Medalhista russo é investigado por doping nos Jogos de Inverno

Alexander Krushelnytsky pode perder a medalha de bronze que ganhou no curling

Alexander Krushelnytsky, investigado por doping nos Jogos de Pyeongchang, recebe a medalha de bronze que conquistou junto da mulher, Anastasia Bryzgalova, nas duplas mistas de curling
Alexander Krushelnytsky, investigado por doping nos Jogos de Pyeongchang, recebe a medalha de bronze que conquistou junto da mulher, Anastasia Bryzgalova, nas duplas mistas de curling - Eric Gaillard/Reuters
São Paulo

Um atleta russo que conquistou a medalha de bronze nas duplas mistas do curling foi flagrado no exame antidoping durante os Jogos de Inverno de Pyeongchang. Alexander Krushelnytsky, que competiu ao lado da mulher na Olimpíada, está sob investigação por ter testado positivo para a substância meldonium. 

A Rússia foi banida dos Jogos pelo COI (Comitê Olímpico Internacional) por conta de seu envolvimento no escândalo de doping da Olimpíada de Sochi-2014. A entidade, no entanto, liberou 168 atletas do país para competir de forma neutra. Os convites foram feitos após os atletas passarem por testes internos e rigorosos.

Nesta edição dos Jogos, os russos têm usado uniformes com a designação OAR (Atletas Olímpicos da Rússia, em inglês). Por meio de um comunicado, a organização confirmou que um de seus atletas está sendo investigado por ter testado positivo em um exame de urina de rotina.

A OAR não informou publicamente que se trata de Krushelnytsky, mas o jornal "The New York Times" confirmou a identidade do atleta com pessoas ligadas ao caso.

A OAR disse que Krushelnytsky fará um segundo exame para obter a contraprova. Caso o doping seja confirmado, ele corre o risco de perder a medalha que conquistou nos Jogos.

Em nota, o COI valorizou os esforços para impedir o doping nesta Olimpíada. "É muito desapontador quando substâncias proibidas podem ter sido usadas, mas, por outro lado, isso mostra que o sistema antidoping dos Jogos é efetivo, o que protege os direitos de todos os atletas limpos", disse a entidade.

Até então, o patinador de velocidade japonês Kei Saito, 21, era o único atleta flagrado por doping na Olimpíada. Ele foi pego com a substância acetazolamida, um diurético que serve para perda de peso, mas também pode ser usado para mascarar substâncias mais graves, como esteroides.

O meldonium encontrado no organismo de Krushelnytsky é uma substância utilizada como remédio para o coração por aumentar o fluxo da corrente sanguínea. A Wada (Agência Mundial Antidoping) proibiu o seu uso em janeiro de 2016.

A substância foi a mesma que levou à suspensão da tenista Maria Sharapova por 15 meses. Ela admitiu que fazia uso do meldonium como medicação, mas afirmou que não foi informada sobre o veto da Wada. Diversos outros atletas russos também foram flagrados em exames antidoping com essa mesma substância.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.