Nem na marcação Gabriel Jesus foi melhor que Firmino

Tite insistiu em atacante pior que o reserva tanto em indicadores ofensivos e defensivos

Análise

Fábio Takahashi Daniel Mariani Guilherme Garcia
São Paulo

Que Roberto Firmino teve participação ofensiva na Copa maior do que o titular Gabriel Jesus nem precisou muito para se notar. Uma análise aprofundada das estatísticas da seleção mostra ainda que o reserva foi também melhor em ações defensivas.

A ajuda na marcação era justamente a justificativa da comissão técnica para manter Jesus, atacante que não fez nenhum gol, em 424 minutos jogados. O reserva marcou um, em um terço do tempo.

Roberto Firmino lamenta após o fim do jogo entre Brasil e Bélgica pelas quartas da Copa
Roberto Firmino lamenta após o fim do jogo entre Brasil e Bélgica pelas quartas da Copa - Luis Acosta/AFP

Nesse período, Firmino fez uma média de 6,6 combates a cada 90 minutos. Jesus deu menos da metade.

Firmino ganhou 75% dos confrontos defensivos que participou; Jesus, 40%.

Se considerados também os dados ofensivos dos dois, fica muito difícil de entender a opção feita pelo técnico Tite de manter Firmino no banco. Ele estava pronto para assumir o posto, diferentemente de Douglas Costa, que fez sombra a Willian, mas se machucou e perdeu partidas.

Firmino entrou no segundo tempo contra a Bélgica. Foi apenas nesse momento que o Brasil conseguiu impor uma superioridade contra o rival, que vencia por 2 a 0.

No Mundial como um todo, Firmino teve média de 5,8 chutes para o gol a cada 90 minutos jogados; Jesus, apenas 1,9.

O atacante titular começou mal a Copa ofensivamente e não conseguiu melhorar. Contra a Sérvia, terceira partida do Brasil, ele não havia tido nenhuma finalização certa.

Contra a Bélgica, o ponto fraco do Brasil parece não ter sido tanto a parte ofensiva, que balançou as redes e ainda acertou bola na trave. Levar dois gols no mesmo jogo é que foi inédito para a seleção neste Mundial.

Contribuiu muito para isso a ausência do volante Casemiro, suspenso. Ele era o jogador que mais roubava bola no Mundial. Entrou Fernandinho, que fez um gol contra e foi o brasileiro mais driblado numa partida no torneio.

Nesse setor Tite, aparentemente, também poderia ter feito uma escolha melhor.

Ele colocou como titular o lateral Marcelo, que se recuperou de contusão nas costas e ganhou o lugar de Filipe Luís. Este participou mais na marcação durante o torneio.

Felipe Luís deu média de 3,5 combates a cada 90 minutos jogados; Marcelo, 2,4.

O jogador que perdeu o lugar também se posicionou mais defensivamente do que Marcelo. O primeiro, em média, tocou na bola cinco metro antes do meio de campo; o segundo, quatro metros depois da linha do meio.

Questionar as escolhas pelo centroavante e do lateral esquerdo não significa dizer que o trabalho de Tite foi ruim.

Mesmo na derrota contra a Bélgica, essa foi a partida que a seleção mais chutou no gol adversário e a segunda em que mais acertou passes.

O duro é que passar de uma quartas de final de Copa, em geral, exige jogo de alto nível em quase todos os lances. Que poderia ter vindo de um desarme a mais de Filipe Luís. Ou de um chute a mais de Firmino na área adversária.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.