Descrição de chapéu Copa do Mundo

'Qual foi o seu 7 a 1?', pergunta Felipão em palestras motivacionais

Trauma imposto pela Alemanha serve como gancho para falar sobre superação

Luiz Cosenzo
Sochi

Diante de uma plateia formada por executivos e funcionários de uma indústria farmacêutica agropecuária, surge o pentacampeão Luiz Felipe Scolari, 69, por trás de uma cortina num auditório, e pergunta: "Qual foi o seu 7 a 1?".

Vestido de calça social e terno, trajes contrários ao tradicional agasalho que coloca para ficar à beira do campo, ele ainda aponta para outras duas pessoas e as questiona: "E o seu? Qual foi sua pior derrota?".

 

A goleada sofrida pela seleção brasileira para a Alemanha na semifinal da Copa de 2014, em território nacional, é lembrada assim pelo treinador daquele fatídico dia.

O trauma do 7 a 1 tem servido de gancho para o comandante do penta falar sobre superação em suas palestras.

Assim que faz as perguntas, Felipão diz que as pessoas não podem amargar uma situação negativa e que precisam se erguer, seguir em frente.

Para reforçar o discurso, o treinador cita durante a palestra que, três semanas após a maior derrota da história centenária da seleção brasileira e de sua saída do cargo, ele foi anunciado como treinador do Grêmio. A recepção foi positiva. Quase 10 mil pessoas, que gritavam "o campeão voltou".

Nas passagens anteriores pela equipe gaúcha, Felipão conquistara a Copa Libertadores, a Recopa Sul-Americana, o Brasileiro e a Copa do Brasil, além de três estaduais.

Já foram duas palestras realizadas por ele no Brasil com o 7 a 1 como tema desde novembro de 2017, quando deixou a equipe chinesa do Guangzhou Evergrande após dois anos e sete títulos conquistados.

Elaborados pelo seu estafe, os eventos são corporativos --o valor não foi divulgado-- e é proibido vender ingresso.

Entre 2008 e 2012, Felipão realizou várias palestras com o enfoque motivacional, uma das principais características do seu trabalho pelos clubes e pelas seleções do Brasil e de Portugal. O time do penta, aliás, ficou conhecido como "Família Scolari". Porém, parou de realizar o trabalho depois de reassumir a seleção brasileira para a Copa no país.

 

"A palestra que ele fazia até 2013 era motivacional. Ele contava a história da vida dele dando exemplos. Após o Mundial do Brasil, mudamos o enfoque e agora o tema é superação. Motivação você tem que ter todo dia, mas um dia você vai ter uma derrota. Portanto, você tem de saber superar", disse o estafe do treinador.

"A derrota pode ser empresarial, profissional, pessoal, pode ser um desemprego, a falência da empresa ou a morte de uma pessoa próxima. Há momentos de dor na vida de uma pessoa, mas é preciso estar preparado e se levantar para seguir em frente", acrescentou o estafe.

Felipão, aliás, não vai trabalhar em uma Copa pela primeira vez desde 2002, quando conquistou o penta.

Quatro anos depois do título, o treinador comandou Portugal na Alemanha e terminou na quarta colocação.

 

Na África do Sul, em 2010, Scolari foi comentarista de uma TV sul-africana. No Brasil, em 2014, dirigiu a seleção, que ficou em quarto.

 

Ele até foi chamado para trabalhar na Copa da Rússia. A Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) o convidou para trabalhar como observador em jogos da seleção brasileira, mas o treinador recusou o convite por achar falta de ética.

Scolari foi à Rússia, mas apenas para acompanhar a abertura, a convite da Fifa.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.