Mesmo sem repetir time, Aguirre começa a achar seu São Paulo

Técnico só repetiu uma vez, mas passou a mostrar ideia de jogo mais clara

Bruno Rodrigues Luiz Cosenzo
São Paulo

O torcedor são-paulino talvez tenha dificuldade de nomear todo o time titular do técnico Diego Aguirre. 

Depois de alguns testes e mudanças, o uruguaio chega ao seu 11º jogo no comando da equipe neste sábado (5), às 19h, contra o Atlético-MG, no Morumbi. Mas desde que assumiu o São Paulo, em março, só repetiu a escalação uma vez.

Foi contra o Corinthians, pela semifinal do Campeonato Paulista, mantendo em Itaquera os mesmos jogadores que haviam iniciado a partida anterior, no Morumbi.

Para a série contra o rival, a equipe entrou em campo com Sidão; Militão, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Petros e Liziero; Nenê, Marcos Guilherme e Tréllez.

Diego Aguirre durante treino do São Paulo
Aguirre pensa nos três zagueiros como padrão de seu sistema defensivo - Ronny Santos/Folhapress

Aguirre escalou 27 atletas diferentes até aqui, mas fazendo poucas trocas nos titulares entre uma partida e outra, tentando encontrar um desenho para o seu modelo. 

Esse modelo de jogo passou a mostrar ideias mais claras com a chegada do lateral direito Régis, que veio do São Bento. Com a entrada do jogador no time é que se deu a transformação mais efetiva: a utilização de três zagueiros.

Na estreia da Sul-Americana contra o Rosario Central, Régis foi titular. Pela primeira vez em seis jogos, o técnico testava a linha de três atrás com Arboleda, Rodrigo Caio e Militão. Régis, de características ofensivas, atuaria como um ala com mais liberdade para subir ao ataque. 

O plano, porém, não deu muito certo pois logo aos 35 minutos de jogo, Rodrigo Caio foi expulso. Régis então foi substituído por Bruno Alves na tentativa de arrumar o sistema defensivo são-paulino, que conseguiu segurar os argentinos em 0 a 0. 

Para o jogo seguinte, contra o Paraná, Aguirre voltou a escalar o lateral como titular. Militão variou entre terceiro zagueiro e lateral esquerdo.

Na sequência, o técnico só abriu mão dos três zagueiros uma só vez, diante do Ceará, pela segunda rodada do Brasileiro. O que não deve se repetir diante do Atlético-MG.

Para este sábado, o São Paulo deverá ter novamente os três defensores, um padrão que o treinador quer para a equipe. Além disso, um meio campo formado por Jucilei, Liziero e Nenê, nomes frequentes entre os titulares.

Jucilei começou jogando em 9 das 10 partidas de Aguirre até aqui. Nenê e Liziero começaram em 8 delas. 

“Ele é um técnico que se adapta aos jogadores que tem. Tínhamos uma equipe base de uns sete jogadores que jogávamos sempre”, diz à Folha o paraguaio Néstor Ortigoza, capitão de Aguirre no San Lorenzo em 2017, o último trabalho do técnico antes de vir ao clube do Morumbi.

A única mudança deve ser o retorno de Reinaldo ao time. Recuperado de lesão, o lateral pode entrar na vaga de Petros. Diego Souza, titular no empate com o Fluminense, deverá ser mantido no time.

Com essa base, o comandante uruguaio começa a ver o São Paulo com a sua cara.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.