do eczema. Os resultados foram os mesmos para as crianças cujas mães tinham histórico de alergia e para as crianças cujo resultado do teste cutâneo foi positivo.

Nos países mais ricos, a amamentação foi associada a um pequeno aumento do risco de eczema. Os pesquisadores suspeitam que isso tenha ocorrido porque a mãe, ao observar uma reação alérgica no bebê, tentou amamentá-lo durante mais tempo, e não porque amamentação causou a alergia.

"Não estamos questionando os benefícios da amamentação", afirma Carsten Flohr, principal autora do estudo e professora universitária da Kings College de Londres. "Porém, quando o assunto é prevenção do eczema, a amamentação ou sua versão prolongada parecem não proteger o bebê".

O estudo está apresentado on-line, na revista "The British Journal of Dermatology".

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página